Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

CNT: Fala de Sachsida sobre Sistema S revela "total descolamento da realidade"



24/07/2021 | 13:25


Em nota divulgada neste sábado, 24, o presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e dos conselhos do SEST e do SENAT, Vander Costa, lamentou declarações dadas ontem pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida. Segundo Costa, a afirmação de Sachsida de que é preciso "passar a faca" em recursos do Sistema S para financiar o programa de qualificação profissional para jovens de baixa renda mostra "total descolamento da realidade".

"Tais falas revelam total descolamento da realidade e desconhecimento do trabalho sério e comprometido com o interesse público realizado pelas instituições que compõem o Sistema S", diz Costa no texto, divulgado há pouco. "Ao propagar esse nível de desinformação, o secretário apresenta despreparo ímpar para ocupar um cargo de tamanha relevância."

Segundo a nota, um corte nos recursos do SEST SENAT prejudicaria milhões de trabalhadores, especialmente os caminhoneiros. As duas entidades são ligadas ao setor de transportes, sensível para o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Os caminhoneiros formam uma das bases de apoio ao presidente desde antes de sua eleição, em 2018.

Ontem, durante live do jornal Valor Econômico, Sachsida afirmou que o Sistema S precisa contribuir financeiramente com o governo. Ele defendeu a transferência de R$ 6 bilhões das entidades para um novo programa do Planalto, voltado à qualificação profissional de jovens de baixa renda. "Estou pedindo R$ 6 bilhões deles. Minha posição é muito firme: nós temos de passar a faca no Sistema S, tem de tirar dinheiro deles para passar para o jovem carente", disse o secretário.

O Sistema S é formado por entidades administradas por associações patronais voltadas para o treinamento profissional, e parte de seus recursos vem de uma contribuição compulsória de 2,5% sobre a folha de pagamento pelas empresas brasileiras. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já havia defendido um corte nos recursos do Sistema.

Na nota divulgada hoje, Costa afirma que em 2020, mesmo com a queda na arrecadação causada pela pandemia da covid-19, o SEST SENAT prestou mais de 9 milhões de atendimentos gratuitos. "O desempenho e a qualidade de vida de milhões de trabalhadores do transporte estão diretamente ligados ao trabalho promovido pelo SEST SENAT", escreve.

Segundo Costa, as entidades estão dispostas a buscar junto ao governo alternativas para a retomada da economia e a geração de empregos. "Para isso, contudo, não precisamos de declarações intempestivas e sem fundamentação técnica. O que precisamos é de diálogo para estruturar soluções e respostas para a atual crise", diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;