Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Febraban relança 'metodologia Verde' para fomentar crédito a negócio sustentável



22/04/2021 | 14:17


Quase metade do valor concedido como empréstimo a empresas no Brasil envolve elevado risco ambiental, mas mais de um quinto desse montante já é voltado para negócios da chamada Economia Verde. E o caminho para ampliar a parcela sustentável no crédito concedido no País está aberto, partindo de um estudo que inclui a aplicação de uma nova metodologia para mensurar a alocação de recursos financeiros em atividades ligadas a redução da emissão de carbono, eficiência no uso de recursos naturais e inclusão social, pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

A metodologia Verde havia sido desenvolvida inicialmente pela federação em 2015, mas era calcada nas informações enviadas por bancos que aderiam voluntariamente à iniciativa e representavam cerca de 86% do mercado de crédito para clientes pessoa jurídica.

Agora a análise conta com o apoio do Banco Central, o que permite classificar todas as informações registradas no Sistema de Informações de Crédito (SCR). Para aplicar a nova classificação sobre essa base, a Febraban contou com o apoio da PUC-Rio.

"Seus resultados podem ser utilizados para direcionar fluxos de capitais para as atividades com maior contribuição socioambiental, formular estratégias para gerir riscos associados às mudanças climáticas e identificar novas oportunidades de negócios", diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.

Sem esse parâmetro à mão, o sistema conseguiu consolidar o quinhão destinado a empresas da Economia Verde, mas não tem conseguido avançar. Entre 2019 e o ano passado, essa parcela recuou de 22,48% para 21,75%. Em 2020, dos R$ 1,73 trilhão emprestados a empresas, R$ 376 milhões foram concedidos a negócios sustentáveis.

Segundo a Febraban, pode haver superposição entre esses créditos e a parcela destinada a negócios que envolvem alto risco ambiental, já que atividades como a conservação de florestas, por exemplo, contribui para a Economia Verde, mas também está sujeita aos riscos físicos das mudanças climáticas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Febraban relança 'metodologia Verde' para fomentar crédito a negócio sustentável


22/04/2021 | 14:17


Quase metade do valor concedido como empréstimo a empresas no Brasil envolve elevado risco ambiental, mas mais de um quinto desse montante já é voltado para negócios da chamada Economia Verde. E o caminho para ampliar a parcela sustentável no crédito concedido no País está aberto, partindo de um estudo que inclui a aplicação de uma nova metodologia para mensurar a alocação de recursos financeiros em atividades ligadas a redução da emissão de carbono, eficiência no uso de recursos naturais e inclusão social, pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

A metodologia Verde havia sido desenvolvida inicialmente pela federação em 2015, mas era calcada nas informações enviadas por bancos que aderiam voluntariamente à iniciativa e representavam cerca de 86% do mercado de crédito para clientes pessoa jurídica.

Agora a análise conta com o apoio do Banco Central, o que permite classificar todas as informações registradas no Sistema de Informações de Crédito (SCR). Para aplicar a nova classificação sobre essa base, a Febraban contou com o apoio da PUC-Rio.

"Seus resultados podem ser utilizados para direcionar fluxos de capitais para as atividades com maior contribuição socioambiental, formular estratégias para gerir riscos associados às mudanças climáticas e identificar novas oportunidades de negócios", diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.

Sem esse parâmetro à mão, o sistema conseguiu consolidar o quinhão destinado a empresas da Economia Verde, mas não tem conseguido avançar. Entre 2019 e o ano passado, essa parcela recuou de 22,48% para 21,75%. Em 2020, dos R$ 1,73 trilhão emprestados a empresas, R$ 376 milhões foram concedidos a negócios sustentáveis.

Segundo a Febraban, pode haver superposição entre esses créditos e a parcela destinada a negócios que envolvem alto risco ambiental, já que atividades como a conservação de florestas, por exemplo, contribui para a Economia Verde, mas também está sujeita aos riscos físicos das mudanças climáticas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;