Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Santo André e São Caetano empatam sem gols pelo Paulistão

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

No esperado clássico do Grande ABC, times não saem do 0 a 0 no Estádio do Canindé


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/03/2021 | 20:56


No tão aguardado clássico do Grande ABC pelo Paulistão, empate sem gols na noite desta segunda-feira, 8, no Estádio do Canindé. Com o resultado, o Ramalhão chegou aos cinco pontos, enquanto o Azulão somou seu primeiro. A expectativa era grande pelo reencontro, após 11 anos de duelos apenas pela Série A-2 ou Copa Paulista. Mas em partida com emoções reservadas apenas para a segunda etapa – com uma bola no travessão para cada lado – a igualdade em 0 a 0 persistiu até o apito final.

A primeira etapa foi de poucas emoções. As equipes adotaram estilo cauteloso e nem criaram, tampouco sofreram muito perigo. As oportunidades de gol foram esporádicas. O São Caetano chegou primeiro, em tentativa de William Amorim, enquanto o Santo André respondeu com Ramon. A melhor chance foi do Ramalhão, em cabeçada de Marino que passou perto do gol defendido por Luiz.

Para o segundo tempo o comportamento, no entanto, foi outro. O Santo André ditava o ritmo e foi quem quase abriu o placar. Aos sete minutos, Rone – melhor alternativa andreense na partida de ontem – cortou para o meio e bateu forte; a bola desviou na marcação, enganou Luiz, mas parou no travessão. O São Caetano, por sua vez, não estava morto e devolveu na mesma moeda. Aos dez, William Amorim chutou de longe e a bola acertou o travessão de Fernando Henrique.

Os ramalhinos demonstravam melhor organização, mas apesar de ainda darem espaços - em situação de um time que ainda sofre os efeitos de uma construção que começou tardia -, os são-caetanenses se doaram para somar pelo menos um ponto. Aos 26, a melhor chance do duelo foi do Santo André. Marcos Martins recebeu dentro da área e soltou a bomba, para milagre praticado por Luiz.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Santo André e São Caetano empatam sem gols pelo Paulistão

No esperado clássico do Grande ABC, times não saem do 0 a 0 no Estádio do Canindé

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

08/03/2021 | 20:56


No tão aguardado clássico do Grande ABC pelo Paulistão, empate sem gols na noite desta segunda-feira, 8, no Estádio do Canindé. Com o resultado, o Ramalhão chegou aos cinco pontos, enquanto o Azulão somou seu primeiro. A expectativa era grande pelo reencontro, após 11 anos de duelos apenas pela Série A-2 ou Copa Paulista. Mas em partida com emoções reservadas apenas para a segunda etapa – com uma bola no travessão para cada lado – a igualdade em 0 a 0 persistiu até o apito final.

A primeira etapa foi de poucas emoções. As equipes adotaram estilo cauteloso e nem criaram, tampouco sofreram muito perigo. As oportunidades de gol foram esporádicas. O São Caetano chegou primeiro, em tentativa de William Amorim, enquanto o Santo André respondeu com Ramon. A melhor chance foi do Ramalhão, em cabeçada de Marino que passou perto do gol defendido por Luiz.

Para o segundo tempo o comportamento, no entanto, foi outro. O Santo André ditava o ritmo e foi quem quase abriu o placar. Aos sete minutos, Rone – melhor alternativa andreense na partida de ontem – cortou para o meio e bateu forte; a bola desviou na marcação, enganou Luiz, mas parou no travessão. O São Caetano, por sua vez, não estava morto e devolveu na mesma moeda. Aos dez, William Amorim chutou de longe e a bola acertou o travessão de Fernando Henrique.

Os ramalhinos demonstravam melhor organização, mas apesar de ainda darem espaços - em situação de um time que ainda sofre os efeitos de uma construção que começou tardia -, os são-caetanenses se doaram para somar pelo menos um ponto. Aos 26, a melhor chance do duelo foi do Santo André. Marcos Martins recebeu dentro da área e soltou a bomba, para milagre praticado por Luiz.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;