Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar vira e cai a R$ 5,04 com fluxo e expectativa por Copom



15/06/2021 | 18:00


Um dia antes dos esperados resultados das reuniões de política monetária no Brasil e no exterior, a liquidez se reduziu no mercado doméstico e o dólar acabou tendo um dia volátil. Subiu a R$ 5,10 pela manhã e nos negócios da tarde passou a cair, testando mínimas a R$ 5,03, refletindo entrada de fluxo e também um movimento de agentes se antecipando a entradas futuras, por conta de captações externas de empresas, como a Light nesta terça-feira, ou potenciais aportes de estrangeiros com o Banco Central elevando os juros agora e sinalizando nova alta em agosto. Nesse ambiente, o real acabou indo na contramão de outras moedas emergentes, que perderam força ante o dólar de forma generalizada.

No fechamento, o dólar à vista terminou a terça-feira em queda de 0,55%, a R$ 5,0428. No mercado futuro, o dólar para julho cedia 0,30%, a R$ 5,0520 às 17h35.

O diretor da NGO Corretora de Câmbio, Sidnei Moura Nehme, ressalta que mais cedo o dólar subiu ante o real, com a moeda americana ganhando força após a divulgação do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. O indicador subiu 0,8% em maio, acima do esperado por Wall Street. Com isso, as taxas longas dos juros americanos passaram a subir, ajudando o dólar a se fortalecer e enfraquecendo as moedas de emergentes. "Foi uma pressão externa."

Nehme avalia que o dólar pode romper o piso de R$ 5,00 esta semana "de forma sustentável", caso o Banco Central não decepcione e entregue ao menos uma alta de 0,75 ponto porcentual na Selic, além de possíveis novas elevações para a frente. Neste cenário de juro em alta, a melhora do real pode ser sustentável, com chance de a divisa dos EUA operar entre R$ 4,60 e R$ 4,80, avalia o economista.

Para o diretor da NGO, o Brasil pode atrair o investidor estrangeiro mais especulativo para operações de 'carry trade', quando tomam recursos em país de juro zero para aportar em outro com taxa maior.

A perspectiva de mais elevações de juros no Brasil aliada a um visão de atividade econômica mais aquecida em 2021 tem aumentado o otimismo com o real. Pesquisa do Bank of America com gestores de América Latina mostra que cresceu a fatia de investidores, de menos de 5%, em maio, para cerca de 25%, este mês, que veem o dólar entre R$ 4,50 e R$ 4,80 ao final de 2021. A maioria destes gestores, que há poucos meses alertava dos riscos de dólar acima de R$ 6,00, agora veem ao menos a moeda americana abaixo dos R$ 5,10 ao final do ano.

Há até um pequeno porcentual (cerca de 4%) de gestores ouvidos pelo BofA que já veem o dólar abaixo de R$ 4,50.

Para o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), a pesquisa do BofA mostra que a maioria espera que o "tapering", o processo de redução de compras mensais de ativos, só seja anunciado em agosto, no simpósio anual de Jackson Hole, ou na reunião do Fomc de setembro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;