Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Restaurantes e motoboys da região fecham acordo coletivo

Banco de Dados/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Entregadores estavam há dois anos sem convenção; aumento da demanda na pandemia escancarou necessidade de negociação


Do Diário do Grande ABC

12/04/2021 | 12:20


 O Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC) e o Sindimoto ABC (Sindicato dos Motoboys), que também abrange Suzano e Mogi das Cruzes, fecharam convenção coletivo com validade até 21 de março de 2022. A pandemia escancarou a necessidade de negociação, já que os motoboys, cuja demanda aumentou em razão das restrições de funcionamento de bares e restaurantes, estavam sem acordo há dois anos.

O documento prevê que o valor mínimo a ser pago por cada entre é de R$ 3 ou R$ 4, dependendo do enquadramento da empresa. Porém, cada estabelecimento pode criar critérios próprios e, por exemplo, pagar valores maiores de acordo com a quilometragem percorrida. Os motoboys também terão direito a R$ 8 ou R$ 9,60 por dia de trabalho destinado à manutenção da motocicleta.

Os motofretistas terão direito a intervalo de quatro horas entre a jornada do horário de almoço e jantar, e também terão que utilizar colete refletivo, norma estabelecida pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito). Bares e restaurantes também devem fornecer refeição aos motoqueiros com jornada superior a seis horas, além de fornecer seguro de vida e adicional de periculosidade, obrigatoriedades previstas em lei.

Presidente do Sehal, Beto Moreira reforça a importância da assinatura do acordo. “O contrato oferece segurança jurídica e maior garantia tanto para o empregador, que evitará processos trabalhistas, quanto para o empregado, que terá todas as garantias previstas em lei”, explica. “Essas negociações se tornaram ainda mais importantes nesses tempos tão difíceis de crise, que afetaram duramente a nossa categoria”, completa João Manoel, advogado da entidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Restaurantes e motoboys da região fecham acordo coletivo

Entregadores estavam há dois anos sem convenção; aumento da demanda na pandemia escancarou necessidade de negociação

Do Diário do Grande ABC

12/04/2021 | 12:20


 O Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC) e o Sindimoto ABC (Sindicato dos Motoboys), que também abrange Suzano e Mogi das Cruzes, fecharam convenção coletivo com validade até 21 de março de 2022. A pandemia escancarou a necessidade de negociação, já que os motoboys, cuja demanda aumentou em razão das restrições de funcionamento de bares e restaurantes, estavam sem acordo há dois anos.

O documento prevê que o valor mínimo a ser pago por cada entre é de R$ 3 ou R$ 4, dependendo do enquadramento da empresa. Porém, cada estabelecimento pode criar critérios próprios e, por exemplo, pagar valores maiores de acordo com a quilometragem percorrida. Os motoboys também terão direito a R$ 8 ou R$ 9,60 por dia de trabalho destinado à manutenção da motocicleta.

Os motofretistas terão direito a intervalo de quatro horas entre a jornada do horário de almoço e jantar, e também terão que utilizar colete refletivo, norma estabelecida pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito). Bares e restaurantes também devem fornecer refeição aos motoqueiros com jornada superior a seis horas, além de fornecer seguro de vida e adicional de periculosidade, obrigatoriedades previstas em lei.

Presidente do Sehal, Beto Moreira reforça a importância da assinatura do acordo. “O contrato oferece segurança jurídica e maior garantia tanto para o empregador, que evitará processos trabalhistas, quanto para o empregado, que terá todas as garantias previstas em lei”, explica. “Essas negociações se tornaram ainda mais importantes nesses tempos tão difíceis de crise, que afetaram duramente a nossa categoria”, completa João Manoel, advogado da entidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;