Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Falta de recursos paralisa ações de proteção ambiental



17/04/2021 | 13:40


A escassez de recursos destinados pelo governo de Jair Bolsonaro a órgãos federais de proteção ao meio ambiente ameaça alguns dos principais ícones históricos e de beleza natural do Brasil. Neste mês de abril, deveriam estar em andamento, em todas as florestas protegidas do País, as práticas preventivas para evitar incêndios de grande proporção. Trata-se dos "aceiros", medida em que o agente ambiental usa o fogo de forma controlada para impedir que ele avance sobre a floresta. O Estadão apurou, no entanto, que a falta de verbas tem comprometido a execução dessa tarefa básica de proteção.

Há dezenas de unidades de conservação onde essas ações estão atrasadas. É o caso do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, entre Minas Gerais e Bahia. O Parque da Chapada dos Guimarães, no Pantanal mato-grossense, também está com o calendário em atraso. A falta de ações preventivas é preocupante ainda nos Campos Amazônicos (AM), onde ocorrem queimadas recordes, e no Parque da Serra da Canastra, onde estão as nascentes do Rio São Francisco, no sudoeste de Minas.

A execução dos aceiros depende de recursos para contratar equipes de brigadistas que, muitas vezes, incluem apoio de terceirizados. É preciso dinheiro para bancar a conta de carros, combustível, equipamentos, diárias e alimentação, entre outros itens. Nos Campos Amazônicos, o ICMBio chega a contratar o serviço temporário de indígenas nas medidas preventivas e de controle de chamas.

A reportagem questionou o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) várias vezes sobre esses atrasos. O órgão declarou apenas que "não haverá interrupção". O Estadão também procurou, sem sucesso, o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. Conforme informou anteontem o jornal, o ICMBio está sem recursos para pagar contas básicas e ameaça fazer uma paralisação generalizada. O alerta foi feito pela própria diretoria, em ofício ao presidente do instituto, Fernando Cesar Lorencini.

Segundo o documento, a partir de maio será preciso fechar as brigadas de incêndio, "o que poderá acarretar em elevado dano ao meio ambiente". Paralelamente ao esvaziamento do órgão, Ricardo Salles tem apoiado a execução de seu programa "Adote um Parque", que prevê repasses da iniciativa privada para ações de apoio às unidades. O governo também trabalha para dar um fim ao ICMBio como autarquia independente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Falta de recursos paralisa ações de proteção ambiental


17/04/2021 | 13:40


A escassez de recursos destinados pelo governo de Jair Bolsonaro a órgãos federais de proteção ao meio ambiente ameaça alguns dos principais ícones históricos e de beleza natural do Brasil. Neste mês de abril, deveriam estar em andamento, em todas as florestas protegidas do País, as práticas preventivas para evitar incêndios de grande proporção. Trata-se dos "aceiros", medida em que o agente ambiental usa o fogo de forma controlada para impedir que ele avance sobre a floresta. O Estadão apurou, no entanto, que a falta de verbas tem comprometido a execução dessa tarefa básica de proteção.

Há dezenas de unidades de conservação onde essas ações estão atrasadas. É o caso do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, entre Minas Gerais e Bahia. O Parque da Chapada dos Guimarães, no Pantanal mato-grossense, também está com o calendário em atraso. A falta de ações preventivas é preocupante ainda nos Campos Amazônicos (AM), onde ocorrem queimadas recordes, e no Parque da Serra da Canastra, onde estão as nascentes do Rio São Francisco, no sudoeste de Minas.

A execução dos aceiros depende de recursos para contratar equipes de brigadistas que, muitas vezes, incluem apoio de terceirizados. É preciso dinheiro para bancar a conta de carros, combustível, equipamentos, diárias e alimentação, entre outros itens. Nos Campos Amazônicos, o ICMBio chega a contratar o serviço temporário de indígenas nas medidas preventivas e de controle de chamas.

A reportagem questionou o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) várias vezes sobre esses atrasos. O órgão declarou apenas que "não haverá interrupção". O Estadão também procurou, sem sucesso, o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. Conforme informou anteontem o jornal, o ICMBio está sem recursos para pagar contas básicas e ameaça fazer uma paralisação generalizada. O alerta foi feito pela própria diretoria, em ofício ao presidente do instituto, Fernando Cesar Lorencini.

Segundo o documento, a partir de maio será preciso fechar as brigadas de incêndio, "o que poderá acarretar em elevado dano ao meio ambiente". Paralelamente ao esvaziamento do órgão, Ricardo Salles tem apoiado a execução de seu programa "Adote um Parque", que prevê repasses da iniciativa privada para ações de apoio às unidades. O governo também trabalha para dar um fim ao ICMBio como autarquia independente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;