Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Reabertura às vésperas do Dia das Mães traz esperança ao comércio

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mesmo assim, vendas não devem ser suficientes para suprir perdas do período em que as lojas ficaram fechadas


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

20/04/2021 | 17:59


Desde domingo (18), os comércios do Estado estão autorizados a reabrir para atendimento ao público. A medida integra a fase de transição do Plano São Paulo, anunciada na última sexta-feira (16) pelo governo estadual. A mudança trouxe esperança ao setor no Grande ABC, já que as vendas para o Dia das Mães, que será em 9 de maio, devem dar fôlego aos comerciantes. Contudo, segundo as associações comerciais, o movimento não deve ser suficiente para suprir as perdas registradas nos quase 40 dias em que as lojas ficaram fechadas.

“A reabertura neste momento foi excelente. Comparando com o ano passado, será melhor, porque (o comércio) ainda estava fechado nesta época, foi uma situação muito inusitada e prejudicial. O comércio vai dar uma alavancada, mas não o suficiente para sustentar o prejuízo que teve até agora com o abre e fecha”, afirma Válter Moura, presidente da Acisbec (Associação Comercial e Industrial de São Bernardo). Ele avalia que as vendas devem crescer de 8% a 10% em relação à data, que é a segunda melhor do ano para o setor, em 2020.

Em sinergia, Pedro Cia Júnior, presidente da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André), lembra que o último Dia das Mães registrou queda de 40% na demanda ante 2019. Sem estimar percentuais, a expectativa é de um “pouco de melhora”. “Quem tem a plataforma digital, trabalha com e-commerce, deve vender ainda mais”, assinala. Ele adiciona que as perfumarias e floriculturas devem se destacar. Por outro lado, os cartões-presente não devem estar entre as principais escolhas, já que requerem que a mãe vá até uma loja física escolher o presente.

Ainda que o movimento no comércio esteja tímido, as associações comerciais acreditam que as pessoas voltarão aos poucos para as ruas, principalmente às vésperas de Dia das Mães, considerada uma data “muito significativa”, aponta Moura. Na avaliação de José Roberto Malheiro, presidente da Ace (Associação Comercial e Empresarial) de Diadema, a partir desta terça-feira (20) e do quinto dia útil de maio, quando os trabalhadores normalmente são pagos, o movimento deve se intensificar. “Com certeza os comerciantes farão promoções para atrair ainda mais clientes”, assinala, sem estimar números de alta na demanda.

SHOPPINGS

Os shoppings da região não estimam projeções para o movimento voltado para o Dia das Mães deste ano. Entretanto, as administrações afirmam que o clima é de otimismo, pois além das vendas por entrega e drive-thru, os clientes podem ir aos centros de compras presencialmente, o que não estava permitido em 2020. Atualmente, todo comércio está autorizado a funcionar com capacidade de 25% dos clientes, das 11h às 19h, adotando medidas preventivas contra a Covid-19.

No Shopping São Bernardo, na cidade de mesmo nome, os clientes podem visitar a vitrine virtual das lojas no site do centro de compras. De 1º de maio a 12 de junho, consumidores podem concorrer ao sorteio de 12 iPhones 11 a cada R$ 250. Toda a ação, incluindo o cadastro das notas fiscais, será on-line, explica Yuri Lomazzi, superintendente do mall.

“Ano passado o shopping operou com delivery e drive-thru, o que impactou nas vendas. Acreditamos que neste ano, com a abertura gradual, vamos ter vamos ter um saldo positivo em nossas vendas”, destaca o Golden Square Shopping, em São Bernardo, em nota, sem projetar percentuais. No local, de 24 de abril a 9 de maio, a cada R$ 250 em compras, o cliente irá ganhar um hidratante da marca Natura, que deve ser retirado presencialmente.

Na mesma cidade, o Shopping Metrópole afirma que “aguarda um fluxo de visitantes dentro do permitido pelos órgãos públicos”. Campanha de Dia das Mães deve iniciar nos próximos dias. 

Em Diadema, o Shopping Praça da Moça também espera melhora em comparação a 2020, já que a expectativa é que os clientes comecem a voltar gradualmente ao empreendimento, afirma  Daniel Lima, gerente de marketing. No centro de compras, a promoção será unificada com o Dia dos Namorados e deve ser anunciada em breve.

Eduardo Valderano, gerente de marketing do Atrium, em Santo André, estima grande "aquecimento de vendas" neste ano. "Esperamos que haja uma boa recuperação do fluxo e vendas pois há uma grande demanda reprimida em função da pandemia", completa.

O Shopping ABC, em Santo André, também espera aumento nas vendas e assinala que não é possível comparar com 2020 porque, na ocasião, o centro de compras estava fechado ao público. De 27 de abril a 16 de maio, a cada R$ 300 os clientes podem trocar por uma lata de bolacha, sabor ganache de chocolate ou doce de leite, da marca Dona do Doce.

Os demais shoppings do Grande ABC não responderam até o fechamento desta reportagem.

Floriculturas da região têm expectativas divergentes

As floriculturas da região dividem opiniões sobre o que esperar do Dia das Mães deste ano, o segundo na pandemia. A data é uma das melhores para o setor, competindo com o Dia de Finados. Ponto em comum é que todos os estabelecimentos ouvidos pelo Diário intensificaram as vendas on-line, seja via site e aplicativo, seja via Whatsapp.

Na Tuca Flores, na Vila Assis Brasil, em Mauá, o proprietário César Sousa está otimista. Ele acredita que as vendas sejam 30% maiores em comparação à mesma data em 2020. Isso porque, desde o início da pandemia, a demanda está em alta de pelo menos 20%. “Sentimos que as pessoas querem demonstrar mais carinho e, graças a Deus para nós, dão flores. Estamos até surpresos porque, neste ano, já temos pedidos feitos pelo site para Dia das Mães, acho que por causa do abre e fecha do comércio, as pessoas já estão se preparando”, analisa.

Fátima Rangel, gerente do ABC Garden, no Rudge Ramos, em São Bernardo, projeta que a procura por flores e outras plantas para presentear as mães deve crescer de 30% a 40%. “Temos bastante empresas e escolas fazendo pedidos porque mesmo fechadas, vão preparar drive-thru para entregar uma lembrancinha”, relata.

Cauteloso, Florismundo da Costa, proprietário da Thalyta Flores, que possui quatro unidades em Diadema, considera que as vendas serão parecidas às do ano passado. “Na loja de rua, o movimento deve ser similar. (Nas lojas instaladas) Nos cemitérios, deve ter um crescimento pequeno de quem já tem a mãe falecida porque já faz um tempo que tem tido visitas aos jazigos, o que não estava tendo no ano passado”, observa.

Por outro lado, Natália Ingrid da Costa, proprietária da Ingrid Flores, na Vila Caiçara, em Ribeirão Pires, afirma estar receosa com as vendas para o Dia das Mães. “Ano passado, me arrisquei. Pensei em pegar menos do que em 2019, mas acabei comprando igual e vendi tudo. Neste ano, estou com medo porque (o movimento) piorou desde janeiro”, conta. No estabelecimento, instalado em frente ao Cemitério São José, a demanda por flores para velórios caiu 70%, enquanto a procura de arranjos para presentear reduziu 40%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reabertura às vésperas do Dia das Mães traz esperança ao comércio

Mesmo assim, vendas não devem ser suficientes para suprir perdas do período em que as lojas ficaram fechadas

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

20/04/2021 | 17:59


Desde domingo (18), os comércios do Estado estão autorizados a reabrir para atendimento ao público. A medida integra a fase de transição do Plano São Paulo, anunciada na última sexta-feira (16) pelo governo estadual. A mudança trouxe esperança ao setor no Grande ABC, já que as vendas para o Dia das Mães, que será em 9 de maio, devem dar fôlego aos comerciantes. Contudo, segundo as associações comerciais, o movimento não deve ser suficiente para suprir as perdas registradas nos quase 40 dias em que as lojas ficaram fechadas.

“A reabertura neste momento foi excelente. Comparando com o ano passado, será melhor, porque (o comércio) ainda estava fechado nesta época, foi uma situação muito inusitada e prejudicial. O comércio vai dar uma alavancada, mas não o suficiente para sustentar o prejuízo que teve até agora com o abre e fecha”, afirma Válter Moura, presidente da Acisbec (Associação Comercial e Industrial de São Bernardo). Ele avalia que as vendas devem crescer de 8% a 10% em relação à data, que é a segunda melhor do ano para o setor, em 2020.

Em sinergia, Pedro Cia Júnior, presidente da Acisa (Associação Comercial e Industrial de Santo André), lembra que o último Dia das Mães registrou queda de 40% na demanda ante 2019. Sem estimar percentuais, a expectativa é de um “pouco de melhora”. “Quem tem a plataforma digital, trabalha com e-commerce, deve vender ainda mais”, assinala. Ele adiciona que as perfumarias e floriculturas devem se destacar. Por outro lado, os cartões-presente não devem estar entre as principais escolhas, já que requerem que a mãe vá até uma loja física escolher o presente.

Ainda que o movimento no comércio esteja tímido, as associações comerciais acreditam que as pessoas voltarão aos poucos para as ruas, principalmente às vésperas de Dia das Mães, considerada uma data “muito significativa”, aponta Moura. Na avaliação de José Roberto Malheiro, presidente da Ace (Associação Comercial e Empresarial) de Diadema, a partir desta terça-feira (20) e do quinto dia útil de maio, quando os trabalhadores normalmente são pagos, o movimento deve se intensificar. “Com certeza os comerciantes farão promoções para atrair ainda mais clientes”, assinala, sem estimar números de alta na demanda.

SHOPPINGS

Os shoppings da região não estimam projeções para o movimento voltado para o Dia das Mães deste ano. Entretanto, as administrações afirmam que o clima é de otimismo, pois além das vendas por entrega e drive-thru, os clientes podem ir aos centros de compras presencialmente, o que não estava permitido em 2020. Atualmente, todo comércio está autorizado a funcionar com capacidade de 25% dos clientes, das 11h às 19h, adotando medidas preventivas contra a Covid-19.

No Shopping São Bernardo, na cidade de mesmo nome, os clientes podem visitar a vitrine virtual das lojas no site do centro de compras. De 1º de maio a 12 de junho, consumidores podem concorrer ao sorteio de 12 iPhones 11 a cada R$ 250. Toda a ação, incluindo o cadastro das notas fiscais, será on-line, explica Yuri Lomazzi, superintendente do mall.

“Ano passado o shopping operou com delivery e drive-thru, o que impactou nas vendas. Acreditamos que neste ano, com a abertura gradual, vamos ter vamos ter um saldo positivo em nossas vendas”, destaca o Golden Square Shopping, em São Bernardo, em nota, sem projetar percentuais. No local, de 24 de abril a 9 de maio, a cada R$ 250 em compras, o cliente irá ganhar um hidratante da marca Natura, que deve ser retirado presencialmente.

Na mesma cidade, o Shopping Metrópole afirma que “aguarda um fluxo de visitantes dentro do permitido pelos órgãos públicos”. Campanha de Dia das Mães deve iniciar nos próximos dias. 

Em Diadema, o Shopping Praça da Moça também espera melhora em comparação a 2020, já que a expectativa é que os clientes comecem a voltar gradualmente ao empreendimento, afirma  Daniel Lima, gerente de marketing. No centro de compras, a promoção será unificada com o Dia dos Namorados e deve ser anunciada em breve.

Eduardo Valderano, gerente de marketing do Atrium, em Santo André, estima grande "aquecimento de vendas" neste ano. "Esperamos que haja uma boa recuperação do fluxo e vendas pois há uma grande demanda reprimida em função da pandemia", completa.

O Shopping ABC, em Santo André, também espera aumento nas vendas e assinala que não é possível comparar com 2020 porque, na ocasião, o centro de compras estava fechado ao público. De 27 de abril a 16 de maio, a cada R$ 300 os clientes podem trocar por uma lata de bolacha, sabor ganache de chocolate ou doce de leite, da marca Dona do Doce.

Os demais shoppings do Grande ABC não responderam até o fechamento desta reportagem.

Floriculturas da região têm expectativas divergentes

As floriculturas da região dividem opiniões sobre o que esperar do Dia das Mães deste ano, o segundo na pandemia. A data é uma das melhores para o setor, competindo com o Dia de Finados. Ponto em comum é que todos os estabelecimentos ouvidos pelo Diário intensificaram as vendas on-line, seja via site e aplicativo, seja via Whatsapp.

Na Tuca Flores, na Vila Assis Brasil, em Mauá, o proprietário César Sousa está otimista. Ele acredita que as vendas sejam 30% maiores em comparação à mesma data em 2020. Isso porque, desde o início da pandemia, a demanda está em alta de pelo menos 20%. “Sentimos que as pessoas querem demonstrar mais carinho e, graças a Deus para nós, dão flores. Estamos até surpresos porque, neste ano, já temos pedidos feitos pelo site para Dia das Mães, acho que por causa do abre e fecha do comércio, as pessoas já estão se preparando”, analisa.

Fátima Rangel, gerente do ABC Garden, no Rudge Ramos, em São Bernardo, projeta que a procura por flores e outras plantas para presentear as mães deve crescer de 30% a 40%. “Temos bastante empresas e escolas fazendo pedidos porque mesmo fechadas, vão preparar drive-thru para entregar uma lembrancinha”, relata.

Cauteloso, Florismundo da Costa, proprietário da Thalyta Flores, que possui quatro unidades em Diadema, considera que as vendas serão parecidas às do ano passado. “Na loja de rua, o movimento deve ser similar. (Nas lojas instaladas) Nos cemitérios, deve ter um crescimento pequeno de quem já tem a mãe falecida porque já faz um tempo que tem tido visitas aos jazigos, o que não estava tendo no ano passado”, observa.

Por outro lado, Natália Ingrid da Costa, proprietária da Ingrid Flores, na Vila Caiçara, em Ribeirão Pires, afirma estar receosa com as vendas para o Dia das Mães. “Ano passado, me arrisquei. Pensei em pegar menos do que em 2019, mas acabei comprando igual e vendi tudo. Neste ano, estou com medo porque (o movimento) piorou desde janeiro”, conta. No estabelecimento, instalado em frente ao Cemitério São José, a demanda por flores para velórios caiu 70%, enquanto a procura de arranjos para presentear reduziu 40%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;