Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe 1% com aversão ao risco no exterior

Divulgação/Marcelo Casal Jr_Agência Brasil  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/09/2021 | 10:14


A aversão ao risco no exterior dá o tom dos negócios no Brasil e o dólar opera em alta de 1% nos mercados à vista e futuro nesta primeira hora de negociação. A moeda norte-americana é fortalecida no mercado internacional, à medida que ativos de risco e commodities são penalizados por temores dos investidores quanto à crise financeira na China.

A semana também reserva diversas reuniões de política monetária pelo mundo, com destaque para a dos Estados Unidos e a do Brasil, ambas com os anúncios marcados para quarta-feira.

Os índices futuros atrelados às bolsas de Nova York e os juros dos Treasuries estenderam a trajetória de queda há pouco, em um dia marcado pela cautela de investidores diante de possíveis impactos da situação fiscal da incorporadora imobiliária Evergrande nos mercados. Em meio à crise de liquidez da gigante chinesa, um dos principais credores da companhia fez provisões para o calote de uma parte dos empréstimos que concedeu à empresa.

Às 9h30, o dólar à vista era negociado a R$ 5,3383, em alta de 1,06%. Na máxima, minutos antes, a cotação havia chegado aos R$ 5,3458.

No mercado futuro, o dólar para liquidação em outubro subia 1,03%, aos R$ 5,3515. o mercado internacional, o Dollar Index (DXY) subia 0,22% e os futuros da Bolsa de Nova York caíam em bloco.

Nesta manhã, o Boletim Focus, do Banco Central, mostrou que o mercado financeiro piorou as estimativas para a economia. A expectativa para o dólar no final de 2021 foi mantida em R$ 5,20, mas para 2022, no entanto, as projeções se elevaram de R$ 5,20 para R$ 5,23.

Para a inflação, as estimativas do IPCA para 2021 passaram de 8,00% para 8,35%, já bem distantes do teto da meta (5,25%). Para o IPCA de 2022 foram elevadas de 4,03% para 4,10%. A expectativa para a taxa Selic subiu de 8,00% para 8,25% em 2021 e de 8,00% para 8,50% ao final de 2022.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;