Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 2 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Confiança da Construção avança 5,2 pontos em junho, para 92,4 pontos, diz FGV



25/06/2021 | 08:44


O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 5,2 pontos em junho e registrou o segundo avanço consecutivo, informou nesta sexta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com a maior alta mensal desde julho de 2020, o indicador de sondagem do setor chegou a 92,4 pontos, com ajuste sazonal, próximo ao nível de janeiro (92,5). Em médias móveis trimestrais, houve elevação de 1,2 ponto, a primeira do ano.

A coordenadora de Projetos da Construção da FGV do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), Ana Maria Castelo, ressalta em nota o resultado positivo em ambos os componentes do ICST, de situação atual e de expectativas. A pressão dos preços de matérias-primas, por outro lado, continua sendo um grande obstáculo.

"Prevaleceu a percepção de que a alta dos preços não está afetando a demanda, que voltou a crescer. A grande questão que se levanta é em que medida essa melhora se sustenta, ou seja, se a demanda suportará o repasse dos aumentos de custo", afirma Castelo em nota.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST) subiu 4,0 pontos, para 89,5 pontos, maior nível desde fevereiro (90,0). O avanço do ISA-CST foi influenciado pela melhora do indicador de situação atual dos negócios, que subiu 6,2 pontos, para 92,6.

O Índice de Expectativas (IE-CST) teve alta de 6,4 pontos e chegou a 95,4, patamar mais elevado desde dezembro de 2020 (95,5). Segundo a FGV, o desempenho reflete melhora no indicador de demanda prevista, que avançou 8,2 pontos, para 95,9, e no de tendência dos negócios, que subiu 4,3 pontos, para 94,8.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) da Construção avançou 3,0 pontos porcentuais (pp), para 77,4%. O NUCI de Mão de Obra deu a maior contribuição, com alta de 3,2 pp, chegando a 78,9%, seguido pelo NUCI de Máquinas e Equipamentos, que subiu 0,8 p.p, de 69,5% para 70,3%.

A FGV acrescenta que a melhora no ambiente de negócios corrente e futuro foi puxada pelos segmentos de Edificações Residenciais e Não Residenciais e de Serviços Especializados. A confiança das empresas de infraestrutura cresceu menos, mas está em melhor nível.

"Vale notar que de acordo com o Caged, nos primeiros quatro meses do ano, nos três segmentos, as contratações superaram as demissões, mas Edificações e Serviços têm liderado a geração de emprego com carteira no setor", acrescenta Castelo. "A alta das expectativas sinaliza continuidade desse movimento de geração líquida de empregos na construção."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;