Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Fernández cancela viagens internacionais e prepara mudanças no gabinete

Divulgação/Presidência da Argentina/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/09/2021 | 20:27


Após uma série de reuniões que entraram pela madrugada desta sexta-feira (17), o presidente da Argentina, Alberto Fernández, prometeu que organizará um novo gabinete e "encerrará a discussão no país". A imprensa argentina noticiou que Fernández está reunido, nesta tarde, na Casa Rosada com vários membros de seu governo. Até agora, porém, nenhum nome foi anunciado.

Segundo o site do jornal Clarín, o presidente revelou ter avançado com seu plano de incorporar novos nomes ao seu governo, entre eles, Danile Scioli, atual embaixador no Brasil, e Julián Domínguez, ex-presidente da Câmara dos Deputados.

Essas declarações surgem no contexto da crise desta semana no governo argentino, após a derrota da coalizão governamental nas eleições primárias do domingo passado - antes das eleições legislativas de 14 de novembro - e da decisão de vários ministros da ala do peronismo kirchnerista, liderados pela ex-presidente e atual vice-presidente Cristina Kirchner, de renunciar.

Fernández também suspendeu suas viagens ao exterior, incluindo a visita ao México para a cúpula de sábado entre chefes de Estado da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), para terminar de definir as medidas econômicas que serão anunciadas nos próximos dias, segundo ele.

Além de cancelar a sua participação na reunião com os líderes da Celac - grupo que a Argentina espera presidir em 2022, se receber o apoio necessário -, o presidente não participará pessoalmente da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas, mas com um vídeo gravado. A Assembleia dos líderes ocorre na próxima semana, a partir de terça-feira.

O conflito político no país se agravou na quinta-feira, quando a vice-presidente - a quem cabe substituir o presidente durante viagens ao exterior - publicou uma longa carta nas redes sociais na qual criticou abertamente, entre outras coisas, a política econômica do governo. A forma como conduz a área iria ter consequências eleitorais, segundo Cristina, lembrando a Fernández que foi ela quem o escolheu como candidato a presidente.

Horas antes, o presidente usou o Twitter para fazer a sua primeira declaração pública sobre o conflito: "Escutei o meu povo. A arrogância não se aninha em mim. O governo continuará a se desenvolver da forma que eu achar conveniente. Foi para isso que fui eleito. Sempre buscarei a união dos argentinos", escreveu.

A crise que expôs as profundas divisões na coalizão governista deixou um clima de incerteza na Argentina sobre se o presidente executará as reformas ministeriais e econômicas exigidas pela vice. Fernández não disse se aceitará as demissões que foram apresentadas a ele por vários ministros e dirigentes vinculados a Cristina. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;