Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Presidente do Real Madrid diz que Superliga não acabou: 'Triste e decepcionado'



22/04/2021 | 09:07


Em declarações a um programa da rádio espanhola Cadena Ser, na noite de quarta-feira, Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, deixou duras críticas ao esloveno Aleksander Ceferin, mandatário da Uefa, que se manifestou contra a criação da Superliga e ameaçou excluir da entidade todos os clubes que integrassem a recém-criada competição.

"Nunca vi tamanha agressividade como aquela manifestada pelo presidente da Uefa e por alguns presidentes de Ligas, de forma orquestrada. Nos surpreendeu. Depois de anunciarmos a notícia, pedimos uma reunião com o presidente (Ceferin), mas ele nem nos respondeu. Nunca vi tanta agressividade, ameaças e insultos, como se tivéssemos matado o futebol. Trabalhamos, sim, para ajudar a salvar o futebol", afirmou.

Florentino Pérez admitiu que "o projeto da Superliga ficou em stand-by" e que Juventus e Milan "não desistiram" dele, enquanto que o Barcelona "está em reflexão".

"Estamos há muitos anos trabalhando num projeto que não fui capaz de explicar. Estou triste e decepcionado. Era algo fácil de entender, a Liga é intocável e é preciso arrecadar dinheiro nos jogos a meio da semana. O formato da Liga dos Campeões está obsoleto e só tem interesse a partir das quartas de final", comentou o presidente do Real Madrid e da Superliga.

Diante dos protestos de torcedores e de autoridades governamentais e do futebol, Manchester City, Liverpool, Arsenal, Manchester United, Tottenham e Chelsea iniciaram a debandada do projeto da Superliga, na última terça-feira, sendo seguidos, na quarta, por Atlético de Madrid e Internazionale, que também abandonaram o grupo dos 12 clubes fundadores.

Milan e Juventus reconheceram a necessidade de reavaliar o projeto, enquanto que o Barcelona disse que a sua permanência depende da aprovação dos sócios.

O "sonho" liderado pelo presidente do Real Madrid juntou 12 dos principais clubes de Inglaterra, Espanha e Itália, tendo em vista a criação de uma competição anual com 20 equipes, na véspera da Uefa revelar um novo formato, com mais times, da Liga dos Campeões da Europa a partir da temporada 2024/2025.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente do Real Madrid diz que Superliga não acabou: 'Triste e decepcionado'


22/04/2021 | 09:07


Em declarações a um programa da rádio espanhola Cadena Ser, na noite de quarta-feira, Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, deixou duras críticas ao esloveno Aleksander Ceferin, mandatário da Uefa, que se manifestou contra a criação da Superliga e ameaçou excluir da entidade todos os clubes que integrassem a recém-criada competição.

"Nunca vi tamanha agressividade como aquela manifestada pelo presidente da Uefa e por alguns presidentes de Ligas, de forma orquestrada. Nos surpreendeu. Depois de anunciarmos a notícia, pedimos uma reunião com o presidente (Ceferin), mas ele nem nos respondeu. Nunca vi tanta agressividade, ameaças e insultos, como se tivéssemos matado o futebol. Trabalhamos, sim, para ajudar a salvar o futebol", afirmou.

Florentino Pérez admitiu que "o projeto da Superliga ficou em stand-by" e que Juventus e Milan "não desistiram" dele, enquanto que o Barcelona "está em reflexão".

"Estamos há muitos anos trabalhando num projeto que não fui capaz de explicar. Estou triste e decepcionado. Era algo fácil de entender, a Liga é intocável e é preciso arrecadar dinheiro nos jogos a meio da semana. O formato da Liga dos Campeões está obsoleto e só tem interesse a partir das quartas de final", comentou o presidente do Real Madrid e da Superliga.

Diante dos protestos de torcedores e de autoridades governamentais e do futebol, Manchester City, Liverpool, Arsenal, Manchester United, Tottenham e Chelsea iniciaram a debandada do projeto da Superliga, na última terça-feira, sendo seguidos, na quarta, por Atlético de Madrid e Internazionale, que também abandonaram o grupo dos 12 clubes fundadores.

Milan e Juventus reconheceram a necessidade de reavaliar o projeto, enquanto que o Barcelona disse que a sua permanência depende da aprovação dos sócios.

O "sonho" liderado pelo presidente do Real Madrid juntou 12 dos principais clubes de Inglaterra, Espanha e Itália, tendo em vista a criação de uma competição anual com 20 equipes, na véspera da Uefa revelar um novo formato, com mais times, da Liga dos Campeões da Europa a partir da temporada 2024/2025.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;