Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com recorde na média móvel, País registra 1.738 mortes por covid nas últimas 24h



12/04/2021 | 20:41


O Brasil registrou 1.738 novas mortes pela covid-19 nesta segunda-feira, 12. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 3.125 sendo a maior marca já registrada desde o início da pandemia.

Em 1º de abril o País tinha registrado 3.119 mortes na média móvel, um recorde até então. Só que nesta segunda-feira este número foi superado, o que demonstra que os números da pandemia continuam subindo. No sábado, o Brasil registrou seu número mais alto na semana epidemiológica. No dia seguinte, teve seu maior registro de óbitos em um domingo. Agora bate o recorde na média móvel de mortes.

Com transmissão descontrolada do vírus, o País tem visto o colapso de várias redes hospitalares, com morte de pacientes na fila por leito e falta de remédios para intubação. Governadores e prefeitos têm recorrido a restrições ao comércio e até ao lockdown para frear o vírus. Já o presidente Jair Bolsonaro continua como forte crítico das medidas de isolamento social, recomendadas por especialistas, e afirma temer efeitos negativos na economia.

Nesta segunda, o número de novas infecções notificadas foi de 38.866. No total, o Brasil tem 355.031 mortos e 13.521.409 casos da doença, a segunda nação com mais registros, atrás apenas dos Estados Unidos. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 11.880.803 pessoas estão recuperadas.

Goiás registrou nesta segunda-feira 256 mortes por covid-19, sendo o Estado com o maior número de vítimas no dia. Outros três Estados também superaram a barreira de 100 óbitos no dia: São Paulo (181), Rio Grande do Sul (166) e Mato Grosso (104).

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Nesta segunda-feira, o Ministério da Saúde informou que foram registrados 37.017 novos casos e mais 1.803 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 13.482.023 pessoas infectadas e 353.137 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com recorde na média móvel, País registra 1.738 mortes por covid nas últimas 24h


12/04/2021 | 20:41


O Brasil registrou 1.738 novas mortes pela covid-19 nesta segunda-feira, 12. A média semanal de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, ficou em 3.125 sendo a maior marca já registrada desde o início da pandemia.

Em 1º de abril o País tinha registrado 3.119 mortes na média móvel, um recorde até então. Só que nesta segunda-feira este número foi superado, o que demonstra que os números da pandemia continuam subindo. No sábado, o Brasil registrou seu número mais alto na semana epidemiológica. No dia seguinte, teve seu maior registro de óbitos em um domingo. Agora bate o recorde na média móvel de mortes.

Com transmissão descontrolada do vírus, o País tem visto o colapso de várias redes hospitalares, com morte de pacientes na fila por leito e falta de remédios para intubação. Governadores e prefeitos têm recorrido a restrições ao comércio e até ao lockdown para frear o vírus. Já o presidente Jair Bolsonaro continua como forte crítico das medidas de isolamento social, recomendadas por especialistas, e afirma temer efeitos negativos na economia.

Nesta segunda, o número de novas infecções notificadas foi de 38.866. No total, o Brasil tem 355.031 mortos e 13.521.409 casos da doença, a segunda nação com mais registros, atrás apenas dos Estados Unidos. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 11.880.803 pessoas estão recuperadas.

Goiás registrou nesta segunda-feira 256 mortes por covid-19, sendo o Estado com o maior número de vítimas no dia. Outros três Estados também superaram a barreira de 100 óbitos no dia: São Paulo (181), Rio Grande do Sul (166) e Mato Grosso (104).

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Nesta segunda-feira, o Ministério da Saúde informou que foram registrados 37.017 novos casos e mais 1.803 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, segundo a pasta, são 13.482.023 pessoas infectadas e 353.137 óbitos. Os números são diferentes do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;