Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Morre James Brown, o "rei do soul"


Da AFP

25/12/2006 | 15:41


O lendário cantor americano James Brown, conhecido como o "rei do soul", morreu na cidade de Atlanta (sul dos Estados Unidos) aos 73 anos, de uma afecção cardíaca fruto de uma pneumonia, confirmou à AFP a empresa que o representava, Intrigue Music, nesta segunda-feira.

Brown "faleceu cedo nesta manhã (de segunda-feira)... no Hospital Crawford Long em Atlanta, à 1h45 (4h45 de Brasília), de uma afecção cardíaca congestiva resultado de uma pneumonia", disse a empresa, com sede em Fort Lauderdale (Flórida), em uma breve declaração escrita.

"Nossos pensamentos e orações estão com sua família e seus entes queridos", acrescentou a empresa, que não deu mais detalhes sobre seu funeral.

Brown foi levado na noite de domingo para o Hospital Emory Crawford Long de Atlanta, afetado por uma pneumonia, mas os funcionários do estabelecimento, contatados hoje de manhã, tinham se negado a confirmar ou desmentir a informação.

Após integrar um conjunto gospel enquanto estava na prisão por roubo ainda na adolescência, lançou-se como profissional em 1953, eletrizando os locais onde se apresentava com sua presença cheia de balanço, dando origem ao movimento funk e colecionando elogios e apelidos, tais como "Mr. Dynamite" e "Mr. Sex Machine".

Fora da prisão, entrou para o grupo "The Starlighters", que logo se tornaria "James Brown and the Famous Flames". Dois álbuns se seguiram, "Please Please Please" (1956) e "Try Me" (1958), à medida que as raízes gospel do grupo deram espaço à influência do "rhythm 'n' blues".

Foi um show em Nova York, porém, no teatro Apollo, no Harlem, que ajudou Brown a dar seu primeiro grande passo na carreira, com a gravação de uma apresentação ao vivo em 1961.

Uma série de canções se seguiu nos anos 60, incluindo os clássicos "Papa's Got a Brand New Bag" e "I Got You (I Feel Good)", antes do megassucesso, na década de 70, do álbum "Sex Machine". Além da eletrizante "Get Up (I Feel Like Being A Sex Machine)", outros hits marcaram a época, como "It's a New Day", "Brother Rapp" e "Super Bad".

Os anos 70 representaram, contudo, um desafio musical para o cantor, que se viu confrontado com a concorrência da febre "disco", ritmo que deixava o soul de lado nas pistas de dança.

Ele deu a volta por cima, apresentando-se com seu novo grupo, os "Pacesetters", no lançamento do álbum "It's too Funky in Here", de 1978.

Seu papel camaleônico como padre no filme "Os Irmãos Cara-de-pau", de 1980, e a canção "Living in America", tema de "Rocky IV", de Sylvester Stallone, com a qual ganhou um prêmio Grammy em 1987, conduziram Brown à estratosfera de Hollywood.

Um ano antes, ele havia lançado o álbum "Gravity" ao lado de Steve Winwood, Stevie Ray Vaughan e Alison Moyet, e sua fama era consolidada com a participação nos filmes "Ski Party" e "The T.A.M.I. Show".

Apesar do sucesso, James Brown evitava perguntas pessoais em entrevistas, provavelmente devido à sua infância difícil, alternando a música com muitos problemas com a lei.

Embora fosse cauteloso sobre a data exata de seu nascimento, sabe-se que "o rei do soul" veio ao mundo em 1933, em Barnwell, Carolina do Sul (sudeste). Era filho único de um funcionário de posto de gasolina. Quando tinha 4 anos, seus pais se separaram e ele cresceu em um bordel administrado por sua tia, em Augusta, Geórgia (sudeste).

Abandonou a escola na sétima série e começou a trabalhar colhendo algodão, engraxando sapatos, lavando carros e pratos e fazendo faxina em lojas.

Foi detido pela primeira vez aos 16 anos, quando participou de um assalto a mão armada e foi condenado a uma pena de 8 a 16 anos de trabalhos forçados. Ficou em uma prisão do condado antes de ser transferido para um campo de trabalho juvenil, onde permaneceu por três anos.

Em meados dos anos 70, mais problemas com a lei e na vida pessoal. Envolveu-se em um escândalo de suborno de uma emissora de rádio, seu casamento com Deirdre Jenkins acabou, e seu filho Teddy morreu em um acidente de carro.

Em 1987, Brown foi detido pela quinta vez em 10 meses por abuso de drogas. Foi acusado pela terceira esposa, Adrienne Rodriegues, de agressão com lesões e condenado um ano depois a seis anos de prisão por tentativa de homicídio.

Depois de passar 15 meses em uma prisão de Columbia, Carolina do Sul, foi transferido para um centro de reabilitação, onde produziu anúncios de rádio e televisão, alertando contra o abuso de drogas e álcool. Em fevereiro de 1991, foi libertado sob a condição de nunca dirigir e ter armas de fogo.

Então, fez um esforço para reconstruir sua vida e carreira.

Em 1992, ganhou um Grammy pelo conjunto da obra.

Em 1993, Brown editou um novo álbum, intitulado "Universal James", que continha sucesso como "Can't Get Any Harder", "How Long" e "Georgia-Lina". Outro álbum de estúdio, "I'm Back", com a canção "Funk On Ah Roll", foi lançado em 1998.

Em 2004, teve diagnosticado um câncer de próstata, o que o levou a se submeter a uma cirurgia. Continuou sua carreira, em apresentações e estúdios, como o show de 2005 na Grã-Bretanha e os duetos gravados com os cantores britânicos Will Young e Joss Stone.

Brown foi casado quatro vezes e teve pelo menos seis filhos, o último deles com sua mais recente esposa, a "backing vocal" Tommie Raye Hynie.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre James Brown, o "rei do soul"

Da AFP

25/12/2006 | 15:41


O lendário cantor americano James Brown, conhecido como o "rei do soul", morreu na cidade de Atlanta (sul dos Estados Unidos) aos 73 anos, de uma afecção cardíaca fruto de uma pneumonia, confirmou à AFP a empresa que o representava, Intrigue Music, nesta segunda-feira.

Brown "faleceu cedo nesta manhã (de segunda-feira)... no Hospital Crawford Long em Atlanta, à 1h45 (4h45 de Brasília), de uma afecção cardíaca congestiva resultado de uma pneumonia", disse a empresa, com sede em Fort Lauderdale (Flórida), em uma breve declaração escrita.

"Nossos pensamentos e orações estão com sua família e seus entes queridos", acrescentou a empresa, que não deu mais detalhes sobre seu funeral.

Brown foi levado na noite de domingo para o Hospital Emory Crawford Long de Atlanta, afetado por uma pneumonia, mas os funcionários do estabelecimento, contatados hoje de manhã, tinham se negado a confirmar ou desmentir a informação.

Após integrar um conjunto gospel enquanto estava na prisão por roubo ainda na adolescência, lançou-se como profissional em 1953, eletrizando os locais onde se apresentava com sua presença cheia de balanço, dando origem ao movimento funk e colecionando elogios e apelidos, tais como "Mr. Dynamite" e "Mr. Sex Machine".

Fora da prisão, entrou para o grupo "The Starlighters", que logo se tornaria "James Brown and the Famous Flames". Dois álbuns se seguiram, "Please Please Please" (1956) e "Try Me" (1958), à medida que as raízes gospel do grupo deram espaço à influência do "rhythm 'n' blues".

Foi um show em Nova York, porém, no teatro Apollo, no Harlem, que ajudou Brown a dar seu primeiro grande passo na carreira, com a gravação de uma apresentação ao vivo em 1961.

Uma série de canções se seguiu nos anos 60, incluindo os clássicos "Papa's Got a Brand New Bag" e "I Got You (I Feel Good)", antes do megassucesso, na década de 70, do álbum "Sex Machine". Além da eletrizante "Get Up (I Feel Like Being A Sex Machine)", outros hits marcaram a época, como "It's a New Day", "Brother Rapp" e "Super Bad".

Os anos 70 representaram, contudo, um desafio musical para o cantor, que se viu confrontado com a concorrência da febre "disco", ritmo que deixava o soul de lado nas pistas de dança.

Ele deu a volta por cima, apresentando-se com seu novo grupo, os "Pacesetters", no lançamento do álbum "It's too Funky in Here", de 1978.

Seu papel camaleônico como padre no filme "Os Irmãos Cara-de-pau", de 1980, e a canção "Living in America", tema de "Rocky IV", de Sylvester Stallone, com a qual ganhou um prêmio Grammy em 1987, conduziram Brown à estratosfera de Hollywood.

Um ano antes, ele havia lançado o álbum "Gravity" ao lado de Steve Winwood, Stevie Ray Vaughan e Alison Moyet, e sua fama era consolidada com a participação nos filmes "Ski Party" e "The T.A.M.I. Show".

Apesar do sucesso, James Brown evitava perguntas pessoais em entrevistas, provavelmente devido à sua infância difícil, alternando a música com muitos problemas com a lei.

Embora fosse cauteloso sobre a data exata de seu nascimento, sabe-se que "o rei do soul" veio ao mundo em 1933, em Barnwell, Carolina do Sul (sudeste). Era filho único de um funcionário de posto de gasolina. Quando tinha 4 anos, seus pais se separaram e ele cresceu em um bordel administrado por sua tia, em Augusta, Geórgia (sudeste).

Abandonou a escola na sétima série e começou a trabalhar colhendo algodão, engraxando sapatos, lavando carros e pratos e fazendo faxina em lojas.

Foi detido pela primeira vez aos 16 anos, quando participou de um assalto a mão armada e foi condenado a uma pena de 8 a 16 anos de trabalhos forçados. Ficou em uma prisão do condado antes de ser transferido para um campo de trabalho juvenil, onde permaneceu por três anos.

Em meados dos anos 70, mais problemas com a lei e na vida pessoal. Envolveu-se em um escândalo de suborno de uma emissora de rádio, seu casamento com Deirdre Jenkins acabou, e seu filho Teddy morreu em um acidente de carro.

Em 1987, Brown foi detido pela quinta vez em 10 meses por abuso de drogas. Foi acusado pela terceira esposa, Adrienne Rodriegues, de agressão com lesões e condenado um ano depois a seis anos de prisão por tentativa de homicídio.

Depois de passar 15 meses em uma prisão de Columbia, Carolina do Sul, foi transferido para um centro de reabilitação, onde produziu anúncios de rádio e televisão, alertando contra o abuso de drogas e álcool. Em fevereiro de 1991, foi libertado sob a condição de nunca dirigir e ter armas de fogo.

Então, fez um esforço para reconstruir sua vida e carreira.

Em 1992, ganhou um Grammy pelo conjunto da obra.

Em 1993, Brown editou um novo álbum, intitulado "Universal James", que continha sucesso como "Can't Get Any Harder", "How Long" e "Georgia-Lina". Outro álbum de estúdio, "I'm Back", com a canção "Funk On Ah Roll", foi lançado em 1998.

Em 2004, teve diagnosticado um câncer de próstata, o que o levou a se submeter a uma cirurgia. Continuou sua carreira, em apresentações e estúdios, como o show de 2005 na Grã-Bretanha e os duetos gravados com os cantores britânicos Will Young e Joss Stone.

Brown foi casado quatro vezes e teve pelo menos seis filhos, o último deles com sua mais recente esposa, a "backing vocal" Tommie Raye Hynie.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;