Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Saúde reduz previsão de doses de vacina contra covid-19 em março, para 30 milhões



06/03/2021 | 21:46


O Ministério da Saúde divulgou neste sábado, 6, um novo cronograma de distribuição de vacinas contra a covid-19 para o mês de março, com redução no número de doses previstas para 30 milhões. A lista exclui os imunizantes Covaxin, produzidos pelo laboratório indiano Bharat Biotech, que ainda não pediu sequer autorização para uso emergencial à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo a pasta, a nova distribuição de vacinas começa na próxima semana e prevê a entrega de 30 milhões de doses provenientes de acordos com Instituto Butantan, AstraZeneca/Oxford e do consórcio global Covax Facility.

Até a última quinta-feira, 4, o Ministério da Saúde ainda previa distribuir 38 milhões de doses, pois contava com a disponibilização de 8 milhões de doses da Covaxin. A atualização, porém, acabou excluindo essa previsão.

O governo fechou acordo para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin para entrega no primeiro semestre de 2021 antes mesmo da divulgação da eficácia do imunizante. O valor foi de R$ 1,6 bilhão. Na última quarta-feira, a fabricante informou que análise preliminar de um ensaio em fase 3 na Índia apontou eficácia de 81%.

Sob pressão

O governo vem sendo pressionado a acelerar o ritmo de vacinação, num momento em que novas variantes do novo coronavírus se espalham pelo País e diversos Estados enfrentam situações de colapso no sistema hospitalar.

Após meses rejeitando propostas para adquirir vacinas produzidas pela Pfizer e pela Janssen, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou que o governo pretende adquirir 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer (único com registro definitivo no Brasil) e 38 milhões da vacina da Janssen. A pasta também negocia com a Moderna a compra de 13 milhões de doses. Todos têm entrega prevista para o segundo semestre de 2020.

Segundo o Ministério da Saúde, a remessa de vacinas prevista para março deve conter 23,3 milhões de doses da Coronavac (produzida pelo Instituto Butantan), com lotes semanais, 3,8 milhões da AstraZeneca/Oxford, previstas par a segunda quinzena do mês, e 2,9 milhões do consórcio Covax Facility.

No caso das doses da AstraZeneca/Oxford, serão as primeiras produzidas em território nacional com Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) importado para viabilizar a produção.

A partir do quantitativo exato de doses recebidas, o Ministério da Saúde organiza a divisão de forma proporcional e igualitária aos Estados e Distrito Federal. A partir daí é que as doses são enviadas, e os Estados ficam responsáveis pela distribuição dos imunizantes aos municípios.

"As previsões de entrega são enviadas à pasta pelos fornecedores dos imunizantes e estão sujeitas a alterações, de acordo com a disponibilidade dos laboratórios e a real quantidade de doses entregues, que pode variar conforme o ritmo de produção dos insumos", informou o Ministério da Saúde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saúde reduz previsão de doses de vacina contra covid-19 em março, para 30 milhões


06/03/2021 | 21:46


O Ministério da Saúde divulgou neste sábado, 6, um novo cronograma de distribuição de vacinas contra a covid-19 para o mês de março, com redução no número de doses previstas para 30 milhões. A lista exclui os imunizantes Covaxin, produzidos pelo laboratório indiano Bharat Biotech, que ainda não pediu sequer autorização para uso emergencial à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo a pasta, a nova distribuição de vacinas começa na próxima semana e prevê a entrega de 30 milhões de doses provenientes de acordos com Instituto Butantan, AstraZeneca/Oxford e do consórcio global Covax Facility.

Até a última quinta-feira, 4, o Ministério da Saúde ainda previa distribuir 38 milhões de doses, pois contava com a disponibilização de 8 milhões de doses da Covaxin. A atualização, porém, acabou excluindo essa previsão.

O governo fechou acordo para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin para entrega no primeiro semestre de 2021 antes mesmo da divulgação da eficácia do imunizante. O valor foi de R$ 1,6 bilhão. Na última quarta-feira, a fabricante informou que análise preliminar de um ensaio em fase 3 na Índia apontou eficácia de 81%.

Sob pressão

O governo vem sendo pressionado a acelerar o ritmo de vacinação, num momento em que novas variantes do novo coronavírus se espalham pelo País e diversos Estados enfrentam situações de colapso no sistema hospitalar.

Após meses rejeitando propostas para adquirir vacinas produzidas pela Pfizer e pela Janssen, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou que o governo pretende adquirir 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer (único com registro definitivo no Brasil) e 38 milhões da vacina da Janssen. A pasta também negocia com a Moderna a compra de 13 milhões de doses. Todos têm entrega prevista para o segundo semestre de 2020.

Segundo o Ministério da Saúde, a remessa de vacinas prevista para março deve conter 23,3 milhões de doses da Coronavac (produzida pelo Instituto Butantan), com lotes semanais, 3,8 milhões da AstraZeneca/Oxford, previstas par a segunda quinzena do mês, e 2,9 milhões do consórcio Covax Facility.

No caso das doses da AstraZeneca/Oxford, serão as primeiras produzidas em território nacional com Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) importado para viabilizar a produção.

A partir do quantitativo exato de doses recebidas, o Ministério da Saúde organiza a divisão de forma proporcional e igualitária aos Estados e Distrito Federal. A partir daí é que as doses são enviadas, e os Estados ficam responsáveis pela distribuição dos imunizantes aos municípios.

"As previsões de entrega são enviadas à pasta pelos fornecedores dos imunizantes e estão sujeitas a alterações, de acordo com a disponibilidade dos laboratórios e a real quantidade de doses entregues, que pode variar conforme o ritmo de produção dos insumos", informou o Ministério da Saúde.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;