Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sob gestão Marcelo, empresa alvo da PF mantém elo em Mauá

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Firma de grupo que entrou na mira da Trato Feito é contratada pela Sama e preserva vínculo com poder público mesmo após troca de governo


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

08/04/2021 | 06:10


Grupo empresarial que foi alvo da Operação Trato Feito, deflagrada pela Polícia Federal há dois anos em Mauá, segue preservando vínculo com o poder público da cidade mesmo após troca de gestão e a despeito de ser proibida de assinar contratos com o município. Agora sob o governo do prefeito Marcelo Oliveira (PT), a Sama (Saneamento e Serviços do Município de Mauá) contratou firma cuja proprietária também é sócia de outra empresa que está impedida de celebrar contratos com o município porque foi acusada de pagar propina a agentes políticos locais – todos negam as acusações.

O Paço homologou ontem contrato da Sama com a Magsi Comércio e Prestação de Serviços de Limpeza e Conservação Ltda, com sede em Mauá, para aluguel de veículos, pelo valor de R$ 73,9 mil. A sócia majoritária da firma é Maria José Cantarelli Garcia, que também é dona da Garloc Transportes, Logística e Locações Ltda. Essa última empresa foi proibida pela Justiça Federal de contratar com o poder público. Em 2018, a Garloc foi alvo de operação – que culminou com a segunda prisão do então prefeito Atila Jacomussi (PSB) –, apontada como integrante de organização criminosa que suspostamente pagava propina ao socialista e a parte dos vereadores em troca de favorecimento em licitações. Curiosamente, o contrato questionado na época envolvia justamente aluguel de veículos para a Sama. Então parlamentar de oposição na Câmara, Marcelo Oliveira foi o único vereador que não estava envolvido nas denúncias.

A decisão de proibir a Garloc de contratar com o poder público foi tomada pela juíza Raquel Silveira, do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que também suspendeu o vínculo com a Sama e que foi a responsável por autorizar buscas e apreensões no Paço mauaense. O sócio majoritário da empresa é Sidnei Garcia, conhecido empresário que mantém livre trânsito com a classe política da cidade.

VÍNCULO

O fato de a Garloc e a Magsi possuírem Maria José Garcia como sócia não é a única similaridade. Na Junta Comercial paulista, as duas empresas estão cadastradas exatamente com o mesmo endereço: Avenida Barão de Mauá, 2.347, no Jardim Maringá. Pelo menos até 2019, as logomarcas das duas empresas, inclusive, estavam fixadas lado a lado na mesma fachada.

No ano passado, o Diário mostrou que a Magsi também renovou vínculo com a Câmara de Mauá, na gestão do então presidente, Vanderley Cavalcante da Silva (SD). A empresa também aluga veículos para a casa, serviços que no passado eram prestados pela Garloc.

Ao Diário, o Paço alegou que a Magsi venceu o pregão por apresentar menor valor, mas se comprometeu a averiguar o caso. “O departamento jurídico levantará as informações referentes ao processo e, caso seja comprovada qualquer irregularidade, o contrato será cancelado.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;