Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Torcedor recorre de decisão de juíza que extinguiu ação para anular jogo do Vasco



19/04/2021 | 11:18


Um torcedor do Vasco resolveu buscar a Justiça comum para evitar o rebaixamento da equipe carioca no Brasileirão 2020, encerrado em fevereiro, e quer fazer o que for possível para isso. O contador Luciano Reis da Silva está movendo uma ação popular para que a CBF anule o jogo contra o Internacional, em que houve falha técnica no sistema do VAR, o que poderia alterar o resultado final da competição.

Naquela partida, disputada em 14 de fevereiro, o Vasco foi derrotado por 2 a 0. O lance mais importante aconteceu no primeiro tempo, quando Rodrigo Dourado abriu o placar em lance polêmico de impedimento. O gol foi validado pelo árbitro. Horas depois, a CBF explicou que o sistema do VAR falhou. Mesmo assim, a entidade garantiu que houve checagem da jogada.

A ação foi distribuída e está na 38.ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro sob os cuidados da juíza Flavia Justus. Na noite de sexta-feira, a magistrada extinguiu a ação, sem julgamento do mérito, por não ter "havido o prévio esgotamento das instâncias da Justiça Desportiva". A advogada Ana Carolina Gandra, do escritório Ferracciu & Gandra Advogados, que ajuizou esta ação popular, prometeu recorrer e fez isso nesta segunda-feira.

"Pretendemos recorrer desta decisão porque entendemos que ela levou em consideração algumas premissas equivocadas. Ainda estamos estudando a melhor estratégia em termos de recursos para esclarecer esta questão", disse a advogada, em entrevista ao Estadão, na sexta-feira.

O Vasco já havia acionado o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta da falha técnica do VAR naquele jogo. Mas, como o clube não obteve sucesso na esfera esportiva, o torcedor Luciano Reis da Silva decidiu procurar a Justiça comum.

A advogada reconheceu que se trata de um caso incomum na esfera judicial. "O Luciano é um cliente do nosso escritório e também é um torcedor ávido, digamos assim. Nos conhecemos há muito tempo. E ele comentou conosco sobre sua indignação com este jogo, este lance do VAR. E nos questionou se ele, como torcedor, poderia tomar alguma medida judicial. E a ação popular é cabível, por qualquer cidadão, em face de ato que atente contra o patrimônio histórico e cultural. E o Vasco está inserido neste contexto, como todos os times de futebol, principalmente os maiores".

Se o jogo fosse disputado novamente, o Vasco escaparia do rebaixamento em caso de empate ou vitória. Isso porque o time de São Januário terminou o campeonato no 17.º lugar, o primeiro dentro da zona de descenso, com os mesmos 41 pontos do Fortaleza, 16.º colocado. A equipe cearense escapou da Série B por ter maior saldo de gols.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Torcedor recorre de decisão de juíza que extinguiu ação para anular jogo do Vasco


19/04/2021 | 11:18


Um torcedor do Vasco resolveu buscar a Justiça comum para evitar o rebaixamento da equipe carioca no Brasileirão 2020, encerrado em fevereiro, e quer fazer o que for possível para isso. O contador Luciano Reis da Silva está movendo uma ação popular para que a CBF anule o jogo contra o Internacional, em que houve falha técnica no sistema do VAR, o que poderia alterar o resultado final da competição.

Naquela partida, disputada em 14 de fevereiro, o Vasco foi derrotado por 2 a 0. O lance mais importante aconteceu no primeiro tempo, quando Rodrigo Dourado abriu o placar em lance polêmico de impedimento. O gol foi validado pelo árbitro. Horas depois, a CBF explicou que o sistema do VAR falhou. Mesmo assim, a entidade garantiu que houve checagem da jogada.

A ação foi distribuída e está na 38.ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro sob os cuidados da juíza Flavia Justus. Na noite de sexta-feira, a magistrada extinguiu a ação, sem julgamento do mérito, por não ter "havido o prévio esgotamento das instâncias da Justiça Desportiva". A advogada Ana Carolina Gandra, do escritório Ferracciu & Gandra Advogados, que ajuizou esta ação popular, prometeu recorrer e fez isso nesta segunda-feira.

"Pretendemos recorrer desta decisão porque entendemos que ela levou em consideração algumas premissas equivocadas. Ainda estamos estudando a melhor estratégia em termos de recursos para esclarecer esta questão", disse a advogada, em entrevista ao Estadão, na sexta-feira.

O Vasco já havia acionado o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta da falha técnica do VAR naquele jogo. Mas, como o clube não obteve sucesso na esfera esportiva, o torcedor Luciano Reis da Silva decidiu procurar a Justiça comum.

A advogada reconheceu que se trata de um caso incomum na esfera judicial. "O Luciano é um cliente do nosso escritório e também é um torcedor ávido, digamos assim. Nos conhecemos há muito tempo. E ele comentou conosco sobre sua indignação com este jogo, este lance do VAR. E nos questionou se ele, como torcedor, poderia tomar alguma medida judicial. E a ação popular é cabível, por qualquer cidadão, em face de ato que atente contra o patrimônio histórico e cultural. E o Vasco está inserido neste contexto, como todos os times de futebol, principalmente os maiores".

Se o jogo fosse disputado novamente, o Vasco escaparia do rebaixamento em caso de empate ou vitória. Isso porque o time de São Januário terminou o campeonato no 17.º lugar, o primeiro dentro da zona de descenso, com os mesmos 41 pontos do Fortaleza, 16.º colocado. A equipe cearense escapou da Série B por ter maior saldo de gols.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;