Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Apple Music remunera mais do que Spotify

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/04/2021 | 08:38


O Apple Music, serviço de streaming da fabricante de iPhones, publicou nesta sexta, 16, uma carta aberta a artistas e gravadoras da plataforma em esforço para se mostrar "amigável" ao mercado. A empresa reporta que paga cerca de US$ 0,01 para cada execução na plataforma.

O valor é o dobro do liberado pela maior plataforma do mercado, o Spotify. Em comunicado no mês passado, a plataforma suíça afirmou que desembolsa entre um terço e metade de um centavo de dólar para cada execução.

Como determina o padrão na indústria fonográfica, esse dinheiro não vai necessariamente para os artistas, e sim para os detentores dos direitos autorais, que também podem ser os empresários e as gravadoras.

"Nós acreditamos em pagar a todo criador a mesma taxa, que cada play tem valor e que todos os criadores nunca deveriam pagar para aparecer" no serviço, escreveu a Apple na carta.

O Apple Music é um serviço de streaming de música exclusivo para assinantes. Não há opção gratuita nem anúncios publicitários, ao contrário do Spotify, que tem as opções de planos gratuito e premium.

Em 2019, a Apple reportou que possuía mais de 60 milhões de assinantes na plataforma de música. Já o Spotify possui 155 milhões de assinantes pagos e, no total, 345 milhões de usuários. Embora a Apple pague mais por execução, o Spotify gera mais receita para a indústria, já que tem maior base de usuários, segundo o Wall Street Journal.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apple Music remunera mais do que Spotify


17/04/2021 | 08:38


O Apple Music, serviço de streaming da fabricante de iPhones, publicou nesta sexta, 16, uma carta aberta a artistas e gravadoras da plataforma em esforço para se mostrar "amigável" ao mercado. A empresa reporta que paga cerca de US$ 0,01 para cada execução na plataforma.

O valor é o dobro do liberado pela maior plataforma do mercado, o Spotify. Em comunicado no mês passado, a plataforma suíça afirmou que desembolsa entre um terço e metade de um centavo de dólar para cada execução.

Como determina o padrão na indústria fonográfica, esse dinheiro não vai necessariamente para os artistas, e sim para os detentores dos direitos autorais, que também podem ser os empresários e as gravadoras.

"Nós acreditamos em pagar a todo criador a mesma taxa, que cada play tem valor e que todos os criadores nunca deveriam pagar para aparecer" no serviço, escreveu a Apple na carta.

O Apple Music é um serviço de streaming de música exclusivo para assinantes. Não há opção gratuita nem anúncios publicitários, ao contrário do Spotify, que tem as opções de planos gratuito e premium.

Em 2019, a Apple reportou que possuía mais de 60 milhões de assinantes na plataforma de música. Já o Spotify possui 155 milhões de assinantes pagos e, no total, 345 milhões de usuários. Embora a Apple pague mais por execução, o Spotify gera mais receita para a indústria, já que tem maior base de usuários, segundo o Wall Street Journal.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;