Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Supremo adia decisão sobre suspeição de Sergio Moro

Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Julgamento retomou um dia depois da anulação das condenações de Lula; ministro pediu vista


Junior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

10/03/2021 | 04:27


A segunda turma do STF (Supremo Tribunal Federal) adiou o julgamento sobre a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro no processo em que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à prisão no caso do triplex do Guarujá. A análise sobre a parcialidade do ex-magistrado foi pautada um dia depois de o ministro Edson Fachin anular as sentenças contra o petista nas ações da Operação Lava Jato.

O pedido de suspeição de Moro, via habeas corpus, foi impetrado pela defesa de Lula em 2018, mas, desde então, o julgamento estava paralisado por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, que pautou a retomada do caso – é presidente da turma. Durante o julgamento, quando o placar estava empatado em dois a dois, o ministro Kássio Nunes Marques – recém nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) – fez novo pedido de vistas. Não há prazo para a retomada da análise.

Os advogados do ex-presidente levantam vários pontos para sustentar a parcialidade de Moro e perseguição à Lula. A tese ganhou força depois do chamado escândalo da Vaza Jato, em que mensagens vazadas trocadas entre o então juiz e procuradores da força-tarefa da operação sugeriam conluio para condenar o petista.

A sentença de Moro foi crucial para retirar Lula das eleições de 2018, uma vez que meses depois da decisão do então juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, a pena foi confirmada em segunda instância pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Antes de a sessão iniciar, Fachin pediu adiamento do julgamento, o que não se concretizou. A posição do ministro era a de que a anulação das condenações contra Lula e a transferência dos autos à Justiça Federal do Distrito Federal tornariam ineficaz a análise sobre a parcialidade de Moro. Contudo, com eventual suspeição do ex-juiz, todos os atos das ações são anulados e os processos teriam de voltar à estaca zero.

VOTOS

Primeiro a votar, Gilmar proferiu decisão enfática e com críticas contundentes contra a Lava Jato. “O combate à corrupção é digno de elogio, mas uma coisa é uma coisa e outra é outra coisa. Isso tem de ser feito dentro do processo legal. Não se combate crime cometendo outro crime”, disparou o ministro em um dos momentos. O segundo voto contra Moro foi de Ricardo Lewandowski. “Todos os desdobramentos do processo levam ao desenlace de que o ex-juiz extrapolou os limites ao assumir papel de coordenador dos órgãos de investigação e acusação”, frisou Lewandowski, que avaliou que a condução coercitiva de Lula foi “violência inominável”.

Os outros dois votos pró-Moro já haviam sido proferidos por Fachin e pela ministra Cármen Lúcia, ainda em 2018, antes do vazamento das mensagens. Ontem, porém, a ministra indiciou que pode mudar o posicionamento. “Vossa Excelência (Gilmar) trouxe um voto profundo, com dados muito graves”, pontuou.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;