Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Clubes da Série A querem comprar vacinas para imunizar jogadores e funcionários



12/04/2021 | 18:00


Depois que o Athletico-PR se mostrou favorável ao projeto de compra de vacinas contra covid-19 pela iniciativa privada, outros clubes de futebol da Série A do Campeonato Brasileiro, como Flamengo, Atlético-MG e Cuiabá, e até entidades regionais, como a Federação Cearense, também revelam apoio à compra de imunizantes para proteger atletas e funcionários. O projeto ainda precisa da aprovação do Senado e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Algumas associações esperam para ver como isso se daria e outras falam em imunizar sócios-torcedores, que não estão nos grupos prioritários como entidade.

A Câmara dos Deputados aprovou, em votação na quarta-feira passada, o Projeto de Lei 948/21, que autoriza a compra de vacinas pela iniciativa privada. Agora, restam a análise e aprovação do Senado Federal e a sanção do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o projeto, a metade das vacinas adquiridas pelas instituições tem de ser doada para o Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, a vacinação dos funcionários deve seguir os critérios de prioridade do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Ou seja: os grupos de risco deverão ser imunizados antes dos demais trabalhadores.

"Somos favoráveis à compra de vacinas pela iniciativa privada desde que exista um porcentual para o SUS (Sistema Único de Saúde). Esse assunto já foi tema de bate papo com os clubes cearenses e todos foram unânimes em concordar", afirma Mauro Carmélio, presidente da Federação Cearense de Futebol. Atualmente, a entidade representa dois clubes da Série A (Ceará e Fortaleza).

Clubes como o Flamengo também apoiam o projeto. Os detalhes e a forma de aquisição ainda não foram discutidos pela diretoria do atual campeão brasileiro. Mesmo sentimento tem o Atlético-MG. "Tudo o que for feito para ajudar a minimizar os efeitos da pandemia tem o apoio do Clube Atlético Mineiro. Se tal medida trouxer benefícios a todos, somos favoráveis", informou o Atlético-MG ao Estadão. "Se o governo liberar, o Cuiabá E.C. tem a intenção de comprar a vacina contra o coronavírus para jogadores, funcionários e sócios do clube", informou o time do Mato Grosso que vai disputar a Série A pela primeira vez neste ano. O Cuiabá foi quem mais se aproximou do torcedor, quando se refere aos associados da entidade.

O Athletico-PR, primeiro clube a se manifestar sobre o tema de forma positiva, pretende adquirir vacinas também para os sócios que estão colaborando com o pagamento de suas mensalidades na pandemia, mesmo sem poder ir ao estádio. Mario Celso Petraglia, CEO do clube, tenta mobilizar dirigentes de outros times do Brasil. O tema foi colocado em um grupo de WhatsApp formado pelos cartolas da Série A. Nem todos responderam ainda. A intenção é trabalhar em bloco, se possível com as entidades esportivas, como a CBF.

Para Carmélio, a compra das vacinas reduz o custo com as testagens para identificação do novo coronavírus, além de proteger os funcionários. "Além de acelerar a imunização com funcionários, atletas e familiares de idade menor àquela estabelecida pelo Governo Federal, a ação reduz o custo financeiro dos clubes, federações e CBF com a realização de testes PCR", opina. Os testes são feitos até três vezes por semana.

Outras entidades adotam tom mais cauteloso. Na Federação Paulista de Futebol, por exemplo, o tema ainda não foi colocado em discussão entre os clubes. O assunto é polêmico. Críticos à proposta alertam para o risco da oferta de vacinas que não tenham a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além da criação de uma fila dupla de vacinação. Mesmo se for aprovado integralmente pelo Senado, o projeto irá enfrentar um grande obstáculo, que é a disponibilidade de doses no curto prazo.

No Brasil, o futebol nunca parou 100%. São Paulo e a capital do Rio de Janeiro, por exemplo, foram proibidas de receber e organizar jogos durante um período em função das restrições impostas por governadores e prefeitos por causa do avanço da doença. Em São Paulo, no entanto, os jogos foram liberados neste fim de semana, desde que a partir das 20 horas e seguindo os protocolos de saúde. Os jogadores de futebol ainda não foram vacinados no País. Nesta semana, a campanha de vacinação atinge a idade mínima de 65 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Clubes da Série A querem comprar vacinas para imunizar jogadores e funcionários


12/04/2021 | 18:00


Depois que o Athletico-PR se mostrou favorável ao projeto de compra de vacinas contra covid-19 pela iniciativa privada, outros clubes de futebol da Série A do Campeonato Brasileiro, como Flamengo, Atlético-MG e Cuiabá, e até entidades regionais, como a Federação Cearense, também revelam apoio à compra de imunizantes para proteger atletas e funcionários. O projeto ainda precisa da aprovação do Senado e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Algumas associações esperam para ver como isso se daria e outras falam em imunizar sócios-torcedores, que não estão nos grupos prioritários como entidade.

A Câmara dos Deputados aprovou, em votação na quarta-feira passada, o Projeto de Lei 948/21, que autoriza a compra de vacinas pela iniciativa privada. Agora, restam a análise e aprovação do Senado Federal e a sanção do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o projeto, a metade das vacinas adquiridas pelas instituições tem de ser doada para o Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, a vacinação dos funcionários deve seguir os critérios de prioridade do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Ou seja: os grupos de risco deverão ser imunizados antes dos demais trabalhadores.

"Somos favoráveis à compra de vacinas pela iniciativa privada desde que exista um porcentual para o SUS (Sistema Único de Saúde). Esse assunto já foi tema de bate papo com os clubes cearenses e todos foram unânimes em concordar", afirma Mauro Carmélio, presidente da Federação Cearense de Futebol. Atualmente, a entidade representa dois clubes da Série A (Ceará e Fortaleza).

Clubes como o Flamengo também apoiam o projeto. Os detalhes e a forma de aquisição ainda não foram discutidos pela diretoria do atual campeão brasileiro. Mesmo sentimento tem o Atlético-MG. "Tudo o que for feito para ajudar a minimizar os efeitos da pandemia tem o apoio do Clube Atlético Mineiro. Se tal medida trouxer benefícios a todos, somos favoráveis", informou o Atlético-MG ao Estadão. "Se o governo liberar, o Cuiabá E.C. tem a intenção de comprar a vacina contra o coronavírus para jogadores, funcionários e sócios do clube", informou o time do Mato Grosso que vai disputar a Série A pela primeira vez neste ano. O Cuiabá foi quem mais se aproximou do torcedor, quando se refere aos associados da entidade.

O Athletico-PR, primeiro clube a se manifestar sobre o tema de forma positiva, pretende adquirir vacinas também para os sócios que estão colaborando com o pagamento de suas mensalidades na pandemia, mesmo sem poder ir ao estádio. Mario Celso Petraglia, CEO do clube, tenta mobilizar dirigentes de outros times do Brasil. O tema foi colocado em um grupo de WhatsApp formado pelos cartolas da Série A. Nem todos responderam ainda. A intenção é trabalhar em bloco, se possível com as entidades esportivas, como a CBF.

Para Carmélio, a compra das vacinas reduz o custo com as testagens para identificação do novo coronavírus, além de proteger os funcionários. "Além de acelerar a imunização com funcionários, atletas e familiares de idade menor àquela estabelecida pelo Governo Federal, a ação reduz o custo financeiro dos clubes, federações e CBF com a realização de testes PCR", opina. Os testes são feitos até três vezes por semana.

Outras entidades adotam tom mais cauteloso. Na Federação Paulista de Futebol, por exemplo, o tema ainda não foi colocado em discussão entre os clubes. O assunto é polêmico. Críticos à proposta alertam para o risco da oferta de vacinas que não tenham a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além da criação de uma fila dupla de vacinação. Mesmo se for aprovado integralmente pelo Senado, o projeto irá enfrentar um grande obstáculo, que é a disponibilidade de doses no curto prazo.

No Brasil, o futebol nunca parou 100%. São Paulo e a capital do Rio de Janeiro, por exemplo, foram proibidas de receber e organizar jogos durante um período em função das restrições impostas por governadores e prefeitos por causa do avanço da doença. Em São Paulo, no entanto, os jogos foram liberados neste fim de semana, desde que a partir das 20 horas e seguindo os protocolos de saúde. Os jogadores de futebol ainda não foram vacinados no País. Nesta semana, a campanha de vacinação atinge a idade mínima de 65 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;