Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Cobrança por remuneração é incoerente', diz cientista



23/04/2021 | 13:00


Ao comentar o discurso do Presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima, o cientista Carlos Nobre disse ao Estadão que o Brasil tem de apresentar resultados no combate ao desmatamento antes de pedir dinheiro. Confira abaixo a entrevista.

Um tema do discurso de Bolsonaro foi a remuneração ao Brasil pela conservação do meio ambiente. Como é vista a demanda?

É uma coisa concreta. Dentro da própria cúpula foi lançada uma iniciativa de US$ 1 bilhão custeada por empresas e governos de países como EUA, Reino Unido e Noruega, a ser destinada a países tropicais para reduzirem o desmatamento de seus biomas. Mas não adianta, por exemplo, dizer que o Amapá acabou com o desmatamento ilegal e no Amazonas está aumentando muito. Os países que conseguirem reduzir o desmatamento, proteger as populações tradicionais e começar a mostrar um novo modelo de desenvolvimento, vão conseguir mais recursos.

E o que se pode dizer sobre a cobrança do presidente?

Tem uma incoerência. O que vem primeiro? Você me dá o dinheiro e eu reduzo o desmatamento? Ou eu reduzo o desmatamento e eu te dou o dinheiro? Essa pergunta não foi respondida. E o discurso vai contra toda a política ambiental do Ministério do Meio Ambiente nos últimos dois anos e quatro meses. Acima de 90% do desmatamento na Amazônia nesse período foi ilegal, e nenhum discurso político ouvido nesse período desestimula o crime ambiental. O mundo só vai acreditar que o Brasil mudou quando atacar a ilegalidade com seriedade.

O que se pode destacar de positivo na fala do presidente?

Eu acho que o fato mais inovador foi tirar o Brasil de 2060 e mandar para 2050 a meta de zerar as emissões de carbono. Hipoteticamente, vamos supor que a gente pudesse zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. Aí reduziríamos nossas emissões em 50%, porque o desmatamento representa entre 40% e 50%.

É viável imaginar esse cenário?

Não. Quando a gente olha para as políticas lá atrás, de 2004 a 2012, que fizeram o desmatamento cair de 27 mil km² para 4.600 km², não é uma política que acontece de um ano para outro. Muito da efetividade daquela política foi o trabalho de inteligência da Polícia Federal atrás dos financiadores do crime. Será possível fazer isso com o enfraquecimento do Ibama e do ICMBio? Será possível depois de dois anos que o Exército infelizmente não mostrou um trabalho muito eficiente? Essa é a grande pergunta. Ir lá na Amazônia e pegar quem está desmatando, você pode ir, porque o satélite mostra as áreas desmatadas.

Biden apresentou metas ambiciosas, são viáveis?

Esse é o último momento que temos para fazer as metas irem para frente. Se não conseguirmos fazer as emissões reduzirem 50%, globalmente falando, até 2030, e depois chegarmos a 0% em 2050, o desequilíbrio climático pode ficar completamente fora de controle.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Cobrança por remuneração é incoerente', diz cientista


23/04/2021 | 13:00


Ao comentar o discurso do Presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima, o cientista Carlos Nobre disse ao Estadão que o Brasil tem de apresentar resultados no combate ao desmatamento antes de pedir dinheiro. Confira abaixo a entrevista.

Um tema do discurso de Bolsonaro foi a remuneração ao Brasil pela conservação do meio ambiente. Como é vista a demanda?

É uma coisa concreta. Dentro da própria cúpula foi lançada uma iniciativa de US$ 1 bilhão custeada por empresas e governos de países como EUA, Reino Unido e Noruega, a ser destinada a países tropicais para reduzirem o desmatamento de seus biomas. Mas não adianta, por exemplo, dizer que o Amapá acabou com o desmatamento ilegal e no Amazonas está aumentando muito. Os países que conseguirem reduzir o desmatamento, proteger as populações tradicionais e começar a mostrar um novo modelo de desenvolvimento, vão conseguir mais recursos.

E o que se pode dizer sobre a cobrança do presidente?

Tem uma incoerência. O que vem primeiro? Você me dá o dinheiro e eu reduzo o desmatamento? Ou eu reduzo o desmatamento e eu te dou o dinheiro? Essa pergunta não foi respondida. E o discurso vai contra toda a política ambiental do Ministério do Meio Ambiente nos últimos dois anos e quatro meses. Acima de 90% do desmatamento na Amazônia nesse período foi ilegal, e nenhum discurso político ouvido nesse período desestimula o crime ambiental. O mundo só vai acreditar que o Brasil mudou quando atacar a ilegalidade com seriedade.

O que se pode destacar de positivo na fala do presidente?

Eu acho que o fato mais inovador foi tirar o Brasil de 2060 e mandar para 2050 a meta de zerar as emissões de carbono. Hipoteticamente, vamos supor que a gente pudesse zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. Aí reduziríamos nossas emissões em 50%, porque o desmatamento representa entre 40% e 50%.

É viável imaginar esse cenário?

Não. Quando a gente olha para as políticas lá atrás, de 2004 a 2012, que fizeram o desmatamento cair de 27 mil km² para 4.600 km², não é uma política que acontece de um ano para outro. Muito da efetividade daquela política foi o trabalho de inteligência da Polícia Federal atrás dos financiadores do crime. Será possível fazer isso com o enfraquecimento do Ibama e do ICMBio? Será possível depois de dois anos que o Exército infelizmente não mostrou um trabalho muito eficiente? Essa é a grande pergunta. Ir lá na Amazônia e pegar quem está desmatando, você pode ir, porque o satélite mostra as áreas desmatadas.

Biden apresentou metas ambiciosas, são viáveis?

Esse é o último momento que temos para fazer as metas irem para frente. Se não conseguirmos fazer as emissões reduzirem 50%, globalmente falando, até 2030, e depois chegarmos a 0% em 2050, o desequilíbrio climático pode ficar completamente fora de controle.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;