Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Nos EUA, Biden enfrenta maior índice de desaprovação desde sua eleição

Flickr Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


31/08/2021 | 12:49


Eleito com a promessa de normalizar a política americana após os quatro caóticos anos de governo Trump, o presidente Joe Biden conseguiu, ainda durante a campanha eleitoral, agregar o apoio de setores progressistas, moderados e anti-Trump em sua base de apoio, em uma espécie de coalizão que garantiu ao Partido Democrata não apenas a Presidência dos Estados Unidos, mas a maioria na Câmara e no Senado. Em um cenário político polarizado como o dos EUA, Biden conseguiu manter a avaliação positiva sobre seu governo nos primeiros meses de mandato - mas viu tudo ser posto em risco com a saída americana do Afeganistão e o domínio do país pelo Taleban, sua primeira grande crise.

O número de americanos que desaprovam o governo Biden superou pela primeira vez o porcentual de apoiadores do presidente nessa segunda-feira, 30 - mesmo dia que os EUA encerraram oficialmente sua retirada do Afeganistão -, de acordo com o índice de aprovação da Presidência americana calculado pelo site especializado em dados FiveThirtyEight. De acordo com a iniciativa, 47,5% dos americanos desaprovam o democrata, enquanto 47,2% permanecem fiéis ao governo.

A queda na popularidade de Biden - que chegou a ser 55,1% positiva em 22 de março, segundo o mesmo índice - vem na esteira da retirada apressada dos americanos de Cabul e na reconquista do Afeganistão pelo Taleban - grupo extremista retirado do poder pelos EUA em 2001, ainda no primeiro ano da ''guerra ao terror'' lançada pelo então presidente George W. Bush

A pressão sobre Biden aumentou gradualmente no mês de agosto, com o avanço da campanha militar do Taleban contra as tropas do governo afegão, enquanto as tropas americanas começavam a deixar o país. Com o desempenho das forças afegãs muito abaixo das expectativas, sendo derrotada em semanas, militares e civis americanos, além de afegãos que cooperaram com as forças ocidentais nos últimos anos, viram-se encurralados em Cabul no dia 15 de agosto, com a operação de retirada tento que ser concluída em um país controlado de fato pelos extremistas islâmicos - em cena comparada pela opinião pública americana com a saída americana de Saigon.

O cenário só piorou para Biden nos dias subsequentes, quando as imagens de pessoas se agarrando desesperadamente a fuselagem de aviões - e caindo para a morte após a decolagem - ganharam o mundo. Mesmo com o controle da pista nos dias subsequentes, imagens marcantes não pararam de surgir dos arredores do aeroporto lotado - como crianças sendo passadas de mão em mão até serem entregues a soldados americanos. Além disso, a própria relação com o Taleban, que assumiu o papel de garantir passagens seguras até o aeroporto de Cabul - apesar das denúncias de abusos por parte de militantes contra quem buscava deixar o país - foi vista como mais um vexame na retirada.

O auge da pressão para o público americano, no entanto, veio na última quinta-feira, 26, quando um atentado terrorista promovido pelo Estado Islâmico Khorasan (ISIS-K), trouxe à memória dos americanos, de forma muito viva, a ameaça do terrorismo. A explosão no entorno do aeroporto de Cabul foi um dos ataques mais letais de toda a guerra, vitimando 13 militares americanos e mais de uma centena de civis afegãos.

A reação ao atentado no Congresso americano conturbou ainda mais o cenário político do país, motivando até mesmo pedidos de renúncia de Biden por parlamentares alinhados ao ex-presidente Donald Trump. Contudo, mesmo parlamentares democratas exigiram explicações e investigações sobre a operação de retirada, como o senador Robert Menéndez, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado.

Apesar da popularidade de Biden só ter se tornado inferior à desaprovação na segunda-feira, segundo o índice calculado pelo FiveThirtyEight - que leva em consideração uma série de pesquisas, quantificando os porcentuais a partir de critérios como a data de realização da pesquisa, o tamanho da amostra e a tendência partidária -, outros levantamentos já apontavam que a maior impopularidade do presidente antes da conclusão da retirada.

Uma pesquisa do USA Today/Suffolk University apontou, na semana do atentado do ISIS-K, que Biden tinha uma aprovação geral de apenas 41%, com 55% de desaprovação. Apesar disso, os americanos consultados disseram não acreditar que a continuidade da guerra do Afeganistão fosse desejável.

"Não sei se Biden sofrerá danos permanentes", disse o professor de governo da Universidade de Georgetown, Mark Rom, em entrevista à France-Presse quando a pesquisa foi divulgada. E completou: "Mas os republicanos farão tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que sim".

Charles Franklin, diretor de Pesquisa da Escola de Direito da Universidade de Marquette, disse que dada a impopularidade da guerra afegã, Biden ainda pode resistir ao fiasco. "A pergunta política, uma vez que os Estados Unidos tiverem saído por completo, é se a maioria ficará contente de não estarmos mais ali. Se for assim, é provável que este problema se esfumace", disse. (Com agências internacionais).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;