Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Índice de preços da terceira idade tem inflação de 1,54% no 1º trimestre, diz FGV



12/04/2021 | 08:25


A inflação sentida pela população idosa desacelerou de 2,81% no quarto trimestre de 2020 para 1,54% no primeiro trimestre de 2021, informou nesta segunda-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, acumulou uma elevação de 6,20% nos últimos 12 meses.

Com o resultado, a variação de preços percebida pela terceira idade ficou acima da taxa de 6,10% acumulada em 12 meses pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que apura a inflação média percebida pelas famílias com renda mensal entre um e 33 salários mínimos. No primeiro trimestre, o IPC-BR teve elevação mais acentuada que a do IPC-3i, 1,81%.

Na passagem do quarto trimestre de 2020 para o primeiro trimestre de 2021, quatro das oito classes de despesa registraram decréscimos. A principal contribuição partiu do grupo Habitação, cuja taxa passou de 3,40% para -0,37% no período. A tarifa de eletricidade residencial saiu de um avanço de 11,68% para -6,44%.

Os demais decréscimos ocorreram nas taxas dos grupos Alimentação (de 5,91% para 1,40%), Educação, Leitura e Recreação (de 5,40% para -2,43%) e Comunicação (de 0,42% para 0,02%). Houve influência dos itens: hortaliças e legumes (de 15,79% para -1,82%), passagem aérea (de 29,91% para -20,63%) e tarifa de telefone residencial (de 1,80% para 0,00%).

Na direção oposta, as taxas foram mais elevadas em Transportes (de 2,23% para 7,16%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,39% para 1,24%), Despesas Diversas (de 0,45% para 0,88%) e Vestuário (de 0,54% para 0,63%), sob impacto de itens como gasolina (de 3,40% para 21,84%), médico, dentista e outros (de 0,09% para 2,05%), cigarros (de -0,93% para 1,85%) e calçados femininos (de -0,30% para 2,07%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Índice de preços da terceira idade tem inflação de 1,54% no 1º trimestre, diz FGV


12/04/2021 | 08:25


A inflação sentida pela população idosa desacelerou de 2,81% no quarto trimestre de 2020 para 1,54% no primeiro trimestre de 2021, informou nesta segunda-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, acumulou uma elevação de 6,20% nos últimos 12 meses.

Com o resultado, a variação de preços percebida pela terceira idade ficou acima da taxa de 6,10% acumulada em 12 meses pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que apura a inflação média percebida pelas famílias com renda mensal entre um e 33 salários mínimos. No primeiro trimestre, o IPC-BR teve elevação mais acentuada que a do IPC-3i, 1,81%.

Na passagem do quarto trimestre de 2020 para o primeiro trimestre de 2021, quatro das oito classes de despesa registraram decréscimos. A principal contribuição partiu do grupo Habitação, cuja taxa passou de 3,40% para -0,37% no período. A tarifa de eletricidade residencial saiu de um avanço de 11,68% para -6,44%.

Os demais decréscimos ocorreram nas taxas dos grupos Alimentação (de 5,91% para 1,40%), Educação, Leitura e Recreação (de 5,40% para -2,43%) e Comunicação (de 0,42% para 0,02%). Houve influência dos itens: hortaliças e legumes (de 15,79% para -1,82%), passagem aérea (de 29,91% para -20,63%) e tarifa de telefone residencial (de 1,80% para 0,00%).

Na direção oposta, as taxas foram mais elevadas em Transportes (de 2,23% para 7,16%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,39% para 1,24%), Despesas Diversas (de 0,45% para 0,88%) e Vestuário (de 0,54% para 0,63%), sob impacto de itens como gasolina (de 3,40% para 21,84%), médico, dentista e outros (de 0,09% para 2,05%), cigarros (de -0,93% para 1,85%) e calçados femininos (de -0,30% para 2,07%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;