Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Calderano inicia luta por
medalha no tênis de mesa

Divulgação/CBTM Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Atleta foi lapidado em São Caetano e mora na Alemanha desde 2020; estreia será às 22h


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

26/07/2021 | 00:01


Sétimo melhor mesa-tenista do mundo e primeiro latino-americano a figurar entre os dez primeiros do ranking. Essas credenciais fazem Hugo Calderano, 25 anos, sonhar em trazer uma medalha de Tóquio. O carioca lapidou quase toda sua vida de atleta em São Caetano, onde chegou com 14 anos, até que, em 2020, na busca por maior competitividade, mudou-se para a Alemanha. Hoje, ele entra em quadra no Japão, a partir das 22h, contra adversário ainda indefinido, e com status de favorito ao pódio.

Pelo bom ranking, Calderano já inicia a disputa na terceira rodada. O outro brasileiro na disputa, Gustavo Tsuboi, que joga por São Caetano, precisou passar pela segunda rodada, quando derrotou o romeno Ovidiu Ionescu, por 4 sets a 1. Hoje, também a partir das 22h, ele encara o nigeriano Quadri Aruna.

Apesar da expectativa em cima de Calderano, em Tóquio se espera domínio da China, que venceu 28 das 32 medalhas de ouro disponíveis desde que o esporte integra o programa Olímpico (Seul-1988).

Calderano tem a melhor campanha de um brasileiro nos Jogos, com as oitavas de final nos Jogos do Rio-2016, mesma campanha do são-bernardense Hugo Hoyama, em Atlanta-1996. No Japão, pela primeira vez, um brasileiro chega com expectativa real de medalha.

Questionado sobre o favoritismo, Calderano se colocou na briga por medalha. “Tem muita gente boa. Considero que, além dos chineses, serão uns dez atletas brigando por medalhas. Estou nesse grupo”, assumiu.

A grande questão para o brasileiro é acreditar que é possível bater os chineses em Tóquio. “A parte mental é primordial. Minha técnica melhorou desde 2016, só que eles ainda são superiores. E é focando nesse lado psicológico que muitas vezes consigo equilibrar jogos e até ganhar de alguns chineses. Também acredito que meu estilo de jogo é um diferencial. Procuro ser agressivo. No mundo não deve ter ninguém jogando assim em duelos diretos com eles. Sei que já perdi algumas partidas por causa disso. Mas tenho certeza de que para conquistar coisas grandes, como um ouro olímpico, esse é o caminho”.

Em Tóquio, Calderano é o quarto cabeça de chave, posto que o colocará frente a frente com os chineses apenas em uma eventual semifinal.

FEMININO
Um dos principais nomes do Brasil entre as mulheres, a são-caetanense Bruna Takahashi foi eliminada logo na estreia em Tóquio, ao perder para a francesa Jia Nan Yuan, por 4 sets a 0. Outra brasileira, Jéssica Yamada, também foi eliminada ao perder por 4 sets a 2 para a suíça Rachel Moret. Elas voltam à quadra para a disputa por equipes, a partir do dia 1º.

País vai a 4 finais na ginástica feminina 

O time feminino de ginástica artística do Brasil brilhou em Tóquio ontem. Destaque para Rebeca Andrade, que garantiu vaga em três finais, com boas chances de medalha, principalmente no individual geral, prova que terminou em segundo, atrás da norte-americana Simone Biles, cinco vezes medalhista olímpica e grande nome da modalidade. A brasileira ainda se garantiu na final do solo e do salto.

Ao som do funk Baile de Favela, de MC João, Rebeca encantou no solo, com a quarta melhor nota. Desde Daiane dos Santos, em Pequim-2008, uma brasileira não chegava à final do solo. No salto também mostrou firmeza e, sem titubear na finalização, conseguiu a terceira melhor nota. 

Outra brasileira que se destacou foi Flávia Saraiva, que garantiu vaga na final da trave, com a quinta melhor nota, mas deixou a prova com lesão no tornozelo quando fez a apresentação no solo. Ela caiu depois de aterrissagem, sentiu o tornozelo e saiu mancando. “Um pouco chateada, mas estar em final olímpica é muito importante”, disse,

Agora, o Brasil tem quatro chances na ginástica artística feminina. A disputa das finais individuais está marcada para começar daqui a uma semana, no dia 1º. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;