Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Era uma vez...mas a história mudou

Claudinei Plaza/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Educadora e artesã, Elidy Moreira costura bonecas negras e personagens de contos ganham nova cor


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

05/09/2021 | 00:01


Para pautar discussões raciais, a arte educadora e artesã Elidy Moreira da Silva, 41 anos, idealizou o projeto Cria Criôla, uma confecção de bonecas pretas de pano, costuradas por ela mesma, que utiliza para formação de docentes que terão de abordar o tema nas salas de aula. A pedagoga também tranformou personagens de contos famosos no intuito de quebrar o paradigma ‘de princesas brancas’, promovendo a representatividade afro entre os pequenos.

Moradora do bairro Cidade São Jorge, em Santo André, ela contou que a ideia surgiu quando passou a notar que os contos infantis e histórias em livros didáticos careciam de conteúdos que discutissem diferenças raciais. “Hoje já temos algumas histórias diferentes,mas, na época que eu estava na sala de aula, todas as princesas e príncipes eram brancos. Os livros pouco traziam informações sobre raças e o preconceito. Então passei a usar formas lúdicas para tratar este tema com as crianças”, relembrou Elidy, que além dos objetos de tecido, também passou a contar as histórias comuns, como a da Bela e a Fera, transformando os personagens em negros.

“Hoje uso minha arte para formar professores, e esses bonecos e bonecas tornam o assunto mais leve e divertido na hora que, em sala de aula, os docentes têm de tratar de discussões raciais”, explicou, relembrando que uma aluna negra disse a ela que não poderia ser a personagem Elsa, do filme Frozen, porque seu cabelo não era loiro e liso. “Precisamos mostrar para as crianças que todas elas são iguais, que não têm de ter estigmas de cor de pele e cabelo”, criticou.

De chaveiros a enfeites grandes, Elidy costura diariamente os personagens, que além da cor da pele, representam o cabelo, vestimenta e cultura afro. A artesã confecciona ainda Orixás em tecido, que reforçam a religião cultuada pelo povo africano, e que originou, sobretudo, o samba e batuque comuns do Brasil. Há ainda as bonecas Tilpas, que não expressam personalidade, já que não têm rosto desenhado, de maneira que a pessoa escolhe a boneca que mais se assemelhar. “Hoje faço por encomenda as bonecas, seja para professores ou pessoas que queiram ter. Confecciono também personagens conhecidos, mas de pele preta, como a Negra de Neve, Mulher Maravilha Negra, Bela Negra, que buscam a representatividade afro”, explicou.

Embora não seja negra, a educadora contou que seu bisavô era escravo e que seu sobrenome Moreira pertencia aos donos da fazenda em que ele foi escravizado. “Temos de buscar nosso passado e entender nossa cultura. Comidas, músicas, religiões. Tudo isso traz um passado da nossa história”, comentou a professora.

Embora tenha inciado a confecção para suprir a necessidade de materiais pedagógicos que contemplassem a identidade das crianças pretas, suas criações fizeram sucesso entre as escolas, professores e alunos, o que passou a gerar encomendas. Com tanta procura, há dois anos faz parte da Incubadora de Economia Solidária de Santo André.

Os itens são vendidos de R$ 9 a R$ 120, sendo que ela confecciona mais de 600 bonecas por mês. “Essa experiência de ter um ponto fixo dá todo o respaldo para o empreendedor. Aqui eu tenho um lugar seguro, tranquilo, com vitrine e com a possibilidade de conhecer o cliente, conversar, aprender sobre vendas, a calcular custo, a fechar caixa”, contou. A loja solidária fica no piso 1 do Atrium Shopping , em Santo André.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;