Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

S.Caetano prevê gastar até R$ 4 mi com plantas

Nario Barbosa/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Saesa abre licitação para comprar mudas e outros produtos para jardinagem; município possui viveiro


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

05/08/2021 | 00:19


Enquanto os municípios quebram a cabeça para recuperar as finanças atingidas pela pandemia de Covid-19, São Caetano, atualmente governada por Tite Campanella (Cidadania), traça plano para gastar até R$ 4 milhões na compra de plantas. A licitação para a aquisição de mais de uma centena de itens de jardinagem foi aberta pelo Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental), gerida por Rodrigo Toscano.

O pregão desenhado pela autarquia revela a intenção de o município adquirir as mais variadas espécies de flores, árvores e mudas. No edital, o Saesa lista pelo menos sete espécies de palmeiras e até plantas frutíferas, como a uvaia. Também cita a possível aquisição de adubos.

A pretensão do Saesa em adquirir plantas para o paisagismo na cidade ocorre a despeito de o município possuir seu próprio viveiro de plantas. Na LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2021, inclusive, já há reserva de verba para a manutenção desse equipamento: R$ 100 mil. Curiosamente, o município também já havia feito previsão orçamentária, na ordem de R$ 500 mil, justamente para viabilizar os mesmos serviços pretendidos pela licitação aberta pelo Saesa: paisagismo, plantio e manutenção de árvores. O provisionamento está dentro do orçamento da Secretaria de Meio Ambiente. Na prática, a cidade gastaria verbas distintas, por meio de setores diferentes da administração, para realizar um mesmo serviço.

Como comparação, o valor estimado pelo Saesa para gastar com paisagismo seria suficiente para comprar 68.127 doses da vacina da Pfizer contra a Covid, em valores negociados pela empresa no mais recente contrato com o governo federal (a dose custou R$ 60,20). Também daria para comprar 81.748 do imunizante da Janssen (cuja dose demandou R$ 50,17), que, em tese, poderia vacinar 62% da população adulta de São Caetano estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O Diário questionou o Saesa se não há alternativas, como parcerias com a iniciativa privada ou até mesmo práticas que evitassem gastos extras, como o replantio. A autarquia se limitou a alegar que a licitação aberta se trata de ata de registro de preços, modalidade de certame em que o poder público faz uma previsão do que pode gastar por um determinado período e que não tem a obrigação de gastar todo o valor inicialmente estimado.

Sobre o fato de o município já possuir um viveiro de plantas, localizado no Parque Botânico Jânio Quadros, no bairro Mauá, o Saesa argumentou que a aquisição de novas espécies se justifica pelo fato de não serem produzidas no viveiro municipal. A própria Prefeitura admite que o equipamento dispõe de “cerca de 200 árvores nativas e exóticas, frutíferas, plantas ornamentais, além de 8.000 mudas de arbustos e flores”. 

Saesa mantém irmão mais velho do prefeito em cargo de assessor

O Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental) mantém nomeado para cargo comissionado o irmão mais velho do prefeito Tite Campanella (Cidadania), o ex-vereador Adauto Campanella (PSDB). A situação caracteriza nepotismo, segundo especialistas ouvidos pelo Diário.

Adauto ocupa o posto de assessor da superintendência 2, no departamento de contas e controle, cujo salário bruto é de R$ 11.845,74 por mês. O ex-parlamentar já ocupava o posto quando Tite, reeleito vereador no pleito de 2020, foi alçado a prefeito interino por causa do impasse envolvendo a validação dos votos do ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). “Nesse caso (nomeado antes de o irmão virar prefeito), ele (Adauto) teria de se desincompatilizar do cargo para não haver questionamentos (sobre prática de nepotismo)”, avalia a advogada Fátima Miranda, especialista em direito administrativo.

Advogado, Adauto foi vereador por dois mandatos (1983-1988 e 1989-1992) e, nos últimos anos, orbitou o grupo auricchista. Nos últimos dois anos, o salário do ex-parlamentar variou, segundo o Portal da Transparência do Saesa, e chegou a registrar ganho bruto de R$ 23 mil.

O Palácio da Cerâmica não se manifestou sobre o caso.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;