Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Solução para tentar equilibrar contas é substituir produtos



12/05/2021 | 13:00


Uma das soluções encontradas pelas famílias para tentar equilibrar as contas é substituir produtos, marcas e até estabelecimento comercial. Na avaliação do economista, Christiano Arrigoni, professor do Ibmec/RJ, a estratégia está correta, mas nem tudo dá para ser substituído. "Por exemplo, se o açúcar sobe, o substituto dele é mais caro e não compensa trocar."

É por isso que a renda cai, já que os salários não acompanham essa escalada de preços, diz ele. Embora a inflação tenha ficado baixa no ano passado, o custo de vida para famílias mais pobres aumentou bastante, diz ele. "A inflação é um índice de preços de uma família típica, representa uma média. Para uma família mais pobre em que o grosso do orçamento vai para alimentos, energia e transporte, esses aumentos pesam muito."

Isso explica a sensação de que a inflação é maior do que aquela mostrada nos índices. "É nítido que a renda vem despencando. E isso é um drama, pois afeta toda a estrutura de consumo das famílias", afirma o economista do Insper, Otto Nogami. "E assim, o salário fica insuficiente para as necessidades do dia a dia." Ele destaca que alguns itens, como energia elétrica, sofrem com a variação do dólar e isso tem pressão sobre os preços. Além disso, eletricidade e combustíveis afetam a estrutura de produção.

O orçamento das famílias, segundo a Tendências Consultoria Integrada, só não está mais apertado porque houve arrefecimento de alguns itens nos últimos meses, o que compensou parte do aumento da conta de luz, gasolina, gás de cozinha e alimentos no ano passado. Com a pandemia, a educação teve uma queda com os descontos dados pelas escolas por causa das aulas online. O mesmo ocorreu com os alugueis, que também recuaram.

Para a especialista em gestão empresarial, Erika Pellini, o novo normal com a pandemia reduziu alguns gastos e elevou outros. Em home office, ela diminuiu o consumo de gasolina, mas elevou os gastos com alimentação e energia. "Tento ficar vigilante e evito deixar luzes e aparelhos ligados sem necessidade e, ainda assim, a despesa aumentou." Ela conta que começou a fazer uma revisão do orçamento e pretende enxugar alguns gastos, como por exemplo, telefonia celular.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;