Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros sobem com impasse no Orçamento, PEC e CPI da Covid



13/04/2021 | 17:58


Os juros fecharam a terça-feira em alta, novamente descolados do desempenho dos demais ativos locais e se movendo a partir de dinâmica própria. Mais do que sentir a ausência de notícias positivas do lado fiscal, o mercado seguiu reagindo mal à solução estudada pelo governo para resolver o impasse do Orçamento, por meio de uma PEC para destravar programas de combate aos efeitos econômicos da covid-19 que prevê até R$ 18 bilhões em obras patrocinadas por parlamentares fora do teto de gastos. Adicionalmente, a CPI da Covid no Senado, que deve começar a tomar forma ainda nesta terça, eleva o desconforto, vista como mais um entrave para a evolução da agenda de reformas. O dia teve ainda as vendas do varejo de fevereiro acima do consenso e aumento da oferta de NTN-B pelo Tesouro no leilão.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027, que encerrou a sessão regular em

9,02%, não batia em 9% no fechamento desde 24/3/2020 (9,16%), ainda no começo da pandemia no Brasil. Na segunda-feira, o ajuste foi de 8,904%. O DI para janeiro de 2022 fechou em 4,78%, de 4,731% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2025 avançou de 8,286% para 8,39%.

O desenho da curva reflete o receio dos agentes em montar posições de risco na renda fixa diante de um cenário tão conturbado. "O tempo está passando e as soluções que se apresentam para o Orçamento não agradam. A curva vai ficando cada vez mais inclinada", afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Felipe Salto, escreveu no Twitter ser "inacreditável o que estamos vendo na gestão fiscal e orçamentária". Para ele, a PEC, se confirmada, será um equívoco em cima de outro. "Abre-se a caixa de pandora da contabilidade criativa. É preciso ter claro: risco altíssimo", resumiu.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), deve ler o requerimento para a abertura da CPI no período da tarde. Por ora, o mercado não vê na CPI riscos que desemboquem num impeachment de Bolsonaro, que dependeria muito mais da queda na sua popularidade para níveis abaixo de 20%, segundo especialistas. "O que a CPI afeta mais são as chances de avanço das reformas, além de aumentar o capital político do Congresso para aprovar o Orçamento como está", explicou Rostagno.

A agenda da terça-feira trouxe as vendas do varejo, que no conceito ampliado subiram 4,1% em fevereiro ante janeiro, bem acima da mediana das estimativas (1,30%). Diante das expectativas cada dia mais pessimistas para a inflação, o Tesouro encontrou espaço para ampliar a oferta de NTN-B, para 4,3 milhões no leilão, tendo vendido em torno de 3,9 milhões e reforçando a percepção de que o papel tem sido a principal opção de financiamento para a dívida pública. Na semana passada, foram 2,750 milhões e na anterior, 1,8 milhão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros sobem com impasse no Orçamento, PEC e CPI da Covid


13/04/2021 | 17:58


Os juros fecharam a terça-feira em alta, novamente descolados do desempenho dos demais ativos locais e se movendo a partir de dinâmica própria. Mais do que sentir a ausência de notícias positivas do lado fiscal, o mercado seguiu reagindo mal à solução estudada pelo governo para resolver o impasse do Orçamento, por meio de uma PEC para destravar programas de combate aos efeitos econômicos da covid-19 que prevê até R$ 18 bilhões em obras patrocinadas por parlamentares fora do teto de gastos. Adicionalmente, a CPI da Covid no Senado, que deve começar a tomar forma ainda nesta terça, eleva o desconforto, vista como mais um entrave para a evolução da agenda de reformas. O dia teve ainda as vendas do varejo de fevereiro acima do consenso e aumento da oferta de NTN-B pelo Tesouro no leilão.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027, que encerrou a sessão regular em

9,02%, não batia em 9% no fechamento desde 24/3/2020 (9,16%), ainda no começo da pandemia no Brasil. Na segunda-feira, o ajuste foi de 8,904%. O DI para janeiro de 2022 fechou em 4,78%, de 4,731% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2025 avançou de 8,286% para 8,39%.

O desenho da curva reflete o receio dos agentes em montar posições de risco na renda fixa diante de um cenário tão conturbado. "O tempo está passando e as soluções que se apresentam para o Orçamento não agradam. A curva vai ficando cada vez mais inclinada", afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, Felipe Salto, escreveu no Twitter ser "inacreditável o que estamos vendo na gestão fiscal e orçamentária". Para ele, a PEC, se confirmada, será um equívoco em cima de outro. "Abre-se a caixa de pandora da contabilidade criativa. É preciso ter claro: risco altíssimo", resumiu.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), deve ler o requerimento para a abertura da CPI no período da tarde. Por ora, o mercado não vê na CPI riscos que desemboquem num impeachment de Bolsonaro, que dependeria muito mais da queda na sua popularidade para níveis abaixo de 20%, segundo especialistas. "O que a CPI afeta mais são as chances de avanço das reformas, além de aumentar o capital político do Congresso para aprovar o Orçamento como está", explicou Rostagno.

A agenda da terça-feira trouxe as vendas do varejo, que no conceito ampliado subiram 4,1% em fevereiro ante janeiro, bem acima da mediana das estimativas (1,30%). Diante das expectativas cada dia mais pessimistas para a inflação, o Tesouro encontrou espaço para ampliar a oferta de NTN-B, para 4,3 milhões no leilão, tendo vendido em torno de 3,9 milhões e reforçando a percepção de que o papel tem sido a principal opção de financiamento para a dívida pública. Na semana passada, foram 2,750 milhões e na anterior, 1,8 milhão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;