Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

O WhatsApp não é tão seguro como diz

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

17/09/2021 | 12:18


*Por Vivaldo José Breternitz

A criptografia ‘ponta a ponta’, adotada pelo Facebook como forma de manter o sigilo das mensagens trocadas pelos 2 bilhões de usuários do WhatsApp, não garante esse sigilo de forma total. Quem faz essa afirmação é a ProPublica, organização sem fins lucrativos com sede em Nova York, que diz ser voltada ao jornalismo investigativo de interesse público.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para  e suas questões podem ser respondidas

Segundo a organização, uma inteligência artificial analisa as mensagens trocadas e, interceptando aquelas que julga “problemáticas”, as envia para análise de contratados do Facebook, que decidem se elas serão ou não entregues aos destinatários. Logo, em tese, a criptografia ‘ponta a ponta’ não existe.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

A ProPublica diz que são mais de mil pessoas fazendo esse trabalho, instalados em Dublin, Cingapura e Austin, Texas. Esse pessoal, em menos de um minuto, libera as mensagens ou retém aquelas relativas a prováveis fraudes, spam, pornografia, pedofilia, terrorismo.

Contatado pela ProPublica, o diretor de comunicações do WhatsApp, Carl Woog, reconheceu que esse trabalho ocorre, mas diz que o objetivo é evitar abusos, sem quebra da privacidade. Ele defende que há criptografia ‘ponta a ponta’.

Mas também se sabe que informações vindas do WhatsApp foram compartilhadas pelo Facebook com órgãos de segurança, que, compreensivelmente pressionam para que esse sigilo seja quebrado sempre que possa ajudar investigações.

Há ainda outra variável: o Facebook precisa usar o WhatsApp para ganhar dinheiro, afinal, pagou US? 22 bilhões em 2014 para comprar o aplicativo, que é gratuito para seus usuários. Como fazê-lo sem provocar reações dos usuários é um problema para o Facebook.

Para os simples mortais que usam o WhatsApp, uma sugestão: não dar o sigilo como 100% garantido é uma boa ideia. Mudar para concorrentes como o Telegram, WeChat e outros não muda muita coisa. Privacidade não existe mais.


Vivaldo José Breternitz, doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;