Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Hong Kong tem filas para compra de última edição de jornal pró-democracia



24/06/2021 | 12:26


Em Hong Kong, na manhã desta quinta-feira, 24, as filas se estendiam por centenas de metros, dobrando esquina após esquina. Começando antes do amanhecer, multidões na cidade de 7,5 milhões de habitantes fizeram fila por horas para comprar a última edição impressa do jornal Apple Daily, forçado a fechar pelas autoridades que o acusaram de crimes de segurança nacional.

Normalmente vendendo 80.000 cópias por dia, o jornal imprimiu um milhão de cópias. A demanda era tão grande que, no meio da manhã, os moradores de Hong Kong estavam fazendo uma planilha online de lojas de conveniência que ainda tinham cópias à venda, segundo o correspondente do jornal britânico The Guardian.

"Os habitantes de Hong Kong se despediram dolorosamente na chuva:' Apoiamos o Apple Daily'", dizia a manchete final da primeira página. A foto de meia página mostrava a multidão de apoiadores que se reuniram do lado de fora do prédio na noite anterior, deixando mensagens de agradecimento no portão da frente e acenando para os funcionários reunidos nas janelas e sacadas.

Seu fundador e proprietário está preso desde dezembro passado, seu presidente-executivo e editor-chefe desde a última quinta-feira, 17, e redator editorial principal foi preso na quarta-feira, 23. Todos foram acusados de conluio estrangeiro sob uma lei de segurança nacional que governos internacionais e grupos de direitos humanos dizem que está sendo usada para esmagar a dissidência.

A crescente pressão sobre a mídia em Hong Kong foi enfatizada com o fechamento do Apple Daily, que costuma criticar os governos da China e de Hong Kong. A cúpula do jornal disse que não tinha escolha a não ser fechar suas portas. O jornal, um dos mais lidos em Hong Kong, é objeto de uma investigação de segurança nacional que também prendeu seu fundador, Jimmy Lai.

Apesar de ter o direito à liberdade de expressão consagrado em sua Constituição local, o território chinês está agora em 80º lugar entre 180 países e regiões no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa, abaixo do 18º lugar quando os Repórteres Sem Fronteiras publicaram o índice pela primeira vez em 2002.

Depois que a polícia invadiu a redação na semana passada e o secretário de segurança de Hong Kong, congelou os ativos e as contas do jornal, e a empresa-mãe do Apple Daily, Next Digital Media, não teve escolha. Incapaz de pagar os custos operacionais ou de pessoal, anunciou que o site, o aplicativo e as contas de mídia social seriam encerrados na meia-noite de quarta-feira e o último jornal chegaria às bancas nesta quinta-feira.

Uma nota de despedida do ex-editor associado do jornal, Chan Pui-man, que renunciou ao cargo após sua prisão, disse que a administração decidiu fechar o jornal por preocupação com a segurança da equipe. Dentro da redação, a equipe tirou fotos do grupo, enquanto alguns choraram ao montar a última edição, assistida por repórteres de veículos rivais que estavam lá para cobrir um momento significativo para seu setor.

Na quinta-feira, as pessoas compartilharam vídeos das longas filas e fotos das cópias obtidas. A arte de protesto se espalhou pelas redes sociais, em meio à tristeza e raiva com o fechamento.

A morte do Apple Daily foi "chocante, mas não surpreendente", disse Keith Richburg, diretor do Centro de jornalismo e estudos de mídia da Universidade de Hong Kong ao The Guardian. "Acho que desde o momento em que a lei de segurança nacional foi aprovada por Pequim todos sabiam que o Apple Daily era um alvo, que provavelmente acabaria sendo fechado por causa dessa lei", disse ele.

"O governo não via isso como uma organização de notícias, mas sim como uma figura da oposição (...). Acho que as pessoas estão meio chocadas com a velocidade com que isso aconteceu."

O jornal nacionalista China Global Times elogiou o fechamento do "tablóide separatista". O governo de Hong Kong não se desculpa pelo fechamento de um dos veículos de notícias mais independentes da cidade. O chefe do departamento de segurança nacional da polícia, o secretário de segurança e o chefe do Executivo insistiram nos últimos dias que os alegados crimes da equipe do Apple Daily não tinham nada a ver com "jornalismo normal" e as ações extraordinárias tomadas contra a empresa não foram um ataque à imprensa livre.

O ex-presidente-executivo de Hong Kong, Cy Leung, escreveu no Facebook que o Apple Daily estava vendo as consequências para quem é "conivente com a escória de países estrangeiros". "Apple Daily e Next Magazine, fundada por Jimmy Lai, não são organizações de mídia, mas suas ferramentas de divulgação política. O que quer que tenha acontecido com ele, sua família e assistentes não têm nada a ver com trabalho jornalístico ou liberdade de imprensa", disse ele. (Com agências internacionais).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;