Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em S.Caetano, oposição cogita CPI de contratos da FUABC

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vínculos com firmas quarteirizadas que prestam serviços na cidade viram alvo de requerimento


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

14/04/2021 | 00:19


Vereador de oposição na Câmara de São Caetano, César Oliva (PSD) protocolou ontem requerimento em que questiona o governo do prefeito Tite Campanella (Cidadania) sobre contratos celebrados pela FUABC (Fundação do ABC) com empresas que prestam serviços à cidade. O parlamentar afirmou que, a depender do desfecho do caso, possíveis irregularidades nos acordos podem ser alvos de CPI da saúde.

Assim como em Mauá, o requerimento de Oliva visa passar pente-fino nas subcontratações feitas pela FUABC, que detém a gerência dos equipamentos de saúde na cidade. O documento mira, a princípio, acordos com as empresas Acapulco Terceirização de Serviços; Cap Serviços Médicos e a Aleluia Serviços Médicos. “Eu entendo que o papel do vereador, principalmente neste período de pandemia de Covid-19, é de fiscalizar os gastos do poder público com saúde. Eu recebi diversas reclamações sobre os contratos da FUABC. Há indicativos de que algumas dessas firmas sequer possuem certidões (obrigatórias para prestação de determinado serviço)”, pontuou Oliva.

O oposicionista cita, dentro deste contexto, até a hipótese de propor a abertura de CPI, mas ponderou que, por ora, a ideia é a de criar comissão temporária para averiguar a regularidade dos contratos. “Não está descartada (uma CPI). A CPI seria (aberta) a partir do momento que tenhamos a certeza de que há indícios de irregularidades. Até o momento, temos reclamações e denúncias, mas não temos as informações suficientes”, disse.

O requerimento de Oliva pede ao Palácio da Cerâmica que forneça à casa cópia integral dos contratos firmados com as empresas; dados sobre as datas de início, término da vigência e o valor de cada acordo; nomes de outras firmas que, eventualmente, participaram das licitações que culminaram com os contratos questionados. O documento exige ainda que o Paço detalhe “nome, remuneração, função, unidade em que trabalha e escala de serviços de cada profissional” ligado às empresas. “Eu espero que haja sensibilidade por parte da base governista. Não estamos querendo fazer caça às bruxas nem política com isso, mas é o nosso papel levantar informações que deveriam estar disponíveis de forma transparente e não estão. Devemos essas informações à população”, frisou Oliva.

O Diário mostrou no mês passado que contratos com quarteirizadas também foram alvos de questionamentos em Mauá. O vereador Irmão Ozelito (PSC) apresentou requerimento em que questiona o governo Marcelo Oliveira (PT) sobre contratos de gerenciamento das unidades de saúde da cidade. O documento tratava sobre a empresa responsável pelo gerenciamento das quatro UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) na cidade. Atualmente, a FUABC opera em território mauaense por meio de acordo extrajudicial assinado na gestão do ex-prefeito Atila Jacomussi (PSB).  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em S.Caetano, oposição cogita CPI de contratos da FUABC

Vínculos com firmas quarteirizadas que prestam serviços na cidade viram alvo de requerimento

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

14/04/2021 | 00:19


Vereador de oposição na Câmara de São Caetano, César Oliva (PSD) protocolou ontem requerimento em que questiona o governo do prefeito Tite Campanella (Cidadania) sobre contratos celebrados pela FUABC (Fundação do ABC) com empresas que prestam serviços à cidade. O parlamentar afirmou que, a depender do desfecho do caso, possíveis irregularidades nos acordos podem ser alvos de CPI da saúde.

Assim como em Mauá, o requerimento de Oliva visa passar pente-fino nas subcontratações feitas pela FUABC, que detém a gerência dos equipamentos de saúde na cidade. O documento mira, a princípio, acordos com as empresas Acapulco Terceirização de Serviços; Cap Serviços Médicos e a Aleluia Serviços Médicos. “Eu entendo que o papel do vereador, principalmente neste período de pandemia de Covid-19, é de fiscalizar os gastos do poder público com saúde. Eu recebi diversas reclamações sobre os contratos da FUABC. Há indicativos de que algumas dessas firmas sequer possuem certidões (obrigatórias para prestação de determinado serviço)”, pontuou Oliva.

O oposicionista cita, dentro deste contexto, até a hipótese de propor a abertura de CPI, mas ponderou que, por ora, a ideia é a de criar comissão temporária para averiguar a regularidade dos contratos. “Não está descartada (uma CPI). A CPI seria (aberta) a partir do momento que tenhamos a certeza de que há indícios de irregularidades. Até o momento, temos reclamações e denúncias, mas não temos as informações suficientes”, disse.

O requerimento de Oliva pede ao Palácio da Cerâmica que forneça à casa cópia integral dos contratos firmados com as empresas; dados sobre as datas de início, término da vigência e o valor de cada acordo; nomes de outras firmas que, eventualmente, participaram das licitações que culminaram com os contratos questionados. O documento exige ainda que o Paço detalhe “nome, remuneração, função, unidade em que trabalha e escala de serviços de cada profissional” ligado às empresas. “Eu espero que haja sensibilidade por parte da base governista. Não estamos querendo fazer caça às bruxas nem política com isso, mas é o nosso papel levantar informações que deveriam estar disponíveis de forma transparente e não estão. Devemos essas informações à população”, frisou Oliva.

O Diário mostrou no mês passado que contratos com quarteirizadas também foram alvos de questionamentos em Mauá. O vereador Irmão Ozelito (PSC) apresentou requerimento em que questiona o governo Marcelo Oliveira (PT) sobre contratos de gerenciamento das unidades de saúde da cidade. O documento tratava sobre a empresa responsável pelo gerenciamento das quatro UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) na cidade. Atualmente, a FUABC opera em território mauaense por meio de acordo extrajudicial assinado na gestão do ex-prefeito Atila Jacomussi (PSB).  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;