Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Chernobyl pode se tornar Patrimônio Mundial da Unesco

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


27/04/2021 | 08:00


Chernobyl, cujo acidente nuclear completou ontem 35 anos, agora, pode se tornar Patrimônio Mundial da Unesco. Pelo menos é o que o governo da Ucrânia tem em mente para a área da usina onde, às 1h23 de 26 de abril de 1986, o reator número 4 da central, a 130 quilômetros de Kiev, explodiu durante um teste de segurança.

Oficialmente, o acidente matou 31 pessoas, forçou a retirada de 1 milhão de habitantes da região, provocou centenas de casos de doenças e a destruição do meio ambiente local. Ainda assim, nos últimos anos, a área tem registrado recordes de turistas, principalmente após a estreia da série de TV Chernobyl, da HBO.

Para marcar o 35º aniversário do desastre, o presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, visitou ontem a zona de exclusão de 30 quilômetros ao redor da central nuclear.

"Acreditamos que colocar Chernobyl na lista de patrimônio da Unesco é um primeiro e importante passo para ter este lugar como um destino único de interesse para toda a humanidade", disse o ministro da Cultura, Oleksandr Tkachenko.

Antes de enviar um pedido à ONU, os locais que buscam proteção da Unesco devem ser incluídos em uma lista nacional de patrimônio histórico e cultural, segundo o ministro.

O acidente ocorreu quando engenheiros planejavam testar se o reator poderia ser resfriado caso a usina ficasse sem energia. Mas um erro humano levou à sobrecarga do reator e provocou uma série de explosões. O núcleo do reator ficou exposto, lançando material radiativo na atmosfera.

Inicialmente, o governo da URSS tentou abafar a tragédia. Durante 10 dias, o combustível nuclear queimou e liberou na atmosfera elementos radioativos que contaminaram, segundo estimativas, até 75% da Europa, especialmente as então repúblicas soviéticas da Ucrânia, Belarus e Rússia. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;