Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Erdogan pede 'responsabilidades diferenciadas' entre países na questão ambiental



22/04/2021 | 12:35


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, pediu nesta quinta-feira (22) "responsabilidades comuns, mas diferenciadas" nas metas de preservação do meio ambiente. "A mudança climática é global, mas países não estão em pé de igualdade", destacou, durante seu discurso na Cúpula do Clima. O evento virtual é organizado pela Casa Branca e reúne mais de 40 líderes globais.

Além de clamar por um "alívio" nas metas para países em desenvolvimento, Erdogan afirmou que a Turquia "não tem muita responsabilidade" nas emissões de carbono atuais. "Na verdade, somos líderes entre países da região quando se trata de energia renovável", disse o presidente. Ainda assim, Erdogan prometeu reduzir as emissões de gases poluentes em 21% até 2030 e elevar a utilização de energia solar no país.

Proteção de florestas

Os governos de Estados Unidos, Reino Unido e Noruega e nove companhias anunciaram uma coalizão para mobilizar ao menos US$ 1 bilhão neste ano para "a proteção de florestas em larga escala e o desenvolvimento sustentável", a fim de beneficiar povos indígenas e da floresta.

A iniciativa global "Reduzindo Emissões pela Aceleração da finança Florestal" (LEAF, na sigla em inglês) representa até agora o maior investimento único do setor privado para proteger as florestas tropicais, diz comunicado do grupo.

As empresas participantes são Airbnb, Amazon, Bayer, Boston Consulting Group, GlaxoSmithKline, McKinsey & Company, Nestlé, Salesforce, e Unilever. "Mais participantes devem entrar nos próximos meses", diz o texto.

O modelo de financiamento é "baseado em resultados" e avança a partir do trabalho do Fundo de Defesa Ambiental nas últimas duas décadas, "em colaboração com comunidades indígenas, povos da floresta, ONGs brasileiras e dos EUA e outros parceiros, para proteger a Amazônia e as florestas tropicais globalmente", diz a nota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Erdogan pede 'responsabilidades diferenciadas' entre países na questão ambiental


22/04/2021 | 12:35


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, pediu nesta quinta-feira (22) "responsabilidades comuns, mas diferenciadas" nas metas de preservação do meio ambiente. "A mudança climática é global, mas países não estão em pé de igualdade", destacou, durante seu discurso na Cúpula do Clima. O evento virtual é organizado pela Casa Branca e reúne mais de 40 líderes globais.

Além de clamar por um "alívio" nas metas para países em desenvolvimento, Erdogan afirmou que a Turquia "não tem muita responsabilidade" nas emissões de carbono atuais. "Na verdade, somos líderes entre países da região quando se trata de energia renovável", disse o presidente. Ainda assim, Erdogan prometeu reduzir as emissões de gases poluentes em 21% até 2030 e elevar a utilização de energia solar no país.

Proteção de florestas

Os governos de Estados Unidos, Reino Unido e Noruega e nove companhias anunciaram uma coalizão para mobilizar ao menos US$ 1 bilhão neste ano para "a proteção de florestas em larga escala e o desenvolvimento sustentável", a fim de beneficiar povos indígenas e da floresta.

A iniciativa global "Reduzindo Emissões pela Aceleração da finança Florestal" (LEAF, na sigla em inglês) representa até agora o maior investimento único do setor privado para proteger as florestas tropicais, diz comunicado do grupo.

As empresas participantes são Airbnb, Amazon, Bayer, Boston Consulting Group, GlaxoSmithKline, McKinsey & Company, Nestlé, Salesforce, e Unilever. "Mais participantes devem entrar nos próximos meses", diz o texto.

O modelo de financiamento é "baseado em resultados" e avança a partir do trabalho do Fundo de Defesa Ambiental nas últimas duas décadas, "em colaboração com comunidades indígenas, povos da floresta, ONGs brasileiras e dos EUA e outros parceiros, para proteger a Amazônia e as florestas tropicais globalmente", diz a nota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;