Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Carlinhos Maia relembra briga com Whindersson Nunes: -A culpa foi minha



25/06/2021 | 09:10


Após revelar que fez as pazes com Whindersson Nunes, Carlinhos Maia agora contou que ele foi o culpado pela briga entre os dois! Em entrevista ao colunista Léo Dias, o humorista afirmou que não estava preparado para atuar a lado de Whind e Tirullipa em Os Roni.

- Não estava preparado para estar na TV naquele momento. Eu estava vivendo o meu estouro na internet e a minha equipe me ofereceu o projeto dos Roni no Multishow. Eu neguei, pois sabia que não estava pronto, mas a empresa me convenceu. Mesmo sem querer fazer, fui e fiz. Não me sentia bem, eu não me encontrei lá. Sai da Vila, que era o meu maior sucesso e estava infeliz na televisão. Passei a competir com o Whindersson, sabe? A culpa foi minha, explicou ele.

Carlinhos afirmou ainda que se entendeu com os demais envolvidos na confusão. Os Roni ainda contava com as participações de Falcão, Gkay, Titina Medeiros e Oscar Magrini. Sobre Whindersson, o influenciador afirmou apenas que pediu desculpas:

- Tive humildade em pedir desculpas ao Whindersson. O programa era dele e eu pedi perdão a ele. Eu amo o Tirullipa também, ele quer nos ver unidos, sabe? Ele luta para nos manter juntos, até pela maturidade dele e acredita no espaço de todos nós. Bloqueei o Whindersson no Whatsapp, mas voltei atrás e pedi desculpas.

Casamento

No bate-papo com Leo Dias, Carlinhos também relembrou o casamento com Lucas Guimarães. O evento contou com cerca de 500 convidados e, hoje em dia, o artista acredita que a realização da festa às margens do Rio São Francisco foi por mídia:

- Eu não sabia mais se estava casando por amor ou por mídia. O meu casamento foi aquela coisa midiática, e eu queria mesmo. Mas eu entrei em colapso. Imagina, eu sempre fui esse menino que cria, que tem uma vida sagaz, e eu encontro uma parte do país inteiro esperando as coisas acontecerem? Eu pirei porque é muita informação. Era muita gente dizendo: Maravilhoso, rei, vai. Ninguém estava ali dizendo um não, lhe dando um choque. Ninguém estava segurando na mão e dizendo: Está vacilando.

Ele ainda disse que o único que tinha pés no chão era o companheiro:

- O único que me dizia era o Lucas, e eu falava: Não, deixa que eu sei o que estou fazendo. Isso aqui vai ser bom para a gente, é para a nossa imagem, o nosso trabalho, é para a nossa família. Então eu dei uma surtada real. Não era eu, mas voltei, me reinventei, estou muito feliz, estou seguro, não tenho mais medo de falar o que eu penso. Quem gosta de mim, gosta. Quem não gosta.

E afirma que a única coisa que teria mudado no casório foi o fato de não ter dado um beijo na boca de Lucas:

- Hoje eu daria o beijo na boca que eu não dei. E não é por militância. Foi importante para mim (a militância) porque eu aprendi a gostar da minha orientação de fato. Mas eu não beijei em respeito às nossas famílias. Foi a atitude mais racional que eu tive neste contexto familiar. A família de Lucas é muito evangélica, demorou a vida toda para compreender.

Ele afirma, no entanto, que não se abalou com as críticas:

- As críticas foram muito fortes, mas não me abalaram tanto quanto a paciência que eu tinha que ter com os meus pais, com o meu pai que é muito evangélico, mas sempre foi muito carinhoso comigo. Porque, às vezes, a gente fica nessa questão de? Ah, tem que ligar o f***-se para todo mundo. Tem é que ligar para essa geração que está vindo toda desconstruída. Eu não posso para a minha mãe de 70 anos, para o meu pai que é da igreja, dessa maneira. Uma parte do meu coração se importa demais. Às vezes, vou ter que abdicar de coisas que eu sei que são minhas verdades, mas eu pensei, ali, dessa forma. Meus pais, quando casaram, beijaram na testa. A minha decisão não foi em respeito a convidados, público, foi às nossas famílias. As pessoas vão ter que ter paciência com outros gays que não têm a mesma coragem. Os gays soltaram a minha mão na época.

E Lucas Guimarães finaliza:

- Tinha família era totalmente preconceituosa. Tias minhas falavam que preferiam ter um filho no caixão do que ter um filho gay. Eu prefiro ter dez filhas prostitutas do que um filho gay. Imagina para gente lutar contra isso o tempo inteiro e entender que eles estarem ali no nosso casamento foi um processo de anos? Só sabiam tudo o que a gente passou para chegar ali, os nossos amigos, as pessoas que estavam com a gente desde o início.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;