Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Riscos fiscal e político e crise sanitária impedem dólar de ficar abaixo de R$ 5



19/04/2021 | 13:01


A combinação perversa de três riscos - fiscal, político e da condução da crise sanitária da pandemia da covid-19 - está por trás do patamar elevado do dólar no Brasil, que não cede apesar da maré favorável para o fortalecimento do real frente à moeda norte-americana.

Na virada do ano, a expectativa de muitos craques do mercado era de que a perspectiva do início do ciclo de alta de juros pelo Banco Central (BC) e o boom de alta de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério de ferro) contribuiria para a valorização da moeda brasileira. Mas esse movimento não aconteceu.

Economistas ouvidos pelo Estadão apontam que o dólar poderia estar abaixo de R$ 5 se não fosse o "caldo" de incertezas que ronda a economia brasileira em 2021. Na sexta-feira, a moeda americana fechou em torno de R$ 5,60.

Tem algo diferente no Brasil: sobram dólares e nem assim o valor da moeda americana cai. Isso é novo. O temor desses riscos também deve estar por trás da decisão dos exportadores brasileiros em deixar parte dos dólares obtidos com a venda dos seus produtos fora do País. Estratégia que é legal, mas que tem sido acompanhada com atenção pelos especialistas para entender o seu impacto no comportamento da taxa de câmbio no Brasil.

Estima-se no mercado que os exportadores têm pelo menos US$ 40 bilhões de receitas de exportação que não foram trazidas para o Brasil. Se esse dinheiro tivesse entrado no País, o dólar deveria estar mais baixo. O saldo comercial é grande, mas o saldo de compra e venda de câmbio no mercado é menor.

"Tem muita gente encucada com isso. Eu acho que está associado à incerteza. Melhor deixar lá fora do que trazer para aqui", avalia o economista e consultor José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. "O fiscal dá uma incerteza gigante", diz.

Ruído político

Com décadas de experiência em comércio exterior e setor agrícola, Mendonça de Barros diz que é a primeira vez no Brasil que o real não se valoriza num cenário de commodities fortes, de alta do saldo da balança comercial e perspectiva de superávit nas contas externas. Um movimento de valorização do real teria que ter reduzido em pelo menos R$ 0,20 o dólar, colocando a cotação abaixo de R$ 5,50, segundo ele.

O que pesa no clima geral de incertezas não é somente o ruído fiscal, que piorou com o impasse político após a aprovação do Orçamento de 2021 maquiado para acomodar mais emendas parlamentares, mas também a forma como o governo Jair Bolsonaro tem lidado com a pandemia e a vacinação.

Nitidamente a economia brasileira está enfraquecendo, após a perspectiva de recuperação mais forte em 2021, com a má condução do Brasil no enfrentamento do agravamento da doença. O que muitos se perguntam agora é: quando é que vai melhorar a covid-19? Qual é o fluxo de vacinas? Para onde vai a vacinação?

Também houve uma elevação do ruído político porque o governo ficou mais enfraquecido e terá de enfrentar a CPI da covid no Senado e ameaças de o presidente Bolsonaro perder apoio da coalizão do Centrão, a depender do desfecho da crise do Orçamento, como mostrou o Estadão.

Dois fatores podem dar algum alívio ao câmbio : o aumento da vacinação para um patamar de 1,5 milhão de pessoas por dia e a recuperação econômica no segundo semestre. Mesmo assim, não se espera um recuo do dólar muito maior. A última pesquisa Focus do Banco Central, com uma centena de economistas de instituições financeiras, mostrava o câmbio fechando 2021 em R$ 5,37.

Para o ex-presidente do BC, Gustavo Loyola, é o pessimismo maior em relação ao Brasil que não tem permitido que o real se aprecie, apesar da cotação estar mais calma nos últimos dias. "Mas é tudo volátil, de acordo com as notícias, porque existe toda essa dúvida agora em relação à sanção do Orçamento e sobre a própria articulação política do governo", avalia. Ele destaca o efeito do câmbio na inflação, que pressiona os juros.

Loyola diz que o Brasil hoje é um País visto sob o prisma negativo e que "ninguém quer apostar no momento". Para o ex-presidente do BC, há um sério risco desse quadro de incerteza emendar em 2022, ano de eleições. "Se formos para um cenário mais tranquilo do ponto de vista fiscal, o real poderia ficar em torno de R$ 5,50 ou um pouco menos até. Com a incerteza política, não faço essa aposta".

O economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, diz que os economistas estão tendo dificuldade em medir o impacto do risco do comportamento das contas públicas, porque tradicionalmente ele deveria estar aparecendo no risco soberano País.

"Talvez a única variável que consiga explicar esse descolamento (do câmbio) seja a questão fiscal", diz Padovani. Para ele, o Brasil deveria ter uma moeda abaixo de R$ 5: "O fator é que nos últimos nove meses a moeda brasileira oscila em R$ 5,40. A explicação mais possível é que o risco fiscal cresceu muito e está dentro dessa conta."

Ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy tem avaliação mais otimista. Para ele, o BC tem indicado que há vários fatores sobre o câmbio que estavam presentes no ano passado e que são se vê mais, como o overhedge dos bancos (proteção extra dos ativos em moeda estrangeira dos bancos), pagamento de dívidas pelas empresas e a saída de investidores estrangeiros do País.

Para ele, as exportações que foram bem em 2021 serão muito melhores este ano.

Câmbio 'justo'

Não tem nem 10 dias que o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a taxa de câmbio de equilíbrio no Brasil deveria estar em torno de R$ 4,50. A fala foi feita na esteira da pressão política sobre o governo para aumentar a vacinação. Guedes disse que o dólar vai cair, nos próximos três ou quatro meses, com a aceleração da vacinação em massa e retomada da economia. Um ano antes, logo após confirmação do novo coronavírus no Brasil, uma outra declaração do ministro ficou marcada: disse que a cotação do dólar poderia ir a R$ 5 caso fosse feita "muita besteira".

O Estadão ouviu o economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas, Livio Ribeiro, especialista em fazer uma série de exercícios de modelos econômicos para entender o comportamento do real frente ao dólar. Num desses modelos, que leva em conta uma avaliação dos fundamentos de longo prazo, o câmbio "justo" para o final do ano passado era de R$ 4,60, próximo ao citado por Guedes.

Para Ribeiro, a taxa de câmbio no Brasil está desalinhada também por razões que ele classifica de "idiossincráticas". Ou seja, características ao Brasil que vão além do risco fiscal e os problemas recentes com o Orçamento de 2021. "Podemos elencar um rosário delas, que são questões que sugerem o mau humor com o País", diz. Na lista, o economista aponta desde a gestão da pandemia, a questão ambiental e até mesmo o recente intervencionismo nas empresas estatais de capital misto, como a Petrobrás e o Banco do Brasil.

Esse desalinhamento da cotação do real frente ao real também pode ser observado em comparação do real a outras 14 moedas de países emergentes, África do Sul, Turquia, Hungria, Polônia, Chile, México e Argentina. "O Brasil está muito mais perto da classe de países emergentes. Está sempre na pior turma", afirmou.

Um recente relatório do BTG chamou atenção por causa das suas projeções de câmbio. O banco elevou a cotação do câmbio de R$ 5,00 para R$ 5,60 em 2022 por causa da deterioração substancial do cenário doméstico. Já a taxa de câmbio no fim de 2021 subiu de R$ 5,20 para R$ 5,40. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Riscos fiscal e político e crise sanitária impedem dólar de ficar abaixo de R$ 5


19/04/2021 | 13:01


A combinação perversa de três riscos - fiscal, político e da condução da crise sanitária da pandemia da covid-19 - está por trás do patamar elevado do dólar no Brasil, que não cede apesar da maré favorável para o fortalecimento do real frente à moeda norte-americana.

Na virada do ano, a expectativa de muitos craques do mercado era de que a perspectiva do início do ciclo de alta de juros pelo Banco Central (BC) e o boom de alta de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério de ferro) contribuiria para a valorização da moeda brasileira. Mas esse movimento não aconteceu.

Economistas ouvidos pelo Estadão apontam que o dólar poderia estar abaixo de R$ 5 se não fosse o "caldo" de incertezas que ronda a economia brasileira em 2021. Na sexta-feira, a moeda americana fechou em torno de R$ 5,60.

Tem algo diferente no Brasil: sobram dólares e nem assim o valor da moeda americana cai. Isso é novo. O temor desses riscos também deve estar por trás da decisão dos exportadores brasileiros em deixar parte dos dólares obtidos com a venda dos seus produtos fora do País. Estratégia que é legal, mas que tem sido acompanhada com atenção pelos especialistas para entender o seu impacto no comportamento da taxa de câmbio no Brasil.

Estima-se no mercado que os exportadores têm pelo menos US$ 40 bilhões de receitas de exportação que não foram trazidas para o Brasil. Se esse dinheiro tivesse entrado no País, o dólar deveria estar mais baixo. O saldo comercial é grande, mas o saldo de compra e venda de câmbio no mercado é menor.

"Tem muita gente encucada com isso. Eu acho que está associado à incerteza. Melhor deixar lá fora do que trazer para aqui", avalia o economista e consultor José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. "O fiscal dá uma incerteza gigante", diz.

Ruído político

Com décadas de experiência em comércio exterior e setor agrícola, Mendonça de Barros diz que é a primeira vez no Brasil que o real não se valoriza num cenário de commodities fortes, de alta do saldo da balança comercial e perspectiva de superávit nas contas externas. Um movimento de valorização do real teria que ter reduzido em pelo menos R$ 0,20 o dólar, colocando a cotação abaixo de R$ 5,50, segundo ele.

O que pesa no clima geral de incertezas não é somente o ruído fiscal, que piorou com o impasse político após a aprovação do Orçamento de 2021 maquiado para acomodar mais emendas parlamentares, mas também a forma como o governo Jair Bolsonaro tem lidado com a pandemia e a vacinação.

Nitidamente a economia brasileira está enfraquecendo, após a perspectiva de recuperação mais forte em 2021, com a má condução do Brasil no enfrentamento do agravamento da doença. O que muitos se perguntam agora é: quando é que vai melhorar a covid-19? Qual é o fluxo de vacinas? Para onde vai a vacinação?

Também houve uma elevação do ruído político porque o governo ficou mais enfraquecido e terá de enfrentar a CPI da covid no Senado e ameaças de o presidente Bolsonaro perder apoio da coalizão do Centrão, a depender do desfecho da crise do Orçamento, como mostrou o Estadão.

Dois fatores podem dar algum alívio ao câmbio : o aumento da vacinação para um patamar de 1,5 milhão de pessoas por dia e a recuperação econômica no segundo semestre. Mesmo assim, não se espera um recuo do dólar muito maior. A última pesquisa Focus do Banco Central, com uma centena de economistas de instituições financeiras, mostrava o câmbio fechando 2021 em R$ 5,37.

Para o ex-presidente do BC, Gustavo Loyola, é o pessimismo maior em relação ao Brasil que não tem permitido que o real se aprecie, apesar da cotação estar mais calma nos últimos dias. "Mas é tudo volátil, de acordo com as notícias, porque existe toda essa dúvida agora em relação à sanção do Orçamento e sobre a própria articulação política do governo", avalia. Ele destaca o efeito do câmbio na inflação, que pressiona os juros.

Loyola diz que o Brasil hoje é um País visto sob o prisma negativo e que "ninguém quer apostar no momento". Para o ex-presidente do BC, há um sério risco desse quadro de incerteza emendar em 2022, ano de eleições. "Se formos para um cenário mais tranquilo do ponto de vista fiscal, o real poderia ficar em torno de R$ 5,50 ou um pouco menos até. Com a incerteza política, não faço essa aposta".

O economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, diz que os economistas estão tendo dificuldade em medir o impacto do risco do comportamento das contas públicas, porque tradicionalmente ele deveria estar aparecendo no risco soberano País.

"Talvez a única variável que consiga explicar esse descolamento (do câmbio) seja a questão fiscal", diz Padovani. Para ele, o Brasil deveria ter uma moeda abaixo de R$ 5: "O fator é que nos últimos nove meses a moeda brasileira oscila em R$ 5,40. A explicação mais possível é que o risco fiscal cresceu muito e está dentro dessa conta."

Ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy tem avaliação mais otimista. Para ele, o BC tem indicado que há vários fatores sobre o câmbio que estavam presentes no ano passado e que são se vê mais, como o overhedge dos bancos (proteção extra dos ativos em moeda estrangeira dos bancos), pagamento de dívidas pelas empresas e a saída de investidores estrangeiros do País.

Para ele, as exportações que foram bem em 2021 serão muito melhores este ano.

Câmbio 'justo'

Não tem nem 10 dias que o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a taxa de câmbio de equilíbrio no Brasil deveria estar em torno de R$ 4,50. A fala foi feita na esteira da pressão política sobre o governo para aumentar a vacinação. Guedes disse que o dólar vai cair, nos próximos três ou quatro meses, com a aceleração da vacinação em massa e retomada da economia. Um ano antes, logo após confirmação do novo coronavírus no Brasil, uma outra declaração do ministro ficou marcada: disse que a cotação do dólar poderia ir a R$ 5 caso fosse feita "muita besteira".

O Estadão ouviu o economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas, Livio Ribeiro, especialista em fazer uma série de exercícios de modelos econômicos para entender o comportamento do real frente ao dólar. Num desses modelos, que leva em conta uma avaliação dos fundamentos de longo prazo, o câmbio "justo" para o final do ano passado era de R$ 4,60, próximo ao citado por Guedes.

Para Ribeiro, a taxa de câmbio no Brasil está desalinhada também por razões que ele classifica de "idiossincráticas". Ou seja, características ao Brasil que vão além do risco fiscal e os problemas recentes com o Orçamento de 2021. "Podemos elencar um rosário delas, que são questões que sugerem o mau humor com o País", diz. Na lista, o economista aponta desde a gestão da pandemia, a questão ambiental e até mesmo o recente intervencionismo nas empresas estatais de capital misto, como a Petrobrás e o Banco do Brasil.

Esse desalinhamento da cotação do real frente ao real também pode ser observado em comparação do real a outras 14 moedas de países emergentes, África do Sul, Turquia, Hungria, Polônia, Chile, México e Argentina. "O Brasil está muito mais perto da classe de países emergentes. Está sempre na pior turma", afirmou.

Um recente relatório do BTG chamou atenção por causa das suas projeções de câmbio. O banco elevou a cotação do câmbio de R$ 5,00 para R$ 5,60 em 2022 por causa da deterioração substancial do cenário doméstico. Já a taxa de câmbio no fim de 2021 subiu de R$ 5,20 para R$ 5,40. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;