Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Temores políticos internos impedem Ibovespa de seguir alta em Nova York



02/09/2021 | 11:37


A despeito do tom positivo externo, o Ibovespa mergulha em queda para o nível dos 117 mil pontos, chegando a perder mais de 1.700 pontos em relação à abertura (119.394,46 pontos). Insegurança é a palavra-chave que define os negócios no Bolsa brasileira. Com isso, o índice já devolveu toda a alta de 0,52% (119.395,60 pontos) da véspera. Às 11h14, cedia 1,24%, aos 117.916,89 pontos.

A preocupação é que as votações realizadas ontem gerem ainda mais instabilidade entre os Poderes. O temor é de que um eventual agravamento nessa relação atrapalhe o andamento da agenda de reformas e coloque ainda mais em risco a saúde fiscal do País. Isso porque ontem o governo sofreu duas derrotas: aprovação de mudança nos planos de saúde das estatais, que pode inviabilizar a privatização dos Correios, e a rejeição de uma medida provisória que fazia uma reforma trabalhista, que prometia geração de empregos.

Em contrapartida, a Câmara aprovou o texto-base da reforma do Imposto de Renda, com apoio da oposição. Hoje, os deputados votarão os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de mudar o texto. Depois, o Senado examinará este projeto e existe resistência entre os senadores quanto a proposta, observa em nota a MCM Consultores.

Para Danilo Batara, sócio-fundador e head da mesa de operações da Delta Flow Investimentos, escritório plugado ao BTG Pactual, a paciência do investidor institucional está cada vez menor. Segundo ele, o quadro na Bolsa só não é pior porque os estrangeiros estão entrando. "A reforma do imposto de renda é boa para o governo, mas não para as empresas. Isso está impactando bastante os negócios hoje, além das duas derrotas do governo", diz.

"Essa queda é totalmente por preocupações internas", resume o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus. Ele refere-se às derrotas do governo ontem: aprovação de mudança nos planos de saúde das estatais, que pode inviabilizar a privatização dos Correios, e a rejeição de uma medida provisória que fazia uma reforma trabalhista, que era vista como fator de geração de emprego. "É mais custo para as estatais, e isso pode atrapalhar as privatizações", diz Laatus. Além disso, a taxação de dividendos pesa principalmente nos papéis do setor financeiro.

Para Luiz Cesta, responsável pela área de análise da Monett, a situação só tende a ficar menos tumultuada quando houver solução que agrade aos investidores em relação a esses temas. "Vai depender principalmente das questões orçamentárias, das relacionadas às reformas que estão no Senado. O texto-base da reforma tributária foi aprovado, mas podem surgir novidades, pois faltam os detalhes votação", cita.

Ontem, Celso Sabino (PSDB-PA), relator da reforma do Imposto de Renda, manteve a taxação sobre a distribuição de lucros e dividendos como estava no seu parecer, em 20%. Mesmo que essa proposta seja aprovada, Cesta avalia que o mercado como um todo é bastante pragmático e tentará entender a medida - caso seja aprovada - em termos práticos. "Ficará de olho para ver se haverá receita suficiente para cobrir os gastos, para diminuir a trajetória do endividamento", afirma Cesta.

Além das preocupações políticas, a situação complicada da economia brasileira também não ajuda. Hoje, saíram novos indicadores retratando essa dificuldade. A produção da indústria caiu 1,3% em julho ante junho, ficando mais forte do a mediana negativa de 0,7% das projeções (-2,0% a alta de 1,7%). Já o IPC-Fipe fechou agosto com elevação de 1,44%, ante 1,02% em julho. "O fato é que daqui para frente cada vez mais o mercado irá se aprofundar e tentar entender como está o cenário de atividade e de inflação do Brasil. Tentar entender se essa corrosão da renda pode atrapalhar a retomada", diz Cesta, da Monett.

Nem mesmo o exterior positivo alivia. Na véspera do payroll, o número de pedidos de auxílio-desemprego dos EUA caiu 14 mil na semana encerrada em 28 de agosto, a 340 mil, ante previsão de 340 mil solicitações. Já o déficit comercial do país diminuiu 4,3% em julho ante junho, a US$ 70,05 bilhões. O dado veio um pouco abaixo do esperado pelo mercado, de déficit de US$ 70,9 bilhões. Agora, investidores aguardam falas de membros do Fed para ver se conseguem sinais sobre as condições econômicas, especialmente do mercado de trabalho.

Apesar da alta superior a 1,5%, as ações da Petrobrás sobem em torno de 0,50%, enquanto Vale ON cede 0,17%, após o minério voltar a cair na China. Em Qingdao, encerrou a US$ 142,02 a tonelada, em baixa de 0,98%.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;