Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em meio a tensão com a Índia, Xi Jinping faz rara visita ao Tibet



23/07/2021 | 21:15


Em meio ao maior controle da China sobre a cultura budista himalaia, e com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento econômico da região, o presidente Xi Jinping fez sua primeira visita ao Tibete desde que chegou ao cargo. A viagem é a primeira de um líder do país em 31 anos e coincide com o 70º aniversário da invasão do Tibete pelas tropas comunistas, ação considerada por Pequim uma libertação pacífica.

Xi chegou à capital regional, Lhasa, na quinta-feira, 22, segundo a agência Xinhua. A mídia estatal mostrou Xi sendo saudado por tibetanos entusiasmados e visitando o mosteiro Drepung. Ele também foi mostrado em um trem com Liu He, o czar econômico da China, e Zhang Youxia, vice-presidente da Comissão Militar Central. A visita de Xi não foi anunciada publicamente e não estava claro se ele já havia retornado a Pequim.

Robert Barnett, um acadêmico britânico que escreveu sobre o Tibete, postou vídeos mostrando o líder chinês falando com os habitantes locais. "Todas as regiões e pessoas de todas as etnias no Tibete marcharão em direção a uma vida feliz no futuro", disse Xi. "Estou cheio de confiança como todos vocês. Por último, não vou atrasar sua dança. Deixe-me dizer o seguinte: desejo a todos uma vida feliz e muita saúde."

A República Popular da China, no início deste ano, marcou o 70º aniversário de sua afirmação de soberania sobre o Tibete. Isso fez parte de um esforço mais amplo do regime para consolidar o controle sobre o território historicamente reivindicado pela China antes de décadas de colonialismo, guerra e conflitos internos.

Tumultos eclodiram em Lhasa, em 2008, devido a alegações de opressão religiosa, deixando pelo menos 12 mortos. Uma onda de autoimolação por parte de tibetanos étnicos ocorreu alguns anos depois.

A região está no centro das tensões fronteiriças com a Índia, que, assim como a China, é uma potência nuclear. Ambos os lados reorganizaram suas forças na área após combates fronteiriços no ano passado, o pior em décadas, que alteraram dramaticamente o relacionamento já tenso entre os dois vizinhos.

No início deste mês, o ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, e seu colega chinês Wang Yi, concordaram em continuar as discussões sobre o impasse na fronteira. Essas negociações aconteceram depois que a Índia redirecionou pelo menos 50 mil soldados extras para a fronteira em uma mudança histórica em direção a uma posição militar ofensiva contra a segunda maior economia do mundo. A Índia já tinha cerca de 200 mil soldados concentrados na fronteira na época.

Controle sobre minorias religiosas

A China tem enfrentado críticas por suas políticas no Tibete, que tem sido submetido a intensos controles sociais, de segurança e religiosos, assim como seu vizinho do norte, Xinjiang, de maioria islâmica. Em maio, Wu Yingjie, chefe do Partido Comunista de maioria budista no Tibete, elogiou o investimento que Pequim fez no desenvolvimento da região, dizendo que a religião tem sido cada vez mais compatível com uma sociedade socialista.

Nos últimos anos, a China aumentou o controle sobre os mosteiros budistas e expandiu a educação em língua chinesa em vez da língua tibetana. Os críticos dessas políticas costumam ser detidos e podem receber longas penas de prisão, especialmente se forem condenados por associação com o dalai-lama. Tenzin Gyatso, o 14º dalai-lama, de 86 anos, vive no exílio na Índia desde que fugiu do Tibete durante uma revolta frustrada contra o domínio chinês em 1959.

A China não reconhece o autodeclarado governo tibetano no exílio com base na cidade de Dharmsala, nas encostas da cordilheira, e acusa o dalai-lama de tentar se separar o Tibete da China.

Avanço econômico no Tibete

Enquanto isso, o turismo doméstico se expandiu exponencialmente na região durante os nove anos de mandato de Xi, com a construção de novos aeroportos, ferrovias e rodovias.

Segundo a agência Xinhua, na cidade de Nyingchi, Xi inspecionou as obras de preservação ecológica na bacia do Rio Yarlung Zangbo, o curso superior do Brahmaputra, no qual a China está construindo uma polêmica barragem. Ele também visitou uma ponte e inspecionou um projeto para construir uma ferrovia da Província de Sichuan ao Tibete, antes de montar a primeira ferrovia eletrificada do Tibete - de Nyingchi a Lhasa -, que entrou em operação no mês passado.

Em setembro, o importante pesquisador de Xinjiang Adrian Zenz divulgou um relatório alegando que Pequim estava instituindo um sistema de trabalho em massa no Tibete semelhante ao que impôs aos uigures muçulmanos. O governador do Tibete, Qi Zhala, disse na época que a transferência de trabalho forçado não existia, mantendo o governo local concentrado em fornecer treinamento profissional.

Em um comunicado, o grupo de defesa da Campanha Internacional pelo Tibete considerou a visita de Xi uma indicação de quão alto o Tibete continua a figurar nas considerações da política chinesa.

"A ausência de cobertura jornalística da visita indica que o Tibete continua a ser uma questão delicada e que as autoridades chinesas não confiam em sua legitimidade entre o povo tibetano", segundo afirmou o grupo com sede em Washington. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;