Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Jogador do Burnley é alvo de ofensas nas redes sociais após empate com o Arsenal



07/03/2021 | 08:49


O Burnley denunciou neste domingo que o zagueiro Erik Pieters foi alvo de ataques virtuais após a equipe empatar em casa por 1 a 1 com o Arsenal, sábado, pela 26ª rodada do Campeonato Inglês. O motivo é um suposto pênalti que ele teria cometido durante o jogo, mas que não foi assinalado.

No final da partida, ao tirar de cima da linha um gol do Arsenal, o defensor holandês recebeu o cartão vermelho, mas o VAR revisou a marcação e o árbitro Andre Marriner retirou a expulsão. Antes disso, Pieters colocou o braço na bola dentro da área, mas o juiz ignorou e não marcou a penalidade.

"Estamos cientes dos abusos online dirigidos a Erik Pieters após o jogo de ontem. Obrigado a todos que destacaram esses ataques", informou o clube inglês no Twitter, sem detalhar quais ofensas ele teria sofrido e sem deixar claro se esses comentários partiram de torcedores do Arsenal. "Estamos em contato com todas as partes relevantes e oferecendo nosso apoio a Erik e sua família", completou.

As ofensas no ambiente online são um problema recorrente no futebol inglês, que tem travado uma batalha inglória para mudar esse cenário. Vários jogadores, incluindo o meio-campista brasileiro Willian, do Arsenal, foram vítimas de abusos nas redes sociais recentemente. No caso dele, foi chamado de "macaco" no Instagram.

Os jogadores ganharam apoio dos clubes e entidades, incluindo a Premier League, no combate a esses ataques, muitos deles racistas, homofóbicos e xenofóbicos. As partes começaram a pressionar e assinaram uma carta conjunta destinada a Jack Dorsey, CEO do Twitter, e a Mark Zuckenberg, proprietário do Facebook e do Instagram, exigindo providências para lidar com o grave problema. Recentemente, o Estadão falou com as gigantes das redes sociais para entender o que está sendo feito.

O Instagram, cujo dono é o Facebook, anunciou medidas para lidar com os abusos online, incluindo a remoção de contas de pessoas que enviam mensagens abusivas e o desenvolvimento de novos controles para ajudar a reduzir as agressões no ambiente virtual e disse que haverá "ações mais duras para quando tomarmos conhecimento de mensagens que violam nossas regras no Direct".

O Twitter afirmou que o "comportamento racista, abuso e assédio não têm absolutamente nenhum lugar em nosso serviço" e insistiu que trabalha para garantir que a plataforma "seja um lugar seguro para se expressar e acompanhar a conversa sobre futebol, sem medo de abusos ou intimidação".

Segundo a rede social, foram removidos mais de 5 mil tuítes dos 11 milhões que foram publicados no Reino Unido sobre futebol desde o início da temporada em 12 de setembro e tinham como alvo conversas que violavam as regras da plataforma.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Jogador do Burnley é alvo de ofensas nas redes sociais após empate com o Arsenal


07/03/2021 | 08:49


O Burnley denunciou neste domingo que o zagueiro Erik Pieters foi alvo de ataques virtuais após a equipe empatar em casa por 1 a 1 com o Arsenal, sábado, pela 26ª rodada do Campeonato Inglês. O motivo é um suposto pênalti que ele teria cometido durante o jogo, mas que não foi assinalado.

No final da partida, ao tirar de cima da linha um gol do Arsenal, o defensor holandês recebeu o cartão vermelho, mas o VAR revisou a marcação e o árbitro Andre Marriner retirou a expulsão. Antes disso, Pieters colocou o braço na bola dentro da área, mas o juiz ignorou e não marcou a penalidade.

"Estamos cientes dos abusos online dirigidos a Erik Pieters após o jogo de ontem. Obrigado a todos que destacaram esses ataques", informou o clube inglês no Twitter, sem detalhar quais ofensas ele teria sofrido e sem deixar claro se esses comentários partiram de torcedores do Arsenal. "Estamos em contato com todas as partes relevantes e oferecendo nosso apoio a Erik e sua família", completou.

As ofensas no ambiente online são um problema recorrente no futebol inglês, que tem travado uma batalha inglória para mudar esse cenário. Vários jogadores, incluindo o meio-campista brasileiro Willian, do Arsenal, foram vítimas de abusos nas redes sociais recentemente. No caso dele, foi chamado de "macaco" no Instagram.

Os jogadores ganharam apoio dos clubes e entidades, incluindo a Premier League, no combate a esses ataques, muitos deles racistas, homofóbicos e xenofóbicos. As partes começaram a pressionar e assinaram uma carta conjunta destinada a Jack Dorsey, CEO do Twitter, e a Mark Zuckenberg, proprietário do Facebook e do Instagram, exigindo providências para lidar com o grave problema. Recentemente, o Estadão falou com as gigantes das redes sociais para entender o que está sendo feito.

O Instagram, cujo dono é o Facebook, anunciou medidas para lidar com os abusos online, incluindo a remoção de contas de pessoas que enviam mensagens abusivas e o desenvolvimento de novos controles para ajudar a reduzir as agressões no ambiente virtual e disse que haverá "ações mais duras para quando tomarmos conhecimento de mensagens que violam nossas regras no Direct".

O Twitter afirmou que o "comportamento racista, abuso e assédio não têm absolutamente nenhum lugar em nosso serviço" e insistiu que trabalha para garantir que a plataforma "seja um lugar seguro para se expressar e acompanhar a conversa sobre futebol, sem medo de abusos ou intimidação".

Segundo a rede social, foram removidos mais de 5 mil tuítes dos 11 milhões que foram publicados no Reino Unido sobre futebol desde o início da temporada em 12 de setembro e tinham como alvo conversas que violavam as regras da plataforma.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;