Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Balança comercial da região tem deficit de R$ 1,89 bi em 7 meses

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Indústria sofre com a paralisação na produção automotiva devido à falta de peças; resultado é pior do que o registrado em 2020


Yara Ferraz

10/08/2021 | 07:07


A balança comercial do Grande ABC registrou deficit (mais importações do que exportações) de US$ 361,48 milhões nos sete primeiros meses deste ano. Ou seja, perda de aproximadamente R$ 1,89 bilhão conforme o dólar comercial ontem, fechado a R$ 5,24. A indústria da região sofre com a paralisação das montadoras, que enfrentam a falta de semicondutores, produzidos principalmente na China.

Segundo dados do Ministério da Economia, tabelados pelo Diário, entre as sete cidades, apenas Santo André, São Caetano e Ribeirão Pires fecharam o período com superavit (número maior de exportações do que importações). Em contrapartida, São Bernardo registrou resultado negativo de US$ 297,75 milhões (mais informações na arte acima).

Os números de janeiro a julho deste ano são piores do que os registrados no mesmo período de 2020, que pegaram o início da pandemia e acumularam deficit de US$ 333,20 milhões, ou US$ 28,28 milhões a menos na comparação com 2021.

“A indústria automobilística é o grande puxador de exportações no Grande ABC. E a falta de componentes paralisou a produção, o que gera efeito em cascata nas demais empresas que fornecem para o setor”, afirmou o diretor titular do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Bernardo, Cláudio Barberini Junior.

Na região, duas montadoras paralisaram a fabricação devido à falta de insumos: GM (General Motors) de São Caetano e Volkswagen, de São Bernardo.

Na última semana, a Anfavea (Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores) ilustrou o tamanho do problema. Em todo o País, foram produzidas 163,6 mil unidades no mês passado, o julho mais baixo em 18 anos. Como consequência, já faltam modelos nas concessionárias.

O diretor do Ciesp Diadema, Anuar Dequech Júnior, também citou que o aumento no custo das matérias-primas e a falta de política industrial contribuem para o problema. “Não estamos chorando as pitangas. Vemos muitas indústrias multinacionais desistindo do Brasil, e isso acontece por causa da complicação da tributação.”

NO BRASIL
Os números nacionais são bem diferentes dos da região. A balança comercial acumula superavit de US$ 44,126 bilhões nos sete primeiros meses do ano. O resultado é o maior da série histórica para o período. “No Brasil, sempre temos que pensar no peso do agronegócio”, disse o coordenador do curso de administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero. “No Grande ABC não temos isso. Uma parte do automotivo que é produzido aqui é exportada, mas sem condições de produzir, não temos como exportar.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;