Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 5 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Sem acordo sobre royalties, FUP diz que Petrobras ameaça fechar unidade no PR



20/04/2021 | 18:27


A Federação Única dos Petroleiros (FUP) diz que a Petrobras está ameaçando fechar a Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, no Paraná, assim como fez com a Fábrica de Fertilizantes no Estado (ANSA/Fafen-PR). A companhia, segundo a FUP, pleiteia o perdão de uma dívida de R$ 1 bilhão com a prefeitura de São Mateus do Sul e o governo do Paraná de royalties sobre a exploração de xisto na região. Para a FUP, o argumento da Petrobras é de que a dívida estaria inviabilizando qualquer negociação da SIX, que está na lista de privatizações no setor de refino.

Em nota, a Petrobras diz que segue em negociação com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) para acordo sobre o recolhimento de royalties em relação às operações da SIX. A companhia informa ainda que acredita numa solução que contemple os interesses de todas as partes, mas estuda diferentes alternativas para o ativo, caso sua operação se torne economicamente inviável.

"Cabe destacar que a SIX é a maior contribuinte no município de São Mateus do Sul, respondendo por aproximadamente 45% da arrecadação de ICMS e indiretamente por cerca de 50% do ISS, além dos royalties sobre a produção de óleo e gás de xisto. Desde 2013, a SIX já pagou mais de R$ 63 milhões em royalties (20% para o município de São Mateus do Sul)", diz a Petrobras.

Nesta terça-feira, 20, os trabalhadores da SIX retomaram a greve que foi suspensa no início de março. Eles reivindicam melhorias na segurança operacional. A Petrobras informa que não há impacto na produção. Na terça, a companhia e os petroleiros chegaram a um acordo e a greve na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), também no Paraná, foi encerrada. A paralisação durou cinco dias e foi motivada pelo risco sanitário denunciado pelos empregados, que temiam aumento de contaminação por covid-19 com o início do processo de manutenção da refinaria, iniciado há uma semana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem acordo sobre royalties, FUP diz que Petrobras ameaça fechar unidade no PR


20/04/2021 | 18:27


A Federação Única dos Petroleiros (FUP) diz que a Petrobras está ameaçando fechar a Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, no Paraná, assim como fez com a Fábrica de Fertilizantes no Estado (ANSA/Fafen-PR). A companhia, segundo a FUP, pleiteia o perdão de uma dívida de R$ 1 bilhão com a prefeitura de São Mateus do Sul e o governo do Paraná de royalties sobre a exploração de xisto na região. Para a FUP, o argumento da Petrobras é de que a dívida estaria inviabilizando qualquer negociação da SIX, que está na lista de privatizações no setor de refino.

Em nota, a Petrobras diz que segue em negociação com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) para acordo sobre o recolhimento de royalties em relação às operações da SIX. A companhia informa ainda que acredita numa solução que contemple os interesses de todas as partes, mas estuda diferentes alternativas para o ativo, caso sua operação se torne economicamente inviável.

"Cabe destacar que a SIX é a maior contribuinte no município de São Mateus do Sul, respondendo por aproximadamente 45% da arrecadação de ICMS e indiretamente por cerca de 50% do ISS, além dos royalties sobre a produção de óleo e gás de xisto. Desde 2013, a SIX já pagou mais de R$ 63 milhões em royalties (20% para o município de São Mateus do Sul)", diz a Petrobras.

Nesta terça-feira, 20, os trabalhadores da SIX retomaram a greve que foi suspensa no início de março. Eles reivindicam melhorias na segurança operacional. A Petrobras informa que não há impacto na produção. Na terça, a companhia e os petroleiros chegaram a um acordo e a greve na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), também no Paraná, foi encerrada. A paralisação durou cinco dias e foi motivada pelo risco sanitário denunciado pelos empregados, que temiam aumento de contaminação por covid-19 com o início do processo de manutenção da refinaria, iniciado há uma semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;