Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Beth Gomes quebra recorde mundial e leva ouro; Alessandro Rodrigo fatura prata

Divulgação/ Wander Roberto/ CPB Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


30/08/2021 | 11:34


Beth Gomes foi absoluta na prova do lançamento de disco na classe F53 (atletas com lesão na coluna, que competem sentados e precisam de apoio) na Paralimpíada de Tóquio, nesta segunda-feira. A brasileira conquistou a medalha de ouro com larga vantagem para as demais competidoras e ainda quebrou o recorde mundial, que era dela mesma.

Última a competir, Beth conquistou a medalha de ouro logo no primeiro lançamento, ao alcançar 15,68 metros. Com mais quatro tentativas, restou a ela buscar superar suas marcas anteriores, o que conseguiu duas vezes - o lançamento final foi o melhor, com a marca de 17,62m, mais de dois metros acima de qualquer outra competidora.

Prata e bronze foram para a Ucrânia. Iana Lebiedieva anotou 15,48m, marca que naquele momento era o recorde paralímpico, assim como os 14,37m alcançados por Zoia Ovsii, que ficou com a terceira colocação.

Em entrevista ao SporTV após a conquista, Beth dedicou a medalha aos pais, e principalmente à mãe, que faleceu na última semana. Ela também destacou que passou por um ciclo paralímpico complicado desde os Jogos do Rio-2016, que não disputou por ter sido classificada na F55, acima da F54, na qual costumava competir.

Beth Gomes tem 56 anos e sofre de esclerose múltipla, descoberta em 1993. Em 2017, Beth teve uma nova crise que reduziu ainda mais sua mobilidade, afetando o lado esquerdo - o lado direito já era bastante afetado pela doença. Em 2018, Beth passou por uma reclassificação que a colocou na classe F52, em vez da F54. Em 2019, Beth foi campeã mundial com o recorde de 16,92m, agora superado na Paralimpíada.

PRATA NO ARREMESSO DE PESO - Alessandro Rodrigo conquistou a prata no arremesso de peso da classe F11 (atletas com cegueira total), ao lançar para 13,89m. Em uma prova de alto nível, a medalha de ouro ficou com o iraniano Mahdi Olad, do Irã, que anotou 14,43m, e o bronze para Oney Tapia, da Itália, que anotou 13,60m. Na prova, Alessandro superou sua melhor marca na temporada três vezes, ao marcar 13,85m, depois 13,87m, e por fim 13,89m.

Alessandro é de Santo André (SP) e está em sua segunda participação numa Paralimpíada: no Rio-2016, conquistou o ouro na prova do lançamento de disco F11, na qual é especialista e competirá na próxima quarta-feira em Tóquio. Ele perdeu a visão por conta de uma toxoplasmose.

Além da medalha de Alessandro, o Brasil teve a prata de Vinícius Rodrigues no atletismo, nos 100m da classe T63 (atletas com amputação em uma perna, acima do joelho) e a de Bruna Alexandre no tênis de mesa classe 10 (amputados de um braço).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;