Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Internautas querem emojis mais inclusivos, aponta pesquisa da Adobe

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Bianca Bellucci
Do 33Giga

16/04/2021 | 14:18


A Adobe divulgou nesta quinta-feira (15) o estudo Global Emoji Diversity & Inclusion. A pesquisa consultou 7 mil internautas de sete países (Alemanha, Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido) para descobrir como as pessoas usam as figurinhas para se expressar, o impacto que elas têm na sociedade quando os usuários se sentem representados, e a lacuna que ainda existe quando o assunto é emojis mais inclusivos.

Leia mais:
Como eram os emojis para celulares 13 anos atrás?
Veja como os emojis mudam nas plataformas Apple, Google, Microsoft e Samsung

Apesar de existir mais de 1.300 figurinhas e uma preocupação com a diversidade a cada lançamento de pacote feito pelo Unicode (responsável por unificar os códigos de computadores), a pesquisa constatou que 83% dos internautas acreditam que deveriam existir emojis mais inclusivos. Dentre as queixas dos usuários estão a falta de mais etnias, faixas etárias, estilos de cabelos, biotipos e cores de olhos.

Vale destacar também que pessoas com deficiência não se sentem representadas pelo catálogo atual de figurinhas. Apesar de recentemente terem sido incluídos desenhos de cadeiras de rodas, muletas e aparelhos auditivos, 37% dos usuários sentem que ainda há pouca diversidade.

Além de entender o relacionamento dos usuários com as figurinhas, o estudo da Adobe descobriu que os internautas acreditam que os emojis mais inclusivos podem gerar discussões positivas online e offline. Para 70% dos entrevistados, a diversidade nos desenhos pode estimular conversas sobre questões culturais e sociais.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Internautas querem emojis mais inclusivos, aponta pesquisa da Adobe

Bianca Bellucci
Do 33Giga

16/04/2021 | 14:18


A Adobe divulgou nesta quinta-feira (15) o estudo Global Emoji Diversity & Inclusion. A pesquisa consultou 7 mil internautas de sete países (Alemanha, Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido) para descobrir como as pessoas usam as figurinhas para se expressar, o impacto que elas têm na sociedade quando os usuários se sentem representados, e a lacuna que ainda existe quando o assunto é emojis mais inclusivos.

Leia mais:
Como eram os emojis para celulares 13 anos atrás?
Veja como os emojis mudam nas plataformas Apple, Google, Microsoft e Samsung

Apesar de existir mais de 1.300 figurinhas e uma preocupação com a diversidade a cada lançamento de pacote feito pelo Unicode (responsável por unificar os códigos de computadores), a pesquisa constatou que 83% dos internautas acreditam que deveriam existir emojis mais inclusivos. Dentre as queixas dos usuários estão a falta de mais etnias, faixas etárias, estilos de cabelos, biotipos e cores de olhos.

Vale destacar também que pessoas com deficiência não se sentem representadas pelo catálogo atual de figurinhas. Apesar de recentemente terem sido incluídos desenhos de cadeiras de rodas, muletas e aparelhos auditivos, 37% dos usuários sentem que ainda há pouca diversidade.

Além de entender o relacionamento dos usuários com as figurinhas, o estudo da Adobe descobriu que os internautas acreditam que os emojis mais inclusivos podem gerar discussões positivas online e offline. Para 70% dos entrevistados, a diversidade nos desenhos pode estimular conversas sobre questões culturais e sociais.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;