Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Alerta para ser ouvido


Do Diário do Grande ABC

08/03/2021 | 08:52


O Grande ABC tem na indústria automotiva, desde os anos 1950, uma de suas principais forças econômicas e durante décadas foi uma das maiores – senão a maior – geradora de empregos nas sete cidades, inclusive com a melhor média salarial paga a seus colaboradores. Mas a globalização, a abertura econômica implantada a partir de 1990, a entrada no mercado de novos fabricantes e novas tecnologias, como os carros elétricos e híbridos, e as crises que insistem em travar o desenvolvimento do Brasil, quando não o fazem retroceder, têm colocado em risco a sobrevivência e a permanência de montadoras e empresas da cadeia no País como um todo e, em particular, na região.

A robotização das linhas de produção das montadoras ceifaram milhares de empregos na região ao longo do tempo, mas o risco no setor aumentou com a recente saída da Ford, gigante que fechou a fábrica de São Bernardo e já anunciou que vai deixar o Brasil até o fim do ano.

A luz amarela está acesa, mas em entrevista publicada nesta edição o presidente da Volkswagen na América Latina, Pablo Di Si, alerta que se nada for feito desde já, em 20 a 30 anos a indústria automotiva tal como é tende a desaparecer. E com ela outros milhares de postos de trabalho em todo o País. Triste e preocupante, principalmente para uma região que ainda depende sobremaneira das fabricantes de veículos.

Daí porque ele cobra mudanças e política de Estado e de empresas, com planejamento para dez, 20 anos, principalmente a reforma tributária prometida pelo governo, que ele diz ouvir falar já faz cerca de 30 anos.

O executivo deixa claro que não pede redução de impostos, mas simplificação do sistema tributário brasileiro, que qualifica como ‘Carnaval’ devido à imensa gama de regras e taxas. Para exemplificar, cita que no Brasil as companhias têm dez vezes mais funcionários na área fiscal do que nos Estados Unidos apenas para seguir todas as regulamentações de PIS/Cofins, ICMS, IR etc e tal. Mudar isso vai significar ganho para todas as empresas e ao País.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alerta para ser ouvido

Do Diário do Grande ABC

08/03/2021 | 08:52


O Grande ABC tem na indústria automotiva, desde os anos 1950, uma de suas principais forças econômicas e durante décadas foi uma das maiores – senão a maior – geradora de empregos nas sete cidades, inclusive com a melhor média salarial paga a seus colaboradores. Mas a globalização, a abertura econômica implantada a partir de 1990, a entrada no mercado de novos fabricantes e novas tecnologias, como os carros elétricos e híbridos, e as crises que insistem em travar o desenvolvimento do Brasil, quando não o fazem retroceder, têm colocado em risco a sobrevivência e a permanência de montadoras e empresas da cadeia no País como um todo e, em particular, na região.

A robotização das linhas de produção das montadoras ceifaram milhares de empregos na região ao longo do tempo, mas o risco no setor aumentou com a recente saída da Ford, gigante que fechou a fábrica de São Bernardo e já anunciou que vai deixar o Brasil até o fim do ano.

A luz amarela está acesa, mas em entrevista publicada nesta edição o presidente da Volkswagen na América Latina, Pablo Di Si, alerta que se nada for feito desde já, em 20 a 30 anos a indústria automotiva tal como é tende a desaparecer. E com ela outros milhares de postos de trabalho em todo o País. Triste e preocupante, principalmente para uma região que ainda depende sobremaneira das fabricantes de veículos.

Daí porque ele cobra mudanças e política de Estado e de empresas, com planejamento para dez, 20 anos, principalmente a reforma tributária prometida pelo governo, que ele diz ouvir falar já faz cerca de 30 anos.

O executivo deixa claro que não pede redução de impostos, mas simplificação do sistema tributário brasileiro, que qualifica como ‘Carnaval’ devido à imensa gama de regras e taxas. Para exemplificar, cita que no Brasil as companhias têm dez vezes mais funcionários na área fiscal do que nos Estados Unidos apenas para seguir todas as regulamentações de PIS/Cofins, ICMS, IR etc e tal. Mudar isso vai significar ganho para todas as empresas e ao País.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;