Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

É preciso sanear


Do Diário do Grande ABC

23/04/2021 | 00:35


O corte de dez secretarias, passando de 22 para 12, em Ribeirão Pires é ato que precisa ser enaltecido. Em época na qual a pandemia de Covid-19 elevou os gastos, principalmente com saúde, e reduziu as receitas originárias dos tributos municipais, qualquer medida que reduza os custos deve ser implementada. A única ressalva é que o munícipe não pode ser prejudicado. Todos os moradores necessitam ter seus direitos preservados.

Ontem, a Câmara aprovou a reforma administrativa proposta pelo prefeito Clóvis Volpi, que extinguiu pastas e baixou o número de funcionários sem concurso de 497 para 363. Isso representará, nas contas do Executivo, economia anual de R$ 4 milhões, o que equivale a 18,77% da atual folha de pagamento. Se o valor realmente for alcançado e mantiver-se por todo o mandato, totalizará R$ 16 milhões poupados.

Volpi tem de ser habilidoso com o caixa da Prefeitura. Principalmente porque, desde o início do governo, não cansa de apregoar que recebeu de seu antecessor, Adler Kiko Teixeira, dívidas que chegam a R$ 238,8 milhões. E que, deste total, R$ 90 milhões são restos a pagar (passivo de curto prazo).

E para que possa ter mais clareza no manuseio dos recursos, torna-se vital a implantação da corregedoria e controladoria internas, instituições que estão no escopo do pacote de mudanças avalizado pelo Legislativo ribeirão-pirense e que irão acompanhar a elaboração de contratos e também os gastos da cidade.

Enfrentando dificuldades, Ribeirão Pires conseguiu manter o hospital de campanha, importante equipamento no enfrentamento ao coronavírus, mas que esteve bem perto de ser fechado por falta de verbas. Só permaneceu ativo após socorro enviado pelos governos estadual e federal.

O mesmo não ocorreu com o atendimento a mulheres vítimas de violência. O serviço, que já mereceu destaque nas páginas deste Diário pela efetividade de atuação, foi alterado, o que gerou protestos de ativistas locais. Tomara que tais mudanças não causem prejuízo em área tão sensível. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

É preciso sanear

Do Diário do Grande ABC

23/04/2021 | 00:35


O corte de dez secretarias, passando de 22 para 12, em Ribeirão Pires é ato que precisa ser enaltecido. Em época na qual a pandemia de Covid-19 elevou os gastos, principalmente com saúde, e reduziu as receitas originárias dos tributos municipais, qualquer medida que reduza os custos deve ser implementada. A única ressalva é que o munícipe não pode ser prejudicado. Todos os moradores necessitam ter seus direitos preservados.

Ontem, a Câmara aprovou a reforma administrativa proposta pelo prefeito Clóvis Volpi, que extinguiu pastas e baixou o número de funcionários sem concurso de 497 para 363. Isso representará, nas contas do Executivo, economia anual de R$ 4 milhões, o que equivale a 18,77% da atual folha de pagamento. Se o valor realmente for alcançado e mantiver-se por todo o mandato, totalizará R$ 16 milhões poupados.

Volpi tem de ser habilidoso com o caixa da Prefeitura. Principalmente porque, desde o início do governo, não cansa de apregoar que recebeu de seu antecessor, Adler Kiko Teixeira, dívidas que chegam a R$ 238,8 milhões. E que, deste total, R$ 90 milhões são restos a pagar (passivo de curto prazo).

E para que possa ter mais clareza no manuseio dos recursos, torna-se vital a implantação da corregedoria e controladoria internas, instituições que estão no escopo do pacote de mudanças avalizado pelo Legislativo ribeirão-pirense e que irão acompanhar a elaboração de contratos e também os gastos da cidade.

Enfrentando dificuldades, Ribeirão Pires conseguiu manter o hospital de campanha, importante equipamento no enfrentamento ao coronavírus, mas que esteve bem perto de ser fechado por falta de verbas. Só permaneceu ativo após socorro enviado pelos governos estadual e federal.

O mesmo não ocorreu com o atendimento a mulheres vítimas de violência. O serviço, que já mereceu destaque nas páginas deste Diário pela efetividade de atuação, foi alterado, o que gerou protestos de ativistas locais. Tomara que tais mudanças não causem prejuízo em área tão sensível. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;