Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

COB veta presidentes de confederações e reduz delegação para a Olimpíada



14/04/2021 | 20:19


A 100 dias do início da Olimpíada, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) anunciou nesta quarta-feira medidas para reduzir o risco de contaminação por covid-19 na delegação brasileira que estará nos Jogos de Tóquio. A entidade vetou a presença da maior parte dos dirigentes esportivos e cancelou três programas, o que deve resultar em cerca de 100 brasileiros a menos no Japão.

"Inicialmente, estruturamos o nosso planejamento para Tóquio pensando na melhor adaptação dos atletas ao clima, ao fuso horário e à alimentação. Mas a pandemia exigiu que, além desses aspectos, nós tivéssemos atenção redobrada à saúde dos atletas, buscando reduzir os riscos de contaminação pela covid", explica Marco La Porta, chefe da delegação brasileira na Olimpíada e vice-presidente do COB.

Os mais afetados pelo corte na delegação serão os presidentes das confederações, acostumados a receberem convites para os Jogos Olímpicos. O grande evento esportivo costuma ser palco de contatos e conversas centrais da política esportiva brasileira. Os dirigentes costumavam participar do programa "Família Olímpica".

Também foram cancelados os programas "Vivência Olímpica" e "Embaixadores". O primeiro levava jovens atletas brasileiros para se acostumarem com o ambiente olímpico, de olho em futuras edições, enquanto o segundo consistia em contar com a presença de ex-atletas olímpicos para servir de inspiração aos mais jovens com suas histórias e experiências.

Entre outras medidas de proteção à delegação brasileira estão: "redução das equipes, priorizando manutenção dos serviços e programas de impacto direto à performance dos atletas; cancelamento de ações de marketing; a criação de um ambiente exclusivo e controlado na base de alta Performance do Time Brasil em Chuo (bairro de Tóquio); redução de serviços e da área de convivência; e coletivas de imprensa presenciais".

Nesta base em Chuo, o COB pretende contar com alimentação e academia privativas para os atletas, além de serviços de fisioterapia, massoterapia e psicologia. Para as viagens dos atletas, a entidade anunciou que a chegada será antecipada em três dias para as modalidades que têm base de aclimatação no Japão, e em sete dias, para esportistas que vão direto para a Vila Olímpica.

Outra medida importante anunciada pelo COB é a criação de uma comissão médica especial para o enfrentamento da covid-19 antes e durante os Jogos. Assim, os atletas terão que preencher novos pré-requisitos para viajar, como apresentar testes ergométrico, realizado há pelo menos um ano, e de ecodoplecardiograma, com validade de 2 anos. Também será exigido exames laboratoriais, como hemograma completo, por exemplo, com validade de um ano.

A partir do dia 24 deste mês, todo membro da delegação deve informar à área médica do COB se apresentar teste positivo para o novo coronavírus. Todos que pretendem viajar, entre atletas, dirigentes e até sparrings, devem apresentar testes sorológicos feitos com regularidade entre o do dia 8 deste mês e 7 de maio. Outra regra impede que pessoas do grupo de risco façam parte da delegação.

O COB destacou ainda que todos devem permanecer em quarentena de 14 dias antes de embarcar. Serão exigidos ainda uma série de exames RT-PCR há poucos dias da viagem, o último deles 72 horas antes do embarque. E um teste de antígeno no dia do voo, já no aeroporto. Na chegada ao Japão, novo PCR será realizado em cada membro da delegação brasileira.

"Serão Jogos Olímpicos totalmente diferentes e uma das nossas estratégias, desde o início da pandemia, tem sido o monitoramento dos atletas, não apenas em relação aos sintomas da covid, mas também no que diz respeito a dores e lesões. Temos utilizado ferramentas de inteligência para realizar este acompanhamento e seguiremos dessa forma no Japão, procurando tratá-los com agilidade e eficácia", diz a responsável pela comissão médica, Ana Carolina Côrte.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

COB veta presidentes de confederações e reduz delegação para a Olimpíada


14/04/2021 | 20:19


A 100 dias do início da Olimpíada, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) anunciou nesta quarta-feira medidas para reduzir o risco de contaminação por covid-19 na delegação brasileira que estará nos Jogos de Tóquio. A entidade vetou a presença da maior parte dos dirigentes esportivos e cancelou três programas, o que deve resultar em cerca de 100 brasileiros a menos no Japão.

"Inicialmente, estruturamos o nosso planejamento para Tóquio pensando na melhor adaptação dos atletas ao clima, ao fuso horário e à alimentação. Mas a pandemia exigiu que, além desses aspectos, nós tivéssemos atenção redobrada à saúde dos atletas, buscando reduzir os riscos de contaminação pela covid", explica Marco La Porta, chefe da delegação brasileira na Olimpíada e vice-presidente do COB.

Os mais afetados pelo corte na delegação serão os presidentes das confederações, acostumados a receberem convites para os Jogos Olímpicos. O grande evento esportivo costuma ser palco de contatos e conversas centrais da política esportiva brasileira. Os dirigentes costumavam participar do programa "Família Olímpica".

Também foram cancelados os programas "Vivência Olímpica" e "Embaixadores". O primeiro levava jovens atletas brasileiros para se acostumarem com o ambiente olímpico, de olho em futuras edições, enquanto o segundo consistia em contar com a presença de ex-atletas olímpicos para servir de inspiração aos mais jovens com suas histórias e experiências.

Entre outras medidas de proteção à delegação brasileira estão: "redução das equipes, priorizando manutenção dos serviços e programas de impacto direto à performance dos atletas; cancelamento de ações de marketing; a criação de um ambiente exclusivo e controlado na base de alta Performance do Time Brasil em Chuo (bairro de Tóquio); redução de serviços e da área de convivência; e coletivas de imprensa presenciais".

Nesta base em Chuo, o COB pretende contar com alimentação e academia privativas para os atletas, além de serviços de fisioterapia, massoterapia e psicologia. Para as viagens dos atletas, a entidade anunciou que a chegada será antecipada em três dias para as modalidades que têm base de aclimatação no Japão, e em sete dias, para esportistas que vão direto para a Vila Olímpica.

Outra medida importante anunciada pelo COB é a criação de uma comissão médica especial para o enfrentamento da covid-19 antes e durante os Jogos. Assim, os atletas terão que preencher novos pré-requisitos para viajar, como apresentar testes ergométrico, realizado há pelo menos um ano, e de ecodoplecardiograma, com validade de 2 anos. Também será exigido exames laboratoriais, como hemograma completo, por exemplo, com validade de um ano.

A partir do dia 24 deste mês, todo membro da delegação deve informar à área médica do COB se apresentar teste positivo para o novo coronavírus. Todos que pretendem viajar, entre atletas, dirigentes e até sparrings, devem apresentar testes sorológicos feitos com regularidade entre o do dia 8 deste mês e 7 de maio. Outra regra impede que pessoas do grupo de risco façam parte da delegação.

O COB destacou ainda que todos devem permanecer em quarentena de 14 dias antes de embarcar. Serão exigidos ainda uma série de exames RT-PCR há poucos dias da viagem, o último deles 72 horas antes do embarque. E um teste de antígeno no dia do voo, já no aeroporto. Na chegada ao Japão, novo PCR será realizado em cada membro da delegação brasileira.

"Serão Jogos Olímpicos totalmente diferentes e uma das nossas estratégias, desde o início da pandemia, tem sido o monitoramento dos atletas, não apenas em relação aos sintomas da covid, mas também no que diz respeito a dores e lesões. Temos utilizado ferramentas de inteligência para realizar este acompanhamento e seguiremos dessa forma no Japão, procurando tratá-los com agilidade e eficácia", diz a responsável pela comissão médica, Ana Carolina Côrte.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;