Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Se não for protagonista, que esteja junto', diz Casagrande sobre governo federal



08/03/2021 | 09:56


O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), avalia como "bem importante" a criação de um grupo nacional de trabalho contra a covid-19 no País - que envolva as presidências do Congresso Nacional, governadores e o Ministério da Saúde - a fim de tomar medidas contra o avanço da doença no País. "São decisões que seriam muito importantes de serem tomadas em conjunto até para ter junto o Ministério da Saúde ou o governo federal. Se não for numa proatividade, se não for protagonista, mas que estejam juntos nessas medidas", disse Casagrande em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Para Casagrande, a falta de adesão do presidente Jair Bolsonaro a certas medidas para conter a doença gera "um debate desnecessário" e "inviabiliza certas medidas". "Nós estamos em uma situação da pandemia que é de guerra, nós não estamos numa briguinha política menor", disse.

Nesta segunda-feira, 8, está prevista uma reunião do grupo de governadores com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para tratar da contratação de imunizantes e cronograma de vacinação contra o novo coronavírus. Segundo o governador, a participação do Poder Legislativo neste grupo de trabalho poderia ajudar a coordenar e acompanhar o calendário de vacinação contra a covid-19.

"Desde o início da pandemia, a gente (governadores) pede ao presidente da República que coordene uma ação que seja nacional", afirmou Casagrande. Sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de conferir liberdade aos governos regionais para definir estratégias mais restritivas no combate à doença, o governador do Espírito Santo avalia que "não foi uma medida equivocada". "Os Estados têm autonomia, mas isso não tira também o trabalho e a responsabilidade do governo federal", completou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Se não for protagonista, que esteja junto', diz Casagrande sobre governo federal


08/03/2021 | 09:56


O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), avalia como "bem importante" a criação de um grupo nacional de trabalho contra a covid-19 no País - que envolva as presidências do Congresso Nacional, governadores e o Ministério da Saúde - a fim de tomar medidas contra o avanço da doença no País. "São decisões que seriam muito importantes de serem tomadas em conjunto até para ter junto o Ministério da Saúde ou o governo federal. Se não for numa proatividade, se não for protagonista, mas que estejam juntos nessas medidas", disse Casagrande em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Para Casagrande, a falta de adesão do presidente Jair Bolsonaro a certas medidas para conter a doença gera "um debate desnecessário" e "inviabiliza certas medidas". "Nós estamos em uma situação da pandemia que é de guerra, nós não estamos numa briguinha política menor", disse.

Nesta segunda-feira, 8, está prevista uma reunião do grupo de governadores com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para tratar da contratação de imunizantes e cronograma de vacinação contra o novo coronavírus. Segundo o governador, a participação do Poder Legislativo neste grupo de trabalho poderia ajudar a coordenar e acompanhar o calendário de vacinação contra a covid-19.

"Desde o início da pandemia, a gente (governadores) pede ao presidente da República que coordene uma ação que seja nacional", afirmou Casagrande. Sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de conferir liberdade aos governos regionais para definir estratégias mais restritivas no combate à doença, o governador do Espírito Santo avalia que "não foi uma medida equivocada". "Os Estados têm autonomia, mas isso não tira também o trabalho e a responsabilidade do governo federal", completou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;