Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Como implementar um delivery?

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

15/04/2021 | 13:48


Com o isolamento social provocado pela pandemia de covid-19, a estratégia de migrar para os aplicativos de entrega ou criar um próprio auxiliou empreendedores no Brasil e no mundo. Porém, implementar um delivery não é tarefa fácil. Existem uma série de desafios comuns que as pessoas enfrentam ao migrar seus negócios para o ambiente digital.

Leia mais:
Delivery de comida: 6 dicas para vender alimentos online
Bateu a fome: um em cada três internautas tem app de delivery de comida no smartphone

Segundo Ernesto Bitran, fundador e CEO da Go2Go, startup que ajuda a gerir pedidos de estabelecimentos comerciais e implementar um delivery, o primeiro passo é entender em qual marketplace que a empresa quer vender. Com isso decidido, a marca deve compreender se já têm clientes para consumir no canal escolhido ou se é preciso impactar novos consumidores.

Se a empresa já tem clientes e existe uma relação com a marca, o melhor caminho para iniciar uma operação de delivery é desenvolver um canal próprio. “As empresas não devem apostar toda a operação de entrega nos aplicativos. A dica é criar maneiras para falar diretamente com os consumidores. Isso permite que as companhias se relacionem e tenham mais proximidade com seus clientes. E mais: entendem a relação que os consumidores têm com cada canal”, destaca Ernesto.

Para implementar um delivery, outro processo que requer atenção são as entregas. “A operação do salão é completamente diferente do delivery. É necessário desenhar a cadeia logística inteira, desde a análise das comidas no cardápio até a escolha da embalagem adequada. Além disso, é necessário avaliar como é feita a entrega pelo motoboy e com qual qualidade o produto chega até o cliente”, explica o especialista.

Orquestrar toda essa cadeia também é um dos pontos fundamentais para essa operação. “O desafio do empreendedor é organizar a logística de delivery inteira de uma forma que ele não se perca”, comenta Ernesto. “A solução da Go2Go, por exemplo, permite que as empresas tenham uma visão completa e aprofundada dos dados de performance em cada um dos canais de venda. Isso é fundamental para entender o padrão de consumo por regiões, personalizar ofertas para clientes com base em seu histórico e levar em consideração tipo de comida, dia da semana, horário pedido e mais.”

Para Ernesto, o maior desafio para 2021 será equilibrar todos os canais de vendas, potencializar os marketplaces que são mais interessantes para cada negócio e aproveitar o omnichannel. “Com os estabelecimentos fechados, todos correram para implementar um delivery. Com a abertura gradual,  no entanto, o foco volta para a operação do salão. As marcas precisam conseguir utilizar todas as portas de entrada de maneira que elas convivam de forma saudável e eficiente. A multicanalidade é o que vai fazer esses empreendimentos serem menos dependentes dessas oscilações comportamentais, econômicas e pandêmicas”, finaliza.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Como implementar um delivery?

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

15/04/2021 | 13:48


Com o isolamento social provocado pela pandemia de covid-19, a estratégia de migrar para os aplicativos de entrega ou criar um próprio auxiliou empreendedores no Brasil e no mundo. Porém, implementar um delivery não é tarefa fácil. Existem uma série de desafios comuns que as pessoas enfrentam ao migrar seus negócios para o ambiente digital.

Leia mais:
Delivery de comida: 6 dicas para vender alimentos online
Bateu a fome: um em cada três internautas tem app de delivery de comida no smartphone

Segundo Ernesto Bitran, fundador e CEO da Go2Go, startup que ajuda a gerir pedidos de estabelecimentos comerciais e implementar um delivery, o primeiro passo é entender em qual marketplace que a empresa quer vender. Com isso decidido, a marca deve compreender se já têm clientes para consumir no canal escolhido ou se é preciso impactar novos consumidores.

Se a empresa já tem clientes e existe uma relação com a marca, o melhor caminho para iniciar uma operação de delivery é desenvolver um canal próprio. “As empresas não devem apostar toda a operação de entrega nos aplicativos. A dica é criar maneiras para falar diretamente com os consumidores. Isso permite que as companhias se relacionem e tenham mais proximidade com seus clientes. E mais: entendem a relação que os consumidores têm com cada canal”, destaca Ernesto.

Para implementar um delivery, outro processo que requer atenção são as entregas. “A operação do salão é completamente diferente do delivery. É necessário desenhar a cadeia logística inteira, desde a análise das comidas no cardápio até a escolha da embalagem adequada. Além disso, é necessário avaliar como é feita a entrega pelo motoboy e com qual qualidade o produto chega até o cliente”, explica o especialista.

Orquestrar toda essa cadeia também é um dos pontos fundamentais para essa operação. “O desafio do empreendedor é organizar a logística de delivery inteira de uma forma que ele não se perca”, comenta Ernesto. “A solução da Go2Go, por exemplo, permite que as empresas tenham uma visão completa e aprofundada dos dados de performance em cada um dos canais de venda. Isso é fundamental para entender o padrão de consumo por regiões, personalizar ofertas para clientes com base em seu histórico e levar em consideração tipo de comida, dia da semana, horário pedido e mais.”

Para Ernesto, o maior desafio para 2021 será equilibrar todos os canais de vendas, potencializar os marketplaces que são mais interessantes para cada negócio e aproveitar o omnichannel. “Com os estabelecimentos fechados, todos correram para implementar um delivery. Com a abertura gradual,  no entanto, o foco volta para a operação do salão. As marcas precisam conseguir utilizar todas as portas de entrada de maneira que elas convivam de forma saudável e eficiente. A multicanalidade é o que vai fazer esses empreendimentos serem menos dependentes dessas oscilações comportamentais, econômicas e pandêmicas”, finaliza.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;