Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Apesar da queda de mortes, 13 Estados registram alta de infecções pela Covid

Celso Luiz/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


13/05/2021 | 08:37


Treze Estados registram alta na quantidade de novos casos de covid-19 confirmados em comparação com duas semanas atrás. A situação influencia a taxa nacional, que também subiu no período, e se mantém em cerca de 60 mil novos diagnósticos por dia. Especialistas alertam que, embora o País assista à queda de mortes, o cenário com tantos infectados sinaliza para a continuidade do patamar grave nos próximos meses. Por isso, a crescente flexibilização do isolamento social e a vacinação lenta preocupam.

Dados do consórcio de veículos de imprensa mostram que, ao contrário da tendência notada em relação aos óbitos pelo novo coronavírus, os casos têm crescido na última semana. A nova alta sucede o pico registrado no fim de março e início de abril, meses que bateram recorde de letalidade na pandemia e várias redes de saúde entraram em colapso. O patamar de testes positivos pode indicar que o Brasil se manterá em um platô elevado ou até mesmo reverterá a tendência de redução de vítimas, apontam especialistas.

O Paraná, por exemplo, mal se recuperou do pico de março e registrou alta de 61% na média de novos casos diários, na comparação do dado da segunda-feira passada com 14 dias atrás. Os testes positivos passaram de 3 mil por dia para 4,8 mil em duas semanas. Uma alta intensa, de 83%, também é notada no Rio. Lá, as secretarias estadual e municipal de saúde atribuem a variação à notificações represadas de semanas anteriores.

Em Pernambuco, o patamar de novos casos é o maior da pandemia. O Estado tem média de 2,2 mil testes positivos, segundo dados da segunda-feira passada - alta de 19% em relação a 14 dias atrás, formando uma curva que não para de crescer.

"Nas últimas semanas, temos notado tendência de interrupção de queda nos novos casos de síndrome respiratória aguda grave e podemos traçar um paralelo com as flexibilizações das restrições e a retomada das interações sociais", analisa o pesquisador da Fiocruz e coordenador do Sistema Infogripe, Marcelo Gomes. "Baixar a guarda desse jeito tem como efeito o aumento da exposição e é questão de tempo até mais locais notarem sinais da retomada de crescimento dos casos."

Após o pico de abril passado, em vários Estados, já houve ampla retomada de atividades econômicas, como comércio, restaurantes, bares e até boates. Crítico do isolamento social, o presidente Jair Bolsonaro tem ameaçado editar decreto para barrar novas ações de quarentena. Já a vacinação sofre com dificuldades no recebimento de insumos para fabricar mais doses e adiamento de entregas.

Em países com vacinação mais avançada, como o Chile, a alta no contágio não necessariamente causou mais mortes. Mas o país vizinho já imunizou 47% da população, e o Brasil, 8,8% com as duas doses

Além do Rio, Paraná e Pernambuco, houve alta em Roraima, Amapá, Maranhão, Alagoas, Tocantins, Piauí, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Sergipe e Pará. Já Minas, Rio Grande do Norte, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraíba e Rondônia tiveram variação positiva ou negativa inferior a 5%, e são considerados estáveis. Houve queda em Espírito Santo, Ceará, Distrito Federal, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Amazonas e Acre.

"Estamos relativizando a situação por tomar como base o momento mais dramático. Mas assim perdemos a sensibilidade de que ainda estamos em situação difícil, seja de casos, internações ou óbitos. O passado recente foi completamente extremo, mas o presente está longe de ser tranquilo", acrescenta Gomes.

Os casos ajudam a prever a tendência. O novo caso de hoje pode ser o novo paciente grave de amanhã, com demanda de UTI, e eventual óbito. Quanto mais testes positivos, mais chance de a curva de mortes subir. "Há um tempo até a evolução do caso, da ordem de três semanas. Para saber o que acontece agora, o óbito não é o melhor indicador, pois está sempre atrasado quanto à atual situação da pandemia", diz Gomes.

Medidas

A prefeitura de Curitiba decidiu ontem ampliar as medidas restritivas na cidade. A gestão municipal disse que a decisão leva em conta "o aumento do número de novos casos, casos ativos, taxa de transmissão e ocupação de leitos". O toque de recolher foi ampliado e o horário de funcionamento do serviços não essenciais, reduzido.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde fluminense disse ter havido grande volume de notificações de casos represados na cidade do Rio. "Não significa dizer que os casos ocorreram na semana passada, mas que foram inseridos no sistema nestas datas, gerando o aumento observado."

A Secretaria municipal confirmou a situação, atribuindo a alta ao trabalho para incluir resultados laboratoriais no sistema. As pastas não detalharam a proporção de registros represados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;