Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Inteligência artificial no diagnóstico de demências

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

13/08/2021 | 09:18


* Por Vivaldo José Breternitz, que fala sobre IA e o tratamento de doenças

A Inteligência Artificial (IA) já é utilizada para diagnosticar várias doenças. Agora, um projeto que vem sendo desenvolvido na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, procura verificar se a IA pode ser capaz de detectar demências precocemente, apenas analisando imagens obtidas por tomografias do cérebro.

Leia mais:
Catflix: plataforma de streaming para gatos distrai bichanos em frente à TV
10 filmes e séries de zumbis para assistir no streaming

O professor Timothy Rittman, que lidera o projeto, diz que a tecnologia deve começar a ser testada em breve no hospital da Universidade.

Com o diagnóstico precoce deito por IA, pode-se adotar medidas terapêuticas mais cedo, visando retardar o desenvolvimento de demências, além de dar ao paciente e aos seus familiares mais informações sobre a provável progressão da doença de forma a ajudá-los a planejar suas vidas.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para  e suas questões podem ser respondidas

O tratamento precoce pode fazer com que os sintomas da demência nunca cheguem a se manifestar.

Também está envolvida no projeto, a professora Zoe Kourtzi, que trabalha em outro estudo e usa dados capturados por tecnologias vestíveis, como smartwatches e braceletes, para prever doenças como Alzheimer até 20 anos antes do que é possível atualmente.

Segundo ela, hoje, para diagnosticar demências, os médicos precisam confiar na interpretação de varreduras cerebrais e testes cognitivos, muitas vezes ao longo de um período de tempo, dificultando diagnóstico e tratamento precoces.

Outros professores, como Tara Spires-Jones e Clive Ballard, respectivamente das universidades inglesas de Edinburgh e Exeter, não envolvidos no projeto, concordam que a ideia é interessante. Porém não acreditam que resultados práticos possam ser obtidos em curto espaço de tempo.

De qualquer forma, é uma aplicação de IA que traz esperanças de um mundo melhor.

*Vivaldo José Breternitz, Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;