Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Europa: bolsas fecham na maioria em baixa, diante do pouco apetite ao risco de NY



12/04/2021 | 14:04


Os principais índices acionários das bolsas europeias encerraram a sessão desta segunda-feira, 12, majoritariamente em baixa, acompanhando a queda dos mercados em Nova York. O pouco apetite ao risco vem à medida que investidores esperam pelo início da temporada de balanços corporativos e pelos dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos, que será divulgado na terça-feira (13). Desta forma, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,46%, aos 435,24 pontos.

O FTSE 100, da bolsa de Londres, teve o pior desempenho entre os principais índices hoje, em queda de 0,39%, aos 6.889,12 pontos, pressionado por ações de mineradoras, que caíram diante da desvalorização dos contratos futuros de metais básicos na London Metal Exchange (LME). Anglo American recuou 1,75%, seguida de perto por Antofagasta (-1,73%) e BHP (-1,49%). Nem mesmo o anúncio da retirada de restrições à mobilidade por conta da pandemia de covid-19 no Reino Unido foi o suficiente para a bolsa londrina se sustentar em território positivo.

Já na Alemanha investidores precificam a possibilidade da extensão para até o fim de maio ou meados de junho do lockdown em curso no país, segundo noticiou o jornal The Local. Também é monitorada a situação das eleições alemãs, que indicarão o sucessor da chanceler Angela Merkel, no cargo desde 2005. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, recuou 0,13% nesta segunda, aos 15.215,00 pontos, mesma queda do CAC 40 de Paris, que cedeu aos 6.161,68 pontos.

Foram divulgados nesta segunda-feira os números de vendas no varejo na zona do euro, que cresceram 3,0% em fevereiro ante janeiro, bem acima da previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal. O dado chegou a dar algum fôlego às bolsas europeias, mas elas retomaram a trajetória de baixa mais tarde.

O IBEX 35, da bolsa de Madri, repetiu a queda de 0,39% de Londres e fechou aos 8.532,60 pontos, com o setor de energia renovável devolvendo parte dos ganhos da última sessão. O PSI 20, de Lisboa, recuou 0,21%, aos 5.006,68 pontos.

Contrariando o restante dos principais índices do continente, o FTSE MIB, de Milão, avançou 0,11% hoje, aos 24.457,18 pontos. A ação da Diasorin, empresa italiana de diagnósticos laboratoriais que tem trabalhado na análise de testes para a covid-19, saltou 9,63% e sustentou a alta do índice, após a companhia anunciar a compra da sua concorrente americana Luminex, por US$ 1,8 bilhão, segundo noticiou a agência Reuters. (Com agências internacionais).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Europa: bolsas fecham na maioria em baixa, diante do pouco apetite ao risco de NY


12/04/2021 | 14:04


Os principais índices acionários das bolsas europeias encerraram a sessão desta segunda-feira, 12, majoritariamente em baixa, acompanhando a queda dos mercados em Nova York. O pouco apetite ao risco vem à medida que investidores esperam pelo início da temporada de balanços corporativos e pelos dados de inflação ao consumidor nos Estados Unidos, que será divulgado na terça-feira (13). Desta forma, o índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 0,46%, aos 435,24 pontos.

O FTSE 100, da bolsa de Londres, teve o pior desempenho entre os principais índices hoje, em queda de 0,39%, aos 6.889,12 pontos, pressionado por ações de mineradoras, que caíram diante da desvalorização dos contratos futuros de metais básicos na London Metal Exchange (LME). Anglo American recuou 1,75%, seguida de perto por Antofagasta (-1,73%) e BHP (-1,49%). Nem mesmo o anúncio da retirada de restrições à mobilidade por conta da pandemia de covid-19 no Reino Unido foi o suficiente para a bolsa londrina se sustentar em território positivo.

Já na Alemanha investidores precificam a possibilidade da extensão para até o fim de maio ou meados de junho do lockdown em curso no país, segundo noticiou o jornal The Local. Também é monitorada a situação das eleições alemãs, que indicarão o sucessor da chanceler Angela Merkel, no cargo desde 2005. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, recuou 0,13% nesta segunda, aos 15.215,00 pontos, mesma queda do CAC 40 de Paris, que cedeu aos 6.161,68 pontos.

Foram divulgados nesta segunda-feira os números de vendas no varejo na zona do euro, que cresceram 3,0% em fevereiro ante janeiro, bem acima da previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal. O dado chegou a dar algum fôlego às bolsas europeias, mas elas retomaram a trajetória de baixa mais tarde.

O IBEX 35, da bolsa de Madri, repetiu a queda de 0,39% de Londres e fechou aos 8.532,60 pontos, com o setor de energia renovável devolvendo parte dos ganhos da última sessão. O PSI 20, de Lisboa, recuou 0,21%, aos 5.006,68 pontos.

Contrariando o restante dos principais índices do continente, o FTSE MIB, de Milão, avançou 0,11% hoje, aos 24.457,18 pontos. A ação da Diasorin, empresa italiana de diagnósticos laboratoriais que tem trabalhado na análise de testes para a covid-19, saltou 9,63% e sustentou a alta do índice, após a companhia anunciar a compra da sua concorrente americana Luminex, por US$ 1,8 bilhão, segundo noticiou a agência Reuters. (Com agências internacionais).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;