Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A história não escrita de Ademir da Guia

José Moraes de Oliveira, integrante do Memofut, completa hoje 80 anos com um livro inédito na cabeça sobre o maior jogador da história do Palmeiras, segundo enquete realizada na semana passada pelo Grupo Literatura e Memória do Futebol


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

04/08/2021 | 07:00


Quarentena 59
Os dez maiores jogadores da história do Palmeiras, na opinião do Memofut, são: Ademir da Guia, Julinho, Luís Pereira, Djalma Santos, Marcos, Dudu (Olegário Tolói de Oliveira), Oberdan, Romeu, Heitor e Leão.
Pesquisa organizada pelo professor Alexandre Andolpho Silva, coordenador do Memofut.

***
O palmeirense Moraes é um grande contador de histórias. Anos atrás, num hotel-fazenda em Cabreúva, ele depara, à beira da piscina, com Ademir da Guia. Apresentou-se, sentou-se ao lado do craque, e começaram a conversar. Ademir, geralmente introspectivo, surpreendeu o interlocutor ao contar toda sua vida a ele, que depois Moraes foi conferir sem encontrar os detalhes nos dados biográficos oficiais do ex-jogador.
Um exemplo: Ademir foi trazido a São Paulo pelo pai, Domingos da Guia, naquela altura corintiano roxo. Domingos queria que o filho jogasse pelo Timão, que começava a amargar longa fila sem títulos. O Santos vivia o auge de Pelé bicampeão do mundo. De ônibus, Ademir desceu a Serra do Mar, apresentou-se na Vila Belmiro, mas o time e os integrantes principais do clube excursionavam – uma rotina na vida santista.
De volta a São Paulo, informaram a Ademir que o Guarani, de Campinas, era outra opção para o jogador revelado no Bangu, do Rio de Janeiro. E lá foi Ademir, Anhanguera afora. Armando Renganeschi, técnico do Guarani, aprovou a contratação. Mas não houve acordo quanto ao salário. Ademir retorna ao Rio, e coube ao mesmo Renganeschi, agora treinador do Palmeiras (1961), indica-lo como reforço alviverde, já que Chinesinho estava sendo transferido para a Itália.
Ademir começou como reserva de Zequinha, jogando de volante. Dudu assume a posição, Ademir é deslocado para jogar mais à frente, e nasce a dupla Dudu/Ademir da Guia.
Tudo isso Ademir contou, com alegria, ao seu fã Geraldo, que foi dando corda.
– Ademir, você lembra quando o Palmeiras foi jogar em Itapetininga com o Derac e você marcou um golaço, driblando todo mundo, desde a sua área até o gol?
– Claro que lembro. Mas quando conto essa história, ninguém acredita (risos).
Palmeiras 6, Derac 0
O jogo da conversa entre Ademir e Geraldo aconteceu em 8 de julho de 1962. Ademir da Guia marcou dois gols.
Fonte: Almanaque do Palmeiras, de Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti.

A magia do futebol de outrora
Depoimento:
José Moraes de Oliveira

Eram outros tempos. Não havia a vigilância de hoje em torno dos jogadores, quando até os repórteres esportivos são impedidos de cobrir um simples treino.
Eu era ferroviário da Sorocabana e um colega de serviço, Danilo, também era fiscal e bilheteiro da Federação. Sempre me convidava para os jogos. Entrava com ele, pela lateral do Pacaembu, às vezes para assistir até jogos entre a Portuguesa e o Ipiranga.
Tudo aberto. Tinha livre acesso aos vestiários. O Santos era a coqueluche. De repente, no vestiário santista, deparava com Gilmar, Pelé e outras feras. O futebol era mais livre, mais gostoso, não tinha frescura. E eu não tinha noção de que estava vivendo momentos históricos.
MEMOFUT
Acho o Memofut fantástico. Aqueles malucos tratando de futebol. A gente aprende muito com eles. Dá risada. A confraternização começa no café, segue para o auditório e prossegue nos almoços de confraternização. Não tenho paciência para as reuniões on-line. O que gosto mesmo é dos encontros mensais no Museu do Futebol. Torço para que tudo termine e voltemos a nos encontrar. O Memofut recupera a alegria do futebol de outrora.

VIAGEM NO TEMPO
Por isso, se pudesse, voltaria aos anos 60 e 70, tempo em que o Brasil era, verdadeiramente, o País do futebol.

IDOLOS

Na faculdade, o professor Francisco Hungria, que me apresentou ao Amador Aguiar, com quem quase trabalhei. Só não acertamos o salário. No futebol, Ademir da Guia, Pelé e tantos mais que tive o prazer de conhecer pessoalmente naqueles jogos no Pacaembu.

EMOÇÕES

Na vida pessoal, o nascimento dos filhos, netos, bisnetos. No futebol, aquela goleada do Palmeiras sobre o Flamengo por 4 a 1 em pleno Maracanã.
Maracanã, 9 de dezembro de 1979
O Flamengo tinha Zico, o Palmeiras, um esquadrão. A vitória palmeirense “sacramentou a escolha de Telê Santana como novo técnico da Seleção Brasileira a partir de 1980”, segundo o mesmo Almanaque do Palmeiras, aqui citado.

GRANDE ABC
Estive uma vez no Estádio Bruno Daniel, mas sempre acompanhei as jornadas do Santo André e do Azulão de São Caetano.

Bola na rede
Nascimento – Itapetininga, São Paulo, 4 de agosto de 1941
Filiação – Deoclides José de Oliveira e Deolinda Moraes de Oliveira
Esposa – Inêz Buchalowitz de Oliveira
Filhas – Silvia e Adriana
Netos – Gabriela, Alice, Marcelo, Vitor e Ana Beatriz
Bisnetos- Arthur (12 anos) e Daniel (recém-nascido)
Formação – Administrador de empresas pela Faculdade Amador Aguiar, de Osasco
Padrinho do Memofut – José Roberto Fornazza, que foi seu colega na Gessy Lever, onde Geraldo se aposentou como gerente geral da área de planejamento e logística, depois de 30 anos de trabalho.
Hobbies – Tocar violão e cantar, desde a música caipira até a norte-americana. Fã de Frank Sinatra e Elvis Presley (ei, Alexandre, vamos convidar Geraldo para um recital no retorno das reuniões presenciais do Memofut).
Esportes – Natação, futebol e futebol de salão. Jogou futsal até os 55 anos. Hoje faz caminhadas e anda de bicicleta.


CANTA ITÁLIA
Produção e apresentação: Marquitho Riotto
Edição 129
Hoje, às 20h
Rádio ABC, 1570
Reprise: sábado, às 23h
- Homenagem desta audição:
Francisco Meireles, veterano da Simca/Chrysler.
Produção: Cezar Lívio.

Diário há meio século

Quarta-feira, 4 de agosto de 1971 – ano 13, edição 1604
Mauá – Associação Comercial, Agrícola e Industrial cria o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Santos do Dia

- João Maria Batista Vianney (França, 1786-1858).
Proclamado pela Igreja Padroeiro dos Sacerdotes e o dia de sua festa, 4 de agosto, escolhido para celebrar o Dia do Padre.

Municípios Brasileiros

- Aniversariam em 4 de agosto: Amarante (Piauí); Brusque (Santa Catarina); Caridade (Ceará); e São Domingos do Prata (Minas Gerais).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;